Inóspitos

O misterioso Vidro do Deserto da Líbia

O misterioso Vidro do Deserto da Líbia

Entre as fronteiras de Egito e da Líbia está o Great Sand Sea ou Mar da Grande Areia Oriental, um enorme deserto de areia que se estende por cerca de 650 quilômetros de norte a sul e 300 quilômetros de leste a oeste, cobrindo uma área de aproximadamente 1.100.000 km², área essa do tamanho da Irlanda.

Os ventos dominantes organizaram essa grande massa de areia em enormes dunas de crista longitudinal que se elevam a cem metros de altura em locais e se estendem ininterruptamente por centenas de quilômetros, separadas por corredores planos de cerca de um quilômetro ou dois de largura. Nestas longas lacunas estreitas existem áreas onde o leito de rocha subjacentes estão expostos. Nestas superfícies expostas, são encontrados um curioso vidro natural.

O chamado Desert Glass da Líbia (Vidro do Deserto da Líbia) é o mais puro vidro de sílica natural já encontrado na Terra. O vidro é geralmente de cor amarela. Pode ser muito claro ou leitoso, e até conter pequenas bolhas, manchas brancas e espirais pretos como se fosse tinta. Acreditasse que mais mil toneladas desses vidros estão espalhados por centenas de quilômetros de deserto desolador. A maioria destes é do tamanho de pequenas pedras polidas lisas pela ação abrasiva da areia e dos ventos. Outros são pedaços de tamanho e peso consideráveis. A maior peça encontrada pesava cerca de 26 quilos.

O vidro natural, como o vidro do deserto da Líbia, pode ser formado pela ação de raios sobre a superfície ou por atividade vulcânica ou por meteoritos atingindo a Terra. O vidro do deserto da Líbia foi datado como formado há cerca de 26 milhões de anos, o que levou os cientistas a suporem que o vidro foi formado quando um meteorito atingiu a Terra por volta dessa época, mas a ausência de uma cratera refuta essa teoria.

Em 2007, uma estrutura circular de 31 quilômetros de diâmetros  chamada de Cratera Kebira, pelos descobridores – Farouk El-Baz e Eman Ghoneim da Universidade de Boston foi descoberta usando imagens de satélite, mas a evidência de ser uma cratera de impacto é quase nula. Outra teoria sugere que um cometa explodiu perto da superfície aquecendo a areia abaixo dela a temperaturas extremas, resultando na formação de uma enorme quantidade de vidro de sílica.

A primeira descoberta científica do Deserto da Líbia foi feita por um inglês chamado Patrick A. Clayton em 1932, que trouxe as primeiras amostras de volta à Europa para estudo. No entanto, a existência do vidro era conhecida pelo homem muito antes disso. Habitantes locais no período neolítico fizeram ferramentas de vidro, e mais tarde os egípcios usaram como joia.

Quando Howard Carter descobriu o túmulo do faraó egípcio Tutancâmon, intocado pelos ladrões, em 1922, havia entre os inúmeros tesouros da tumba também a couraça do faraó, onde a imagem do besouro sagrado do Egito – o escaravelho – foi esculpida em um desconhecido material de pedra. Só muito mais tarde, em 1998 que o mineralogista italiano Vincenzo de Michele estabeleceu que este material era o Vidro do Deserto da Líbia.

Fontes: 1 2 3

“Como todo grande viajante, vi mais do que poderia me lembrar e me lembro mais do que poderia ter visto”. – Benjamin Disraeli

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 68 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inóspitos

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Inóspitos

A incrível história de Burro Schmidt e seu túnel

Magnus Mundi18 de junho de 2018

Gocta, a catarata escondida do Peru

Magnus Mundi15 de junho de 2018

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

Sentinelas da Bretanha

Magnus Mundi31 de março de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018

Lítla Dímun, a ilha coberta de nuvens

Magnus Mundi25 de março de 2018

Patomskiy Cater, o ninho da águia de fogo

Magnus Mundi10 de março de 2018

As chaminés maciças do lago Abbe

Magnus Mundi4 de março de 2018

Galápagos: satã chega ao éden

Magnus Mundi9 de fevereiro de 2018