Abandonados

O polo sul da inacessibilidade

O polo sul da inacessibilidade

Um busto de plástico do revolucionário comunista Lenin é a única coisa que se pode encontrar acima da neve, por centenas de quilômetros, numa vasta paisagem congelada na Antártica. Seu busto foi deixado ali, erguido no telhado de uma estação de pesquisa, por membros da Terceira Expedição Antártica Soviética. Atualmente, é a única parte visível da antiga estação agora extinta. O resto dela está enterrada na neve. Polyus Nedostupnosti como era chamada a estação se localiza a 879 quilômetros do Polo Sul e a uns 600 quilômetros da Base Sóvetskaya.

O polo sul da inacessibilidade

A estátua mais solitária do mundo: busto de lenin na estação Polo da Inacessibilidade em 2008 | Crédito da foto: Stein Tronstad / Norwegian Polar Institute

A Terceira Expedição Antártica Soviética chegou a este local remoto em 14 de dezembro de 1958. Na época, acreditava-se ser ali, o Polo de Inacessibilidade (local mais distante da costa) da Antártica. Um polo de inacessibilidade é definido como um lugar sobre a superfície da Terra cuja distância à linha de costa é localmente máxima. Como linha de costa deve entender-se a dos oceanos ou de mares ligados com o oceano aberto. Em 2005, um levantamento feito pelo British Antarctic Survey considerou haver na Antártida dois polos de inacessibilidade. O primeiro deles, que é o Polyus Nedostupnosti, leva em conta apenas a superfície continental da Antártica, excluindo-se as banquisas de gelo do litoral. Já o segundo pólo leva em consideração as banquisas existentes no litoral. Alcançar o polo de inacessibilidade foi um objetivo expresso da Terceira Expedição Antártica Soviética.

O polo sul da inacessibilidade

A expedição foi organizada como parte do Ano Geofísico Internacional – período de meados de 1957 até o final de 1958 – durante o qual o intercâmbio científico entre o Oriente e o Ocidente foi incentivado. Na realidade, foi outra oportunidade para que os Estados Unidos e a Rússia se confrontasse na Guerra Fria. Poucos meses antes, os americanos estabeleceram a estação Amundsen-Scott no Polo Sul e os russos decidiram que responderiam sendo o primeiro país a chegar ao polo sul da inacessibilidade – o ponto mais remoto da Antártica – e construir ali, uma estação de pesquisa.

Em dezembro de 1958, um pouco antes do fim do Ano Geofísico Internacional, uma equipe de dezoito homens partiu para o polo sul da inacessibilidade em veículos motorizados. Quando chegaram, construiram uma pequena estação que incluía uma cabana para quatro pessoas, uma barraca de rádio, duas de torres de antena de rádio e um conjunto de instrumentos meteorológicos. E assim, o busto de Lenin foi montado acima da cabana principal, apontando para Moscou.

A estação inicialmente foi abastecida com alimentos e combustível para seis meses, mas a equipe logo percebeu que a estação era muito remota para uso permanente. Depois de apenas doze dias, uma aeronave pousou em um campo de pouso improvisado e retirou os quatro pesquisadores, enquanto o resto foi evacuado por trenó.

A estação ficou abandonada por seis anos, até fevereiro de 1964, quando a Oitava Expedição Antártica Soviética visitou o local em sua viagem de regresso, ficando no local por cinco dias. No ano seguinte, a expedição “South Pole–Queen Maud Land Traverse“, dos Estados Unidos, chegou à estação de avião e encontrou-a bem abastecida de suprimentos, bem como cigarros e fósforos. Eles ficaram por lá por uma semana, fazendo observações. Ao irem embora, e como pirraça, giraram o busto de Lenin – que originalmente apontava para Moscou – em direção a Washington DC.

O polo sul da inacessibilidade

Uma equipe de exploradores noruegueses e norte-americanos posicionada diante do busto de Lenin durante uma expedição ao Polo Sul em 2007-08 | Crédito da foto

Em 1967, a Décima Segunda Expedição Antártica Soviética visitou o local. Em 2007, quando os três aventureiros britânicos e o guia canadense chegaram ao local, apenas o busto de Lenin pôde ser observado, já que as outras construções estavam encobertas pela neve. A equipe britânica foi a primeira a chegar a estação sem suporte mecânico. O prédio enterrado e o busto solitário, juntamente com uma placa que comemora a conquista do Polo de Inacessibilidade pelos exploradores soviéticos, é agora designado com um monumento histórico.

O polo sul da inacessibilidade

A cabana, tal como apareceu em 1965, antes de ser enterrada na neve. Crédito da foto: Olav Orheim

O polo sul da inacessibilidade

O interior da cabana, visto pela equipe americana de 1965 | Crédito da foto: Olav Orheim

O polo sul da inacessibilidade

O interior da cabana, visto pela equipe americana de 1965 | Crédito da foto: Olav Orheim

Fontes: 1 2 3

“Se você está buscando ideias criativas, saia para caminhar. Os anjos sussurram para os homens quando eles caminham”. – Raymond Inmon

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 221 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Abandonados

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Magnus Mundi21 de setembro de 2018

Hallsands, a vila que desapareceu no mar

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Fortaleza de Mimoyecques, a base secreta dos nazistas para destruir Londres

Magnus Mundi24 de junho de 2018

A incrível história de Burro Schmidt e seu túnel

Magnus Mundi18 de junho de 2018

Ämari Air Force Cemetery, o cemitério de pilotos da Estônia

Magnus Mundi9 de junho de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018

O obscuro legado da Ilha de Gruinard

Magnus Mundi16 de dezembro de 2017

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Magnus Mundi29 de novembro de 2017

The donut, a fracassada ilha artificial

Magnus Mundi22 de outubro de 2017