Nas primeiras semanas de junho, os visitantes do Parque Nacional de Great Smoky Mountains, no leste de Tennessee, Estados Unidos, encontram um espetáculo natural raro: Milhares de vaga-lumes piscando em uníssono como luzes de Natal. As espécies responsáveis pelo desempenho são conhecidos como Photinus carolinus, uma das poucas espécies de vaga-lumes no mundo que são conhecidos por sincronizar os seus padrões de luzes, dentro de um décimo de segundo do outro. Essa espécie é a única síncronos de vaga-lumes das 19 espécies que são encontradas no parque.

Vaga-lumes, na verdade, são besouros alados que utilizam a bioluminescência durante o crepúsculo para atrair parceiros. A luz é produzida nas suas partes inferiores do abdômen, onde os insetos combinam a luciferina química com a enzima luciferase na presença de magnésio e oxigênio para produzir luz. Vaga-lumes são extremamente eficientes no que fazem. Cerca de cem por cento da energia produzida na reação química é convertida em luz. Para efeito de comparação, uma lâmpada incandescente converte apenas 10% da energia em luz e o 90% restante é transformada em calor. Por causa da ausência de calor, a luz produzida por vaga-lumes são chamados de “luz fria”.

Originalmente, pensava-se que os vaga-lumes usavam a luz para avisar os outros membros da presença de predadores e outros perigos. Mas na verdade, os vaga-lumes brilham para se comunicar com os companheiros durante o acasalamento. Em algumas espécies, os machos voam ao redor piscando um padrão muito específico de luz, enquanto as fêmeas permanecem estacionários no chão ou em arbustos e árvores procurando os machos. Quando ela gosta do que vê, a fêmea responde com seu próprio flash exclusivo.

A maioria dos vaga-lumes, o acender e apagar é caótico, feitos em momentos diferentes, cada um tentando fazer o seu melhor para impressionar a fêmea. Já com vaga-lumes como o Photinus carolinus, o ritual de acasalamento é mais organizado. Todos os machos parece ter feito um acordo para piscar todos ao mesmo tempo, num padrão único. Para esse espécie, o padrão é uma série de cinco a oito flashes de luz amarela, seguido de um período de escuridão de oito a dez segundos. Pesquisadores acreditam que os vaga-lumes sincronizam suas piscadas para que as fêmeas identifiquem claramente os padrões do macho e também permite que o macho procure a fêmea, que usa o período de escuridão sincronizado entre os flashes para responder. Sincronização intermitente assim, reduz a poluição visual, ajudando tanto os machos, quanto as fêmeas a encontrar um ao outro.

Fontes: 1 2 3

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Salvar

Visualização: 280 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Sobre o Autor

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Você pode gostar de ver isso

Faça um comentário

Seu email não será publicado