Em 1975, Paolo Dal Paggetto, então diretor do museu das Capelas Medici em Florença, na Itália, tropeçou em um tesouro renascentista. Enquanto procurava uma nova maneira de escapar dos turistas, ele e sua equipe descobriram um alçapão escondido sob um guarda-roupa sob a Nova Sacristia da Basílica de San Lorenzo que dava para uma câmara destinada a abrigar os túmulos ornamentados da família Medici. O alçapão dava para uma pequena escada que levava a uma sala cheia de carvão que a princípio parecia ser apenas um espaço de armazenagem do tal material. Mas nas paredes, Dal Poggetto encontraram o que ele acreditou serem desenhos a carvão e giz feito pelo grande escultor e arquiteto italiano Michelangelo.

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Acreditasse que Michelangelo quando tinha cinquenta e cinco anos, viveu por três meses escondido da família Medici. Michelangelo foi patrocinado durante parte de sua vida, por esta família quanto eles governavam Florença no início do século 16. Porém as relações azedaram quando os Medici foram expulsos do poder por uma revolta popular e Michelangelo se tornou supervisor na construção de fortificações para a República Florentina que expulsaram os Medici de Florença em 1527. A república contudo foi de curta duração e os Medici foram restaurados ao poder em 1530. O jovem Alessandro Medici, que se tornou o primeiro Duque de Florença, começou a ansiar pelo sangue de Michelangelo por trair a família.

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Mais tarde Michelangelo, fugiu para Roma, mas antes disso, por um curto período de templo, ele permaneceu escondido em uma câmara secreta sob as ainda inacabadas Capela Medici, que ele havia projetado para servir como câmara mortuária da família Medici. Michelangelo passou o tempo rabiscando as paredes de seu esconderijo com um pedaço de carvão.

Há um auto retrato, um desenho em tamanho natural de Cristo que se eleva dos mortos e cerca de cinquenta outros esboços que os especialistas acreditam serem cópias de desenhos que o artista pintara no teto da Capela Sistina. “Eu me escondi em um cubículo“, escreveu Michelangelo, “sepultado como o Medici morto acima, embora se esconda de um vivo. Para esquecer meus medos, em as paredes com rabiscos“. Alguns desses desenhos podem ser a chave para entender o misterioso conceito da Capela dos Medici, que vem alimentando muitas discussões acaloradas há mais de um século.

Os desenhos escondidos de Michelangelo

A sentença de Medici sobre Michelangelo foi eventualmente levantada pelo papa Clemente VII, ele próprio membro da família Medici, para que o artista pudesse continuar trabalhando na capela e túmulos da família. Ele saiu de Florença em 1534, sem concluir o combinado. A sala encontrada se encontra fechada ao público para proteger os desenhos. No decorrer dos anos, alguns deles foram, cobertos com várias camadas de tinta ou danificados por inundações e os restaurados removeram restos humanos encontrados embaixo da sala, possivelmente vítimas da peste negra, que contaminavam o ar e as paredes.

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Crédito das fotos: Net Geo

Fontes: 1 2 3

“É preciso que o discípulo da sabedoria tenha o coração grande e corajoso. O fardo é pesado e a viagem longa”. – Confúcio

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 809 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Sobre o Autor

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Você pode gostar de ver isso

Faça um comentário

Seu email não será publicado