Arquitetura

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Os moinhos de Folón e Picón são uma coleção de 67 moinhos localizados nas encostas do Monte Campo do Couto, no município espanhol de El Rosal, na comunidade autônoma da Galiza. Esses moinhos, construídos durante o século 18, estão dispostos em cascata para poderem compartilhar o mesmo canal de água, e foram declarados Bem de Interesse Cultural pela Junta da Galiza.

A energia fornecida pelas águas à medida que desce a montanha era utilizada para moer milho e trigo, além de trabalhar com linho e lã. Embora não estejam mais em funcionamento, os moinhos lindamente restaurados constituem um conjunto de grande patrimônio cultural e etnográfico da região de El Rosal.

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Moinhos de Folón | Crédito da foto

Os moinhos são construídos em dois grupos. O primeiro grupo chamado Moinhos do Folón, consiste de 36 moinhos e está localizado na encosta do Folón sobre um riacho que também é chamado Folón. O segundo grupo chamado Moinhos do Picón, consiste de 31 fábricas e está localizado nas proximidades do córrego chamado Picón.

A maioria dos moinhos são estruturas de dois andares com o moinho real situado no último andar chamado terminado, enquanto o térreo que é chamado sarteio, é ocupado pelas máquinas que acionam o moinho. São edificações feitas de pedra construídas numa encosta ao pé do rio, para aproveitar toda a força da água com o fim de moer o grão de milho, de centeio ou de trigo para fazer farinha. Alguns deles conservam no exterior pias de pedra usadas como bebedouros e comedouros dos animais, como por exemplo, no moinho número 5 (que tem um alpendre para as cavalarias) ou o 23.

A inscrição mais antiga dessas estruturas data de 1702, embora pareça haver evidências documentadas de que essas instalações estavam em operação no século 17. A existência destes moinhos neste local está provavelmente ligada à influência dos monges no Mosteiro de Santa María de Oia. Alguns dos moinhos pertenciam às aldeias, como propriedade comunal; outros eram de propriedade privada ou compartilhados entre várias famílias, e também havia alguns que foram alugados.

Nas vergas das portas (dintéis), ou nas colunas laterais das portas (jambas) e paredes, tanto interiores como exteriores, podem-se observar, numerosas marcas dos construtores das estruturas, posteriormente, os proprietários dos moinhos também deixaram as suas próprias marcas e sinais, geralmente religiosos, tendo neste caso uma possível função quer protetora quer delimitadora da propriedade. Como exemplo, a inscrição de uma cruz com a oração “Ave Maria” que se observa no moinho número 4 ou de uma cruz com um cálice no moinho número 21.

Em 1988, os moinhos de Folón e Picón foram declarados um local de interesse cultural. Logo depois, o trabalho começou a recuperar e restaurar os moinhos e seus arredores, que estavam em estado de abandono na época. Hoje, há uma trilha de caminhada bem marcada na área, com a possibilidade de visitas guiadas gratuitas para ver e entender o funcionamento das usinas.

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Roda d’água | Crédito da foto

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Roda de pedra para moer grãos | Crédito da foto

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Moinhos do Picón | Crédito da foto

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Moinhos de Picón | Crédito da foto

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Moinhos de Picón | Crédito da foto

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Inscrições num moinho | Crédito da foto

Fontes: 1 2

“É preciso que o discípulo da sabedoria tenha o coração grande e corajoso. O fardo é pesado e a viagem longa”. – Confúcio

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 781 vezes

Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Os moinhos em cascata de Folón e Picón – foi Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arquitetura

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Arquitetura

Os bunkers do Dia do Juízo Final em Dakota do Sul

Magnus Mundi11 de agosto de 2019

Os guardiões dos mares brasileiros

Magnus Mundi2 de junho de 2019

McGuire Irish Pub, o pub irlandês de um milhão de dólares

Magnus Mundi1 de junho de 2019

Triora, a terra das bruxas na Itália

Magnus Mundi25 de maio de 2019

Kayabuki no Sato, a pequena vila e seu sistema anti-incêndio

Magnus Mundi15 de abril de 2019

Cragside, a primeira casa do mundo a ter energia elétrica

Magnus Mundi7 de abril de 2019

Jal Mahal, o palácio da água da Índia

Magnus Mundi22 de março de 2019

O relógio ao contrário da Bolívia

Magnus Mundi24 de fevereiro de 2019

As janelas de bruxa de Vermont

Magnus Mundi23 de fevereiro de 2019

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up