Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Postado por

A história do carteiro Joseph Ferdinand Cheval (1836-1924) começa em 1879, quando ele tinha 43 anos e trabalhava como carteiro rural no sudeste Palais Ideal, o castelo dos sonhos de um carteiroda França. Sua rotina diária era caminhar 32 quilômetros entregando cartas aos produtores rurais.

Um dia ele tropeçou numa pequena pedra calcária que o intrigou e decidiu leva-la para casa. Em sua autobiografia, ele comentou:

“Havia tropeçado numa pedra que quase me fez cair. Foi um tropeço tão incomum que coloquei a pedra no bolso para admirá-la quanto estivesse em casa”.

E depois daquilo, catar pedras se tornou um vício, enchendo os bolsos com as pedras que ele encontrava pelo caminho. Mas sua esposa começou a reclamar, cansada de remendar seus bolsos, então ele mudou o modo de transportar pedras, usando um carrinho de mão.

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

E ao longo dos 33 anos seguintes, ele e sua esposa construíram, das pedras acumuladas, um dos monumentos mais estranhos de todos os tempos, que inicialmente era chamado de “O Templo da Natureza”, e mais tarde, como Palácio Ideal ou Palais Idéal, que Cheval dizia ser o palácio dos sonhos e dos contos de fadas que ele tanto imagina em suas caminhadas como carteiro.

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Pela sua contagem, ele e a esposa levaram mais de 9.000 dias ou 65.000 horas, utilizando 3.500 sacos de cal. “Eu queria provar que a força de vontade pode conseguir tudo“, comentou Cheval sobre sua obra. Sua inspiração veio dos cartões postais e nas primeiras revistas ilustradas da época, que ele entregava como carteiro.

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

A construção tem 26 metro de comprimento, com uma altura que varia de oito a dez metros. O Palais é uma mistura de diferentes estilos, com inspirações do cristianismo ao hinduísmo. Há uma versão de um templo hindu ao lado de um chalé suíço, ou um prédio típico da Argélia ao lado de um castelo medieval, e em algum lugar no meio disso tudo, também tem uma mesquita árabe. “Meus mentores espirituais, foram Júlio César, Arquimedes e Vercingétorix“, Cheval disse um dia.

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Em 1912, com a idade de 77 anos, ele finalmente decidiu que seu sonho estava concluído. A partir daí, sua obra começou a chamar a atenção internacional e foi destaque na mídia, saindo em cartões postais e revistas na época, atraindo pessoas de todo o mundo, para visitar seu estranho palácio.

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

O bizarro edifício traz certa de 150.000 visitantes por ano para a cidade de Hauterives, no norte de Valence, França. Palais Idéal foi classificado Monumento Histórico em 1969 por André Malraux (Ministro dos Assuntos Culturais 1959-1969), indo contra a opinião de todos do Departamento de Cultura, que achavam a construção de Cheval bizarra e de mal gosto.

Um deles comentou na época para um jornal: “A coisa toda é absolutamente medonha. Uma pilha deplorável de insanidades que passam no cérebro de um homem rudimentar”.

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Apesar de Cheval ter colocado a pequena cidade de Hauterives no mapa, a prefeitura negou o seu pedido para ser enterrado, juntamente com sua esposa, no palácio. Sem desanimar, ele voltou a trabalhar e em 1914 começou a construir uma segunda estrutura, menor no cemitério local.

Nessa, ele passou oito anos construindo o que ele chamou de “Le Tombeau du Silence et du sans fin repos”, traduzindo algo como: “O túmulo do silêncio e descanso sem fim”. Dois anos após a sua conclusão e apenas alguns dias depois que ele terminou de escrever sua autobiografia, Cheval morreu e foi enterrado nesta nova estrutura e que fica a um quilômetro de Hauterives.

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

Estrutura que Ferdinand Cheval construiu no cemitério local para ser enterrado junto com sua esposa

Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro

A estrutura no cemitério, Cheval chamou-a de “Le Tombeau du Silence et du sans fin repos”

Site oficial: Palais Idéal

Texto originalmente publicado em 14 de maio de 2015

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 884 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor

Comments 1

  1. Pingback: Palais Idéal, o castelo dos sonhos de um carteiro – Digitado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll Up