Engenharia

Ponte Russky, a ponte das vaidades!

Ponte Russky, a ponte das vaidades!

Ao longo da história da civilização, pontes foram construídas para conectar regiões, cidades e países onde o comércio, amizade e a interatividade entre as pessoas possam florescer. São muitas vezes usadas para mostrar poder e capacidade tecnológica, tornando-se ícones em cidades e países e a ponte Russky, em Vladisvostok é o mais recente orgulho da Rússia.

A ponte Russky, é a ponte estaiada mais longa do mundo, seu comprimento total é de 1885,53 metros, e o vão central tem 1104 metros (sendo 16 metros mais longa que a ponte de Sutong, na China, que tem 1088 metros e que era a mais longa do mundo até a inaugurada da Russky, em 2012). A ponte liga a ilha Russky à cidade de Vladivostok, sobre o estreito de Bósforo Oriental, localizado no Mar do Japão e no Golfo de Pedro, O Grande. A ponte também é a segunda com os pilares mais altos do mundo, só perdendo para o viaduto de Millau, na França e foi construída especialmente para o encontro da 24 APEC (Fórum de Cooperação Econômica Ásia Pacífico).

A construção da ponte suspensa para a ilha de Russky, é o resultado de uma cooperação internacional dos países da região da Ásia-Pacífico. A construção teve início no final de 2008 e a ponte concluída em finais de 2012, num tempo recorde de 43 meses.  Com a cúpula, o governo e as empresas privadas inauguraram resorts, áreas de entretenimentos e a modernização do Aeroporto de Vladivostok. A importância estratégica do porto de Vladivostok, implicou que a ponte fosse concebida para permitir a passagem de navios de grande dimensão.

Já a cidade de Vladisvostok está numa península com uma série de ilhas, as principais são: Russky, Popov, Reyneke, Rikord e outras menores, as quais fazem parte do Arquipélago Eugénie. Vladivostok era a principal base naval da Frota Soviética do Pacífico, uma “cidade fechada” onde era proibida a presença de estrangeiros, e russos de outras cidades precisavam requisitar permissão especial para, por exemplo, visitar um parente. Em Vladivostok, Leonid Brejnev e Gerald Ford realizaram as negociações para a Limitação de Armas Estratégicas, em 1974, que levaram à decisão de estabelecer limites na quantidade de diversos sistemas de armas nucleares, e banir a construção de novos lança-mísseis sediados em terra. O status de cidade fechada foi removido em 1991.

Crédito da foto

Crédito da foto: Dmitry Nevozhay

A ilha de Russky era um importante posto militar e proibido até mesmo para os habitantes de Vlasdivostok,  que precisavam de uma autorização especial para visitar a ilha. Na década de 1930 foram estacionados grandes navios de guerra nos portos da ilha, para impedir um possível ataque japonês, e eles permaneceram assim até 1997. Algumas dezenas de ruínas de quartéis e torres de artilharias podem ser visitados. As bases subterrâneas embaixo dessas torres atraem muitos exploradores urbanos. Depois do fórum de 2012 a ilha se tornou o campus da Universidade Federal do Extremo Oriente.

O que muitas pessoas questionam, é os gastos excessivos e a pomposidade em se construir tudo isso para um fórum e para uma ilha com menos de 5.000 habitantes. A ponte foi planejada com 4 pistas, com a capacidade de 50.000 veículos por dia, mas na realidade, menos de dois mil carros a utilizam por dia. A ilha tem apenas 30 quilômetros de estradas asfaltadas, enquanto o resto é de barro. A própria estrada da ponte acaba num beco sem saída a curta distância da ponte, e está assim até hoje.

Fontes: 1 2 3

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 304 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Engenharia

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Engenharia

Kola Superdeep, um dos buracos mais profundo do mundo

Magnus Mundi19 de setembro de 2018

O extraordinário Grande Canal da China

Magnus Mundi9 de setembro de 2018

Jantar Mantar, o observatório astronômico da antiga Índia

Magnus Mundi4 de setembro de 2018

Devil’s bridge, as pontes do diabo na Europa

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

Magnus Mundi9 de junho de 2018

Ilhas Astronautas, as ilhas camufladas da Califórnia

Magnus Mundi4 de abril de 2018

The Wall, a estrutura contra o vento de Fermont

Magnus Mundi19 de março de 2018

Cristo Redentor, o símbolo do Brasil

Magnus Mundi12 de janeiro de 2018