Estruturas

Ponte Vecchio, a ponte medieval ocupada por lojas em Florença

Ponte Vecchio, a ponte medieval ocupada por lojas em Florença

No passado, uma das maneiras de arrecadar dinheiro para a manutenção de uma ponte, era alugar espaços sobre as mesmas para comerciantes. A Ponte Vecchio ou Ponte Velha, uma ponte em arco medieval sobre o rio Arno, em Florença, na Itália é uma das mais conhecidas por ter várias lojas ao longo dela, principalmente ourivesarias e joalherias.

Acreditasse que tenha sido construída pelos romanos, onde a via Cassia atravessava o rio nesse ponto e era feita originalmente de madeira e mencionado em um documento que remonta ao ano de 996. A ponte foi destruída pelas cheias em 1117 e foi reconstruída em pedra para ser destruída novamente por outra inundação em 1333, ficando de pé apenas seus dois pilares centrais, , como observou Giovanni Villaniem em sua obra Nuova Crônica. Novamente a ponte foi reconstruída em 1345, projetada por Taddeo Gaddi, aluno do arquiteto e pintor Giotto. Consiste em três arcos, o maior deles com 30 metros de diâmetro.

Desde o século 13, a ponte albergava lojas e mercadores, que mostravam as mercadorias sobre bancas, sempre com a autorização do Bargello (uma espécie de prefeito, magistrado e autoridade policial). Diz-se que a palavra bancarrota teve a ali sua origem. Quando um mercador não conseguia pagar as dívidas, a mesa (banco) era quebrada (rotto) pelos soldados, fechando o negócio. Essa prática era chamada bancorotto.

Os espaços pertenciam à Comuna e eram alugadas originalmente para açougueiros, peixeiros e curtidores. Para conectar o Palazzo Vecchio (Câmara Municipal de Florença) com o Palazzo Pitti em 1565, Cosimo I de’ Medici fez com que Giorgio Vasari construísse o Corredor Vasari acima da ponte. Em 1593, para reforçar o prestígio da ponte, o Duque Ferdinando de Medici proibiu açougueiros e outros comerciantes que produziam muito lixo e mau cheiro de continuar vendendo sobre a ponte e em seus lugares, comerciantes de ouros ocuparam as lojas.

A associação corporativa de açougueiros monopolizava as lojas na ponte desde 1442. Os joalheiros ainda são a grande maioria dos comerciantes que ocupam as lojas sobre a ponte. Na verdade, alguns dos melhores joalheiros de Florença vendem suas criações nesta ponte medieval. Também há estúdios de artes e lojas de souvenirs.

No século 15, as lojas que originalmente eram alugadas foram vendidas aos comerciantes que começaram a alterar a estrutura da ponte acrescentando terraços externos e quartos que se estendiam em direção ao rio, apoiados em suportes de madeira. Até o século 17, a ponte tinha uma aparência caótica. Durante a Segunda Guerra Mundial, quando os alemães se retiraram da Itália em direção a Alemanha, eles destruíram muitas pontes na Itália para impedir o avanço dos Aliados. Todas as pontes de Florença foram explodidas, mas a Ponte Vecchio foi poupada. Em vez de ser demolida, seu acesso foi bloqueado com a demolição dos edifícios medievais de ambos os lados. O próprio Adolf Hitler reconheceu que destruir a Ponte Vecchio seria um crime contra o patrimônio histórico e cultural.

Em 1900, para honrar e marcar o quarto século do nascimento do grande escultor e mestre ourives Benvenuto Cellini , os principais ourives da ponte encomendaram o mais famoso escultor florentino da época Raffaello Romanelli para criar um busto de bronze de Cellini para ficar no topo de uma fonte no meio do lado leste da ponte, onde está até hoje.

Ao longo da ponte, há vários cadeados, especialmente no gradeamento em torno da estátua de Benvenuto Cellini. A tradição está ligada à antiga ideia do amor e dos amantes: ao trancar o cadeado e lançar a chave ao rio, os amantes tornavam-se eternamente ligados. Graças a essa tradição e ao turismo desenfreado, milhares de cadeados tinham de ser removidos com frequência, estragando a estrutura da ponte. Devido a isso, o município estipulou uma multa de 160 euros para quem for apanhado, em flagrante, a colocar cadeados na ponte. Hoje, o rio Arno é cruzado por seis pontes e todas permitem a travessia de carros e pedestres, exceto a Ponte Vecchio. Isso porque esta ponte medieval icônica está sempre lotado de turistas e compradores. As duas pontes vizinhas da Ponte Vecchio são a Ponte Santa Trinita e a Ponte alle Grazie.

Ponte Vecchio, a ponte medieval ocupada por lojas em Florença

Dano nas cabeceiras da ponte em 1944 durante a Segunda Guerra Mundial | Crédito da foto

Ponte Vecchio, a ponte medieval ocupada por lojas em Florença

Corredor Vasari do Palazzo Vecchio a Uffizi| Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

“Como todo grande viajante, vi mais do que poderia me lembrar e me lembro mais do que poderia ter visto”. – Benjamin Disraeli

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 283 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Este site é um projeto de um homem só, desenvolvido durante seu tempo livre, por favor, deixe um comentário do que achou do artigo. Ele será muito importante e também estou aberto a críticas construtivas.
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Ponte Vecchio, a ponte medieval ocupada por lojas em Florença – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estruturas

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Estruturas

Os bunkers do Dia do Juízo Final em Dakota do Sul

Magnus Mundi11 de agosto de 2019

Tauchergondel, o elevador subaquático na Alemanha

Magnus Mundi3 de junho de 2019

Os guardiões dos mares brasileiros

Magnus Mundi2 de junho de 2019

Binzhou, o porta-aviões num lago na China

Magnus Mundi21 de maio de 2019

As incomuns escadas de gatos da Suíça

Magnus Mundi19 de maio de 2019

Stavkirke, as igrejas medievais da Noruega

Magnus Mundi26 de dezembro de 2018

Excalibur, o radical paredão de escaladas

Magnus Mundi15 de setembro de 2018

Devil’s bridge, as pontes do diabo na Europa

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Fortaleza de Mimoyecques, a base secreta dos nazistas para destruir Londres

Magnus Mundi24 de junho de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up