Inusitados

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

O acervo de alguns dos grandes museus espalhados pelo mundo, muitas vezes não estão expostos ao público, mas sim guardados em gavetas, vidros com formol, caixas e outros recipientes em salas e galpões, onde somente pessoas autorizadas tem acesso. Tal fato, muitas vezes é por falta de espaço em expor tais objetos ou para estudo dos mesmos.

O Museu Nacional de História Natural, em Washington, Estados Unidos, o maior de todos os museus da Instituição Smithsonian, é o lar de mais de 126 milhões de espécimes de plantas, animais, fósseis, minerais, rochas e outros artefatos, que representa mais de 90% das coleções da Instituição. Tal como acontece com todos os museus, uma porcentagem desproporcionalmente grande da coleção é armazenada por trás das paredes, com apenas um pequeno número de itens colocados em exposição pública. Estes itens não estão guardados em algum porão escuro e juntando poeira, mas meticulosamente organizado, marcado, catalogadas e preservados.

Essas coleções servem de materiais de referência para explorar e compreender o Planeta Terra, a diversidade biológica e cultural, relações evolutivas, conservação biológica e mudança global. Os objetos ajudam a interpretar nossas origens biológicas, o nosso patrimônio cultural, e o que o futuro nos reserva“, escreveu o museu em seu site.

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Por trás das paredes do Museu Nacional de História Natural

Crédito das fotos:  Chip Clark

Fontes: 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 152 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Este site é um projeto de um homem só, desenvolvido durante seu tempo livre, por favor, deixe um comentário do que achou do artigo. Ele será muito importante e também estou aberto a críticas construtivas.
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Inusitados

La Piedra Del Peñol, um imenso monolito colombiano

Magnus Mundi28 de agosto de 2019

A solitária capela dentro do vulcão de Santa Margarida

Magnus Mundi24 de agosto de 2019

Lago de Monet, a lagoa onde a arte ganha vida

Magnus Mundi23 de agosto de 2019

Os bunkers do Dia do Juízo Final em Dakota do Sul

Magnus Mundi11 de agosto de 2019

Ponte De Le Tette, a Ponte dos Seios de Veneza

Magnus Mundi6 de agosto de 2019

Scheendijk, as ilhas estreitas em Loosdrecht, na Holanda

Magnus Mundi23 de julho de 2019

O telescópio Leviatã de Parsonstown

Magnus Mundi9 de junho de 2019

Porto Flavia, o porto incomum da Sardenha

Magnus Mundi5 de junho de 2019

Gilbert Hill, o monólito insólito de Mumbai

Magnus Mundi29 de maio de 2019

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up