Animais

Queimada Grande, o ninho de cobras

Queimada Grande, o ninho de cobras

Jamais uma reserva de Mata Atlântica teve protetores tão temidos quanto a Ilha da Queimada Grande ou Ilha das Cobras, a 36 quilômetros do litoral paulista, na altura do município de Itanhaém. Lá não existe posto da Polícia Florestal nem um plantão permanente de bravos ecologistas. Mas poucos se atreveriam a disputar o território com as 5.000 cobras – no mínimo – que povoam a ilha, quase todas serpentes da espécie Bothrops insularis, mais conhecidas como jararacas ilhoas. São parentes das jararacas continentais, só que donas de um veneno de 12 a 20 vezes mais forte. Os planos para fazer uma plantação de bananas falharam, mas provavelmente essa foi a origem do nome da ilha, onde os  portugueses davam o nome de queimada grande na limpeza de terras para a agricultura.

Digamos, assim, que a Ilha da Queimada Grande seja um paraíso com excesso de serpentes. Se essa peculiaridade não a torna muito recomendável para um piquenique, por outro lado faz a festa dos pesquisadores. Poucos lugares do planeta reúnem tamanha quantidade de cobras em espaço tão restrito, com aproximadamente 1.500 metros de comprimento por 500 metros de largura e uma altitude máxima de 200 metros, perfazendo uma área total de 430.000 metros quadrados. A jararaca ilhoa não existe em nenhuma outra parte do mundo. Seu veneno é tão potente que espécimes capturados por “biopiratas” podem chegar a U$ 30.000 (quase 100 mil reais) cada no mercado negro.

Um biólogo do Instituto Butantã de São Paulo explicou que o desenvolvimento dessa espécie se deu por causa do isolamento geográfico a que foi submetida desde a época da glaciação da Terra, há uns 9.000 anos. Quando águas do degelo cobriram grandes extensões de terra, formaram-se várias ilhas, como a Queimada Grande. A maioria dos animais migrou para o continente. Os demais, impossibilitados de nadar, ficaram confinados – sobreviveram, apenas aqueles que puderam se adaptar às condições da ilha. A jararaca ilhoa é fruto dessa seleção natural.

Embora o prato preferido das cobras em geral sejam os mamíferos, as ilhoas tiveram que se contentar com lagartos, lacraias e aves, abundantes no local. Aquelas que, por mutação genética, haviam desenvolvido uma cauda preênsil – capaz de se agarrar aos galhos das árvores, como os macacos – levaram vantagem. Puderam capturar pássaros com mais facilidade e se multiplicaram, conferindo essa nova característica à espécie. Da mesma forma, prevaleceram as que possuíam veneno mais potente, cuja ação fulminante impedia a presa de voar.

A jararaca ilhoa também se alimenta de um outra cobra existente na ilha, a Dipsas albifrons, ou jararaca dormideira. É uma espécie não-peçonhenta (embora tenha veneno como qualquer cobra, não possui aparelho inoculador) que se alimenta apenas de lesmas e caracóis. Em desvantagem na ilha, ela é uma presa fácil: para cada dormideira, há 200 ilhoas! Há ainda casos de canibalismo entre as ilhoas sempre que uma invade o território da outra. Cada uma tem sua área de domínio delimitada. São cinco ou seis metros quadrados, onde ela passa toda a sua vida, sob risco de virar comida da vizinha se ousar sair dos limites. Outra característica que faz da ilhoa uma espécie rara – e perigosa – é o mimetismo, a capacidade de assumir a cor do meio em que vive, confundindo-se com chão, árvores e rochas. E, invariavelmente, confundindo a cabeça de qualquer um que se atreva a pôr os pés na ilha.

Não é à toa que ninguém mais mora lá desde 1918, quando a marinha automatizou o farol da ilha. Até então, apesar da inexistência de água potável ( os animais bebem apenas a água da chuva), havia sempre um faroleiro com sua família na Queimada Grande. Mas os sucessivos relatos de acidentes fatais com cobras inviabilizaram o farol manual e chamaram a atenção dos biólogos do Instituto Butantã, que intensificaram as viagens à ilha a partir de 1984.

Nessas viagens, os pesquisadores tomam todas as precauções. Levam um mateiro experiente, soro, médico e olhos bem abertos. Para se defender das ilhoas pouco adianta usar botas: as cobras também sobem em árvores e podem atacar em qualquer parte do corpo – conforme o local afetado, a morte se dá até em minutos!

Não fosse por essa ameaça, a ilha com sua mata fechada e rochedos com até 200 metros de altura, poderia ser muito frequentada. As águas que a circulam já foram eleitas pelos adeptos do mergulho. Povoadas de uma infinidade de animais marinhos (barracudas, peixe-frade, peixe-voadores, arraias, tartarugas) têm visibilidade de até 40 metros e uma atração extra: o naufrágio do Tocantins, um cargueiro de 110 metros de comprimento que se encontra quase na vertical. Mas a ousadia dos mergulhadores geralmente termina na água. A ilha é tombada pelo Condephaat desde 1985 e as visitas dependem de uma autorização da Marinha. O que é justo: afinal, as cobras chegaram primeiro.

As serpentes apresentam valioso papel na natureza como predadores e presas de vários outros animais, além do potencial farmacológico de seus venenos ainda pouco explorados e que podem trazer inúmeros benefícios para humanidade. Do veneno da Jararaca (Bothrops jararaca) foi produzido o anti-hipertensivo Captopril, todos nós temos um parente ou um conhecido que utiliza esse medicamento.

A proteína “Enpak” (“endogenous pain killer“) obtida no veneno da cascavel (Crotalus durissus) demonstrou ter um efeito analgésico 600 vezes mais potente que o da morfina. Portanto, as cobras também são responsáveis por salvarem a vida de milhares de pessoas, e existe um potencial enorme nos seus venenos para descoberta de novos remédios, o que denota a importância de se saber mais sobre a vida desses animais que estão presentes tanto nos campos e florestas como por vezes nas cidades. Por isso, é fundamental preservar e conhecer melhor esses animais de importância para a humanidade, assim como aprendermos a respeitá-los.

Queimada Grande, o ninho de cobras

Farol na parte mais alta da ilha | Crédito da foto

Fontes: Revista Terra nº2 | www.herpetofauna.com.br

“A sabedoria não nos é dada. É preciso descobri-la por nós mesmos, depois de uma viagem que ninguém nos pode poupar ou fazer por nós”. – Marcel Proust

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 176 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Queimada Grande, o ninho de cobras – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Animais

Tarântulas como alimento no Camboja

Magnus Mundi14 de Março de 2018

Glowworms Caves, a caverna do céu estrelado

Magnus Mundi11 de Março de 2018

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Magnus Mundi26 de Janeiro de 2018

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Magnus Mundi22 de Janeiro de 2018
Enguia-lobo, o marido ideal

Enguia-lobo, o marido ideal

Magnus Mundi2 de Janeiro de 2018

A minhoca gigante de Gippsland

Magnus Mundi29 de dezembro de 2017

Rios de sangue da Eid al-Adha, em Bangladesh

Magnus Mundi6 de outubro de 2017

Daemonelix, os saca-rolhas do diabo

Magnus Mundi11 de setembro de 2017

O sono da baleia cachalote

Magnus Mundi18 de julho de 2017