Flora

Repolho de gambá, a planta de sangue quente

Repolho de gambá, a planta de sangue quente

Entre o final de fevereiro e maio de cada ano, em florestas e zonas úmidas em todo o leste do Canadá e o nordeste dos Estados Unidos, pode ser encontrado uma planta rasteira, sendo extremamente baixa e de odor fétido chamada repolho de gambá (Symplocarpus foetidus). A Symplocarpus é uma das primeiras plantas a surgir na primavera, quando a neve do inverno ainda está para derreter. Através de um processo químico, a flor consegue aquecer-se, e isso permite que ela derreta o seu caminho através da cobertura de neve, formando uma pequena poça de água ao seu redor, criado pelo derretimento da neve. Essa espécie de plantas é uma das poucas do reino vegetal, pertencentes a uma linhagem de plantas com flores, que tem a rara capacidade de gerar calor – um fenômeno conhecido como termogênese. Em algumas localidades, a planta é chamada de primeira flor da primavera.

Plantas termogênicas são encontradas numa variedade de famílias, mas a Araceae em particular contém muitas dessas espécies, vulgarmente designadas por jarro ou arão, composta por 107 gêneros e cerca de 3.000 espécies. A Repolho de Gambá, a Dead Horse Arum (algo como Cheiro de Cavalo Morto, em alusão ao cheiro forte de esterco que ela exala, misturado com traços de carne podre), de nome científico Helicodiceros muscivorus, Inhame Elefante (Colocasia gigantea) e Philodendron selloum, são alguns exemplos de plantas termogênicas que pertencem à família Araceae (o nome popular das plantas pode ser outro, dependendo de onde é encontrada).

Essas plantas podem gerar um quantidade significativa de calor que até mesmo mamíferos não conseguem, e sua taxa de produção de calor aumenta, conforme o aumento do frio no ambiente. Numa pesquisa, onde a temperatura do ar estava em 15°C, a planta Repolho de Gambá manteve sua temperatura 9°C mais elevada, e quando baixaram a temperatura do ar para -15°C, a flor mantive sua temperatura maior que a do ar, mantendo em 15ºC.

A Flor de Lótus (Nelumbo nucifera), flor considerada sagrada no continente asiático, também pode regular a sua temperatura. Em pesquisas, a flor manteve se quente, 30°C a 36°C, mesmo quando as temperaturas ambientais caíram para 10°C. Outra espécie, a Philodendron selloum, regula melhor ainda sua temperatura, sendo sua estrutura quente ao toque, e a planta mais se parece com um órgão reprodutor de um mamífero, do que com uma planta. Em testes de laboratório, a flor controlava suas temperaturas entre 30 a 36°C, mesmo quando os pesquisadores refrigeravam o ambiente para 4°C. Enquanto a Cheiro de Cavalo Morto e outras plantas termogênicas produzem calor em um horário pré definido, independente da temperatura do ar, a Philodendron selloum, consegue algo mais sofisticado e regula a sua geração de calor para manter a temperatura de sua flor constante.

Repolho de gambá, a planta de sangue quente

Planta Cheiro de Cavalo Morto (Helicodiceros muscivorus) | Crédito da foto

A planta Cheiro de Cavalo Morto (Helicodiceros muscivorus), outra planta com cheiro desagradável, supostamente produz mais calor do que qualquer outra planta conhecida ou animal. Os cientistas só conseguiram medir taxas maiores de produção de calor corporal nos músculos de asas de alguns insetos e na gordura marrom dos hamsters.

Esse fenômeno foi descoberto pela primeira vez em 1777, por Jean-Baptiste Lamarck, mas só recentemente os pesquisadores começaram a desvendar a bioquímica por trás dele. E agora sabem, que o calor é gerado na mitocôndria, como um processo secundário de respiração celular, embora o processo como um todo, aí não está completamente compreendido.

Repolho de gambá, a planta de sangue quente

Repolhos de Gambá florescem num pântano | Crédito da foto

Os biólogos acreditam que as plantas termogênico geram calor para ajudar na polinização. O calor torna a fragrância da flor mais volátil que ajuda o perfume a se espalhar mais amplamente, e assim, os insetos polinizadores possam encontra-las, mesmo estando longe. A planta Cheiro de Cavalo Morto, usa o calor não só para atrair moscas e besouros, mas também para convencê-los de que é um animal morto. O calor também torna as plantas termogênico atraente para insetos que procuram calor e conforto.

Mas uma flor que oferece aos polinizadores apenas um gole de néctar ou um lanche de pólen e, em seguida, deixem que sigam seu caminho tem uma melhor chance de dispersar seus polens que uma flor que intercepta insetos por uma noite inteira por sua hospitalidade. É por isso que a termogênese não é comumente visto entre as plantas. Durante a evolução destas espécies, muitas das plantas que geravam calor morreram e foram substituídas por plantas com melhores métodos de polinização.

Fontes: 1 2 3

Tudo o que o homem não conhece não existe para ele. Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento“. – Carlos Bernardo González Pecotche

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 489 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Comentários Facebook

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Flora

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Flora

A árvore leprosa de Malawi

Magnus Mundi21 de junho de 2018

Crooked Forest, misteriosa floresta da Polônia

Magnus Mundi26 de fevereiro de 2018

Hallerbos, a floresta azul da Bélgica

Magnus Mundi24 de dezembro de 2017

Flor-cadáver, a imensa flor rara e fedorenta

Magnus Mundi7 de dezembro de 2017

A Árvore de Ténéré, a árvore solitária

Magnus Mundi25 de novembro de 2017

Arboescultura, a arte de moldar a natureza

Magnus Mundi18 de setembro de 2017

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Magnus Mundi16 de setembro de 2017

Hibaku Jumoku, as árvores sobreviventes de Hiroshima

Magnus Mundi13 de junho de 2017

O túnel do cogumelo em Mittagong

Magnus Mundi4 de abril de 2017
Scroll Up