Abandonados

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Rockall é uma pequena ilha rochosa com cerca de 780 metros quadrados, localizada a 480 quilômetros da costa oeste da Escócia, no Oceano Atlântico, estando a 370 quilômetros de North Uist, nas ilhas escocesas Hébridas Exteriores, o lugar habitado mais próximo. Com pouco mais de 25 metros de largura por 17,15 metros de altura, o antigo pico de um antigo vulcão não parece ter nenhuma característica marcante de interesse particular.

No entanto, essa pequena ilha remota e desolada tem estado no centro de uma disputa internacional há mais de meio século. Quatro nações – Reino Unido, Irlanda, Islândia e a Dinamarca, todos reivindicam a ilha. O interesse não está no pedaço de rocha no meio do nada, mas nas vastas áreas de pesca ao redor e nas enormes reservas de petróleo e gás escondidos no fundo do mar.

A ilha é uma piramide de granito vulcânico que se projeta para fora do oceano como a barbatana de um gigante tubarão. O mar por aquelas bandas é tempestuoso, que é quase impossível determinar com exatidão a altura da ilha: algo entre 20 e 30 metros acima do nível do mar. Os únicos habitantes permanentes da ilha são moluscos e pequenos animais marinhos. Um pequeno número de aves marinhas usam a rocha para descansar no verão, ou ocasionalmente, se reproduzem com sucesso, quando as águas estão calmas, sem que as ondas varrem a rocha.

Embora existam referências escritas sobre a pequena ilha desde o século 16, o primeiro registro de desembarque na ilha ocorreu somente no início do século 19, quando dois tripulantes do navio HMS Endymion escalaram o pequeno rochedo em 1811. Não muito tempo depois da visita do navio inglês, a posição exata de Rockall foi incluída nas cartas da época, o que não impediu que o vapor SS Norge batesse no rochedo em 1904, causando a morte de 635 pessoas, sendo o maior desastre na região.

Posteriormente, em setembro de 1955, um helicóptero da Marinha Real aterrissou no topo da ilha. Três soldados e um cientista, fizeram alguns estudos no rochedo e içaram a bandeira britânica e cimentaram uma placa ao lado da rocha, tomando posse do lugar, por ordens da Rainha Elizabeth II. Isso não impediu que outras nações continuassem suas reivindicações.

Conferências em Dublin, Londres, Copenhague e Reykjavik procuraram acabar com a disputa, mas não tiveram sucesso. Em 1972, o Reino Unido tentou assumir formalmente a propriedade de Rockall, aprovando a lei Island of Rockall pelo parlamento britânico. Mas a lei não foi oficialmente reconhecida por nenhum outro país.

As ambições imperiais britânicas sofreram um retrocesso pela ratificação internacional na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS), que ocorreu em Montego Bay, na Jamaica em 1982, que afirma em seu artigo 121: “Os rochedos que, por si próprios, não se prestam à habitação humana ou a vida econômica não devem ter zona econômica exclusiva nem plataforma continental

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Mapa da localização da ilha Rockall

Para provar que Rockall pode sustentar a habitação e, portanto, é uma parte soberana do território britânico, um ex-soldado da SAS (Serviço Aéreo Especial) e especialista em sobrevivência, Tom McClean viveu na rocha estéril de maio a julho de 1985, totalizando quarenta dias.

Esta é a terceira ocupação humana mais longa da ilha, superada em 1997 por uma equipe do Greenpeace, que passou 42 dias em protesto pela exploração de jazidas petrolíferas por parte dos britânicos. Mudaram o nome da ilha para Waveland e proclamaram simbolicamente a sua independência como um estado novo. A placa inglesa afixada em 1955, foi retirada e afixada ao contrário. O governo britânico limitou-se a autorizar a sua permanência no rochedo. O protesto durou até 1999, quando acabou por falta de fundos. Em 2014 o explorador britânico Nick Hancock ocupou a rocha por 45 dias.

A alegação da Grã-Bretanha para a ilhota não caiu bem para muitos irlandeses, inspirando a banda irlandesa, Wolfe Tones a compor uma faixa musical patriótica intitulada “Rock On Rockall“, que dizia: Oh rock em Rockall você nunca cairá. Nas mãos gananciosas da Grã-Bretanha. Oh você encontrará a mesma resistência. Como você fez em muitos países. Podem as Gaivotas se erguerem e arrancarem seus olhos. E a água esmagar sua concha. E o gás natural queimará seu traseiro. E explodi-lo todo para o inferno.

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Neil McGrigor e a Expedição Escorpião | Crédito da foto

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Vista sul da ilha Rockall | Crédito da foto

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Nick Hancock passou 45 dias no rochedo em 2014 | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 177 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes.

Veja mais em Abandonados

Burj Al Babas, a cidade dos castelos abandonados

Magnus Mundi27 de janeiro de 2019

Houtouwan, a vila de pescadores abandonada na China

Magnus Mundi24 de janeiro de 2019

Sunken Cemetery, na ilha de fogo

Magnus Mundi2 de janeiro de 2019

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí (NSFW)

Magnus Mundi31 de dezembro de 2018

Craco, uma cidade italiana abandonada

Magnus Mundi30 de dezembro de 2018

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Magnus Mundi5 de dezembro de 2018

Castelo de Čachtice, o castelo da condessa sanguinária

Magnus Mundi1 de dezembro de 2018

Ilha Hashima, a ilha fantasma do Japão

Magnus Mundi28 de novembro de 2018

Castaway Depots, os depósitos de sobrevivência da Nova Zelândia

Magnus Mundi11 de outubro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up