Animais

Fish wheels, roda de peixes para capturar salmões

Fish wheels, roda de peixes para capturar salmões

Uma roda de peixe é um dispositivo movido a água utilizada na captura de peixe, particularmente salmão adulto (espécies de salmão Chinook, Chum, Coho, Sockeye e Pink), e consiste em uma roda giratória com cestas e pás ligadas a um aro. Quando a roda está flutuando no rio, a correnteza do rio gira a roda fazendo com que as cestas capturem o salmão que está nadando e trazem para fora d’água e a medida que a roda gira eles vão deslizando até caírem numa calha que propositalmente inclinada para facilitar a queda do peixe para dentro de uma recipiente.

Para ter detalhes da captura pela roda, veja vídeo no final do artigo. O dispositivo engenhoso pode pegar grandes quantidades de peixe e a melhor parte é que os pescadores nem sequer precisam estar lá. A origem do dispositivo é incerta, mas há relatos que se originaram na Escandinávia, e a ideia foi trazida para o Alasca por alguém vindo de Ohio no final do século 19. No passado, elas também foram muito utilizadas no Japão, França e no rio Tibre em Roma. Nos Estados Unidos, foram utilizadas pela primeira vez na Carolina do Norte em 1829.

Rodas de peixes para capturar salmões

Rodas de peixes no rio Cooper, Alasca | Crédito da foto

A implementação de rodas de peixe no noroeste do Pacífico no início do século 20 tornou o salmão uma mercadoria lucrativa para os novos colonos, mas também contribuiu significativamente para a diminuição dos cardumes de peixes ao longo da costa. Isso não apenas implicou com a ecologia ambiental da área, mas também foi muito problemático para as comunidades indígenas, já que o salmão tem sido um alimento culturalmente incorporado aos povos das Primeiras Nações por muitas razões, visto em suas tradições de defumar carne de salmão, roupas usadas em rituais, e a proeminente apresentação do salmão nas artes dos primeiros indígenas que habitaram o continente americano.

Rodas de peixes para capturar salmões

Um modelo de uma roda de peixe | Crédito da foto

O único ciclo de vida do salmão – em que o peixe migra dos rios do oceano para desovar e morrer, e cujos alevinos repetem o ciclo retornando ao oceano para amadurecer  – feito para uma fonte interessante de alimento, em particular porque diferentes espécies de salmão desova em diferentes momentos durante o ano, e em diferentes rios. Portanto, como um alimento não onipresente ao longo do ano, a vinda de novos salmões viajando rio acima para desovar era uma celebração.

Apesar da variação das tradições culturais entre as muitas tribos costeiras do Noroeste, esta celebração, conhecida como a Primeira Cerimônia do Salmão, é uma cerimônia que todas essas comunidades compartilham em comum, e todas se alegram com o retorno do salmão. Tal dependência do retorno desses peixes tornava as comunidades indígenas da costa sensíveis à procriação saudável do salmão viajando, e assim, como o retorno do salmão anunciava uma temporada de colheita, também advertia os pescadores a colherem apenas um seletivo número, então havia salmão suficiente para desovar e, finalmente, retornar no ano seguinte.

A abundância de salmão no rio Colúmbia tornou a área popular para os comerciantes e empresários euro-americanos no século 19, aqueles que rapidamente ancoraram um lucrativo negócio de comércio com comunidades indígenas, barcos fluviais e navios a vapor que viajavam ao longo da costa do Pacífico. A registros de rodas de peixes operando no rio Colúmbia (o quarto maior dos Estados Unidos), que nasce na Colúmbia Britânica, Canadá, que no início do século 20 capturava meia tonelada de salmão todos os dias.

No entanto, a paisagem do comércio mudou drasticamente com o boom da revolução industrial e a chegada da Ferrovia do Pacífico Norte no Oregon em 1883. A revolução também trouxe novas tecnologias de conservação de alimentos – em particular, de conservas – e, consequentemente, novos tipos de empreendedores que viram a oportunidade no rio Colúmbia como base para o estabelecimento de fábricas de conservas de salmão. Essas empresas colocaram suas fábricas estrategicamente no início da migração a montante do salmão, quando os peixes ainda não estavam enfraquecidos e feridos em sua jornada. Isso, no entanto, significava salmões capturados que ainda não haviam aparecido, o que seria muito prejudicial para a população. Até o final da década de 1880, trinta empresas de conservas tinha sido construídas.

Rodas de peixes para capturar salmões

Uma fotografia sem data de dois homens que estão numa imensa plataforma de uma roda de peixes estacionária no rio de Colômbia | Crédito da foto

Na verdade, rodas de peixes foram tão eficazes como um dispositivo de captura de peixe que elas foram proibidas nos Estados Unidos, porque ameaçavam extinguir a população de salmão. Tais dispositivos para uso na pesca comercial só foi permitido no Alasca ao longo do rio Cooper e do Rio Yukon. Uma única roda de peixes perto da cidade de The Dalles no rio Colúmbia em 1906, pescava 190 mil quilos de salmão, e era apenas uma das mais de 75 rodas de peixes trabalhando no rio naquele ano.

Conforme o decorrer dos anos, no começo dos anos 1900, a população de salmão do rio começou a diminuir e surgiu um forte conflito entre os operadores de rodas de peixes e pescadores concorrentes que utilizavam métodos de pesca artesanais, que culpavam os proprietários das rodas por praticamente acabar com o ganha-pão dos pescadores tradicionais.

Rodas de peixes para capturar salmões

Típico acampamento de pescadores no Alasca | Crédito da foto

Na eleições de 1908 no Oregon, pescadores tradicionais pediram a proibição das rodas de pesca, enquanto os proprietários destas pediam que se apreendessem as redes de pescas ilegais com malha finas. Por fim, as rodas de peixes foram banidas nos dois estados atravessados pelo rio Colúmbia: no Oregon em 1928, e Washington em 1935. A indústria da pesca sofreria outro grande revés quando a represa Grand Coulee foi construída sem escadas para os peixes, eliminando-os das suas áreas de desova.

A batalha jurídica intitulada Estados Unidos versus Winans exemplifica o clima de relações indígenas com o estado do Oregon na época, no que diz respeito à desapropriação de terras e de água pelo estabelecimento invasivo de tais indústrias pesqueiras. Os Estados Unidos haviam entrado recentemente em vários tratados com certas tribos das Primeiras Nações do noroeste do Pacífico, onde a terra ocupada pelas Primeiras Nações foi tomada pelo Estado em troca de compensação monetária e pequenas reservas onde eram garantidas nas comunidades tribais,  a segurança de praticar suas tradições culturais – incluindo caça e pesca.

Com esses tratados recém-estabelecidos, as empresas de pesca e conservas estavam livres para erguer suas indústrias no que já foi uma terra indígena. Os irmãos Winans, por exemplo, estabeleceram uma operação de roda de peixe licenciada pelo estado perto de Celilo Falls na década de 1890, que devastou a corrida local de salmões que era de importância vital para tribos situadas ao longo dos rios. Da mesma forma, sob a proteção desses tratados recém-estabelecidos, a operação dos irmãos Winans também proibiu legalmente e à força a passagem a esses povos indígenas de suas tradicionais áreas de pesca.

Rodas de peixes para capturar salmões

Cartão postal do passado mostrando uma roda de peixes

A batalha foi travada pelos povos das Primeiras Nações contra o estado para restabelecer os direitos sobre suas terras, onde o Tribunal do Estado de Washington decidiu pelos Winans com base em seus direitos exclusivos de propriedade privada. Em resposta, a comunidade indígena fez um pedido para impedir que os irmãos parassem de usar a roda de peixe.

Hoje as rodas de peixes não podem ser utilizadas comercialmente em muitos lugares do mundo, mas elas são ideais para os pesquisadores de monitoramento das populações de peixes. As cestas coletam os peixes sem feri-los com anzóis, mantendo-os ilesos. Uma vez capturados, eles podem ser medidos, pesados, etiquetados, e liberados.

Há um pequeno movimento nos EUA reivindicando o retorno das rodas de peixes como técnica de pesca comercial. As alegações são que, ao contrário de muitos tipos de pescarias, como a que usam malhas de redes, que matam muito do que é capturado, a roda de peixes mantém a captura viva na caixa de coleta onde os peixes podem ser escolhidos e, os menores, devolvidos ao rio ilesos.

Rodas de peixes para capturar salmões

Roda de peixes no rio Copper, Alasca | Crédito da foto

Rodas de peixes para capturar salmões

Rio Copper, Alasca | Crédito da foto

Rodas de peixes para capturar salmões

Rio Copper, Alasca | Crédito da foto

Rodas de peixes para capturar salmões

Crédito da foto: Desconhecido

Fonte: 1

Publicado originalmente em junho de 2015

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 2052 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes.

Veja mais em Animais

Bracken Bat Cave, a maior colônia de morcegos do mundo

Magnus Mundi7 de março de 2019

Globsters: quando monstros marinhos encalham nas praias

Magnus Mundi12 de fevereiro de 2019

Dindim, o pinguim que sempre retorna para quem o ajudou

Magnus Mundi10 de dezembro de 2018

Ant mill, as espirais da morte das formigas

Magnus Mundi8 de dezembro de 2018

O pântano de sangue da ilha de Ramree

Magnus Mundi6 de dezembro de 2018

Spirobranchus giganteus, o verme árvore de Natal

Magnus Mundi3 de dezembro de 2018

As cabras escaladoras do Marrocos

Magnus Mundi29 de novembro de 2018

Pirâmide de Ball, a maior ilha vulcânica do mundo

Magnus Mundi24 de novembro de 2018

Aula Museo Abejas del Valle, o museu das abelhas

Magnus Mundi22 de novembro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up