Estranhos

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

No coração da Amazônia peruana, a cerca de uma hora de voo para a cidade de Pucallpa, a maior cidade da Amazônia peruana central, um rio envolto em muitas lendas, intriga os cientistas há muitos anos. Acreditasse tratar do maior rio térmico do mundo, correndo quente para cerca de 6,24 quilômetros floresta adentro, chegando a ter 25 metros de largura em seu ponto mais largo e cinco metros de fundura, na sua parte mais profunda.

Embora as temperaturas extremas do rio não sejam incomuns para uma superfície geotérmica, considera-se notável porque não é vulcânico. A área vulcânica ativa mais próxima é, na verdade, a mais de 700 quilômetros de distância. O chamado “Rio Boiling” (rio fervente) é dito ser a “jóia da coroa” de uma coleção incomum de três rios não vulcânicos na área, que também incluem o Rio Salgado (um fluxo térmico salgado) e o Rio Quente (uma água quente térmica fluxo) – ambos muito menores em comparação com o rio Boiling.

Alimentado por fontes úmidas e quase quentes, o rio também alimenta várias cachoeiras térmicas ao longo do seu comprimento, a mais impressionante da qual tem uma queda de sete metros em uma grande piscina termal. Andrés Ruzo, geólogo do Peru, criou o Projeto Rio Boiling, para estudar e proteger o rio, e relata que algumas partes do rio é tão quente que vários animais que caíram nele, ferveram instantaneamente, numa temperatura que pode chegar a 96°C.

Vi todo tipo de animal cair nele, e o que mais impressiona é que o processo é sempre muito parecido. Primeiro, os animais perdem os olhos, que, aparentemente, cozinham muito rápido, adquirindo uma cor esbranquiçada. A corrente os vai levando, e eles tentam nadar para sair do rio, mas sua carne está cozinhando, pois é muito quente. Assim, vão perdendo as forças até que, finalmente, chega o momento em que a água quente entra na sua boca e os cozinha por dentro.” Ele também relata que o rio começa frio, depois esquenta, volta a esfriar e esquenta novamente, daí sua temperatura baixa mais uma vez e sobe de novo , e finalmente começa a cair até a desembocar em outro rio.

O geólogo descreveu o rio durante uma conferência TED (Tecnologia, Entretenimento, Design) em 2014. Desde então ele vem escrevendo um livro, “The Boiling River: Adventure and Discovery in the Amazon” (“O Rio Fervente: Aventura e Descoberta na Amazônia”, em tradução livre), para contar sua aventura e, principalmente, para descrever este rio sobre o qual a lenda que ele ouvia desde criança não mentia. Ao chegar lá, o geólogo quase não acreditou: “a temperatura média do rio era de 86 graus Celsius, a água não estava efetivamente em ebulição, mas muito próxima disso… não era uma lenda”, ele concluiu e continuou:

“Quando era criança, em Lima, meu avô me contou uma lenda da conquista do Peru pela Espanha. Atahualpa, imperador dos incas, havia sido capturado e aniquilado. Francisco Pizarro e seus conquistadores haviam enriquecido, e as histórias sobre sua conquista haviam chegado à Espanha, produzindo novas ondas (migratórias) de espanhóis, ávidos por ouro e glória. Eles iam aos povoados e perguntavam aos incas: ‘Onde há outra civilização que podemos conquistar? Onde há mais ouro?’. Os incas, para vingarem-se, respondiam: ‘Vão à Amazônia. Lá, encontrarão todo o ouro que quiserem. De fato, há uma cidade chamada Paititi – El Dorado, em espanhol – toda feita em ouro’. Os espanhóis foram para a selva, mas os poucos que voltaram contavam histórias de poderosos xamãs, de guerreiros com flechas envenenadas, de árvores tão altas que tapavam o sol, de aranhas que comiam pássaros, cobras que comiam homens inteiros e de um rio que fervia.”

Este jovem geólogo, também peruano, foi por muito tempo embalado por este mito. Lenda ou realidade? Para descobrir, ele primeiro buscou especialistas para saber se um rio como aquele poderia existir, a resposta pareceu unânime: não. No entanto, ao seu redor, todas as pessoas diziam já ter visto o rio. Sua mãe afirmava até mesmo já ter se banhado nele. Querendo ter certeza de sua existência, o geólogo resolveu partir em busca do tal rio nos lugares mais remotos da floresta peruana. Foi assim que, em 2011, ele teria finalmente encontrado o famoso rio de águas ferventes.

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Andrés Ruzo e a capa de seu livro | Crédito da foto

O antigo nome indígena do rio é Shanay-timpishka, que significa “fervido pelo calor do sol”. Embora enrolado com camadas de lendas, espiritualidade e misticismo, o rio é considerado um lugar sagrado para a comunidade local. A área do rio também abriga o Santuário Huistin e o Mayantuyacu, duas comunidades nativas de cura da Amazônia, que há muito consideram um local sagrado e um lugar de poderes espirituais que apenas os curandeiros comunitários mais poderosos visitariam para se “comungar com os espíritos” e assim aprender sobre os poderes e rituais de cura secretos de seus predecessores.

O rio se localiza numa área que os xamãs chamam de MayantuyacuMayantu é um espírito da selva, com a cabeça de um sapo, o corpo de um lagarto e os braços e pernas de uma tartaruga. Ele é um dos benevolentes espíritos da selva. Yacu significa água. De acordo com as tradições locais, o rio Boiling é um lugar de tremendo poder espiritual, um lar de espíritos da selva muito poderosos, onde apenas os xamãs mais poderosos poderiam ir porque outras pessoas tinham medo dos espíritos.

Uma ebulição cheia de mistérios

Em todo o mundo, existem muitas nascentes de água quente e rios em ebulição, como o Parque Nacional Yosemite, nos Estados Unidos, e na Islândia. No entanto, a energia geotérmica desempenha um papel crucial no aquecimento da água nestes lugares, principalmente devido à existência de algum vulcão nas proximidades. No caso do rio, o mistério permanece, já que as primeiras formações vulcânicas ficam a mais de 700 quilômetros de distância.

Contudo, o geólogo não descarta totalmente a hipótese de uma ação geotérmica. Segundo as análises realizadas por ele, a água seria proveniente da chuva. O processo exato ainda é desconhecido, mas Andrés Ruzo acredita que uma vez precipitada, a água se infiltra no solo. Em seguida, ela seria aquecida por energia geotérmica terrestre antes de aflorar, em ebulição, nesse rio. Este curso d’água poderia, então, sugerir a existência de um vasto sistema hidrotermal subterrâneo. Uma outra particularidade intriga Ruzo de tal forma que ele convidou dois biólogos para ajudá-lo: Spencer Wells e Jonathan Eisen. Próximo ao rio, os pesquisadores encontraram micro-organismos, alguns ainda desconhecidos, que seriam capazes de resistir especialmente bem ao calor do local.

Antes de publicar seu trabalho completo, Ruzo quer garantir que o governo peruano protegerá o lugar e que estabelecerá verdadeiras medidas de conservação. Ele pretende realmente preservar o local de atividades humanas que ganham cada vez mais espaço na região. Quando ele visitou o lugar pela primeira vez, o geólogo constatou que o desmatamento ilegal tinha feito desaparecer uma boa parte da floresta ao redor. “Eu percebi que este rio é uma maravilha da natureza”, ele afirma antes de acrescentar: “ele não continuará assim a menos que nós façamos alguma coisa”. O geólogo espera, assim, que colocar o rio em evidência despertará o interesse do público e ajudará a recolher fundos para garantir sua sobrevivência a longo prazo.

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Xamã toca uma música para o Espírito do Vapor, que ele acredita que “carregar as orações das rochas, da selva e de toda a criação ao Criador” | Crédito da foto

Outra teoria sobre o rio é que suas águas não são aquecidas naturalmente, mas o resultado de um acidente num campo petrolífero próximo. O rio fica a apenas dois a três quilômetros do campo de petróleo ativo mais antigo da Amazônia peruana. Se houvesse um fluxo de óleo e gás que só produz água quente, sem hidrocarbonetos ou gás, eles poderiam simplesmente abandoná-lo. Outra possibilidade é que um fluxo de petróleo e gás acidentalmente perfurou um sistema geotérmico. Um exemplo disso aconteceu em Lusi, na Indonésia, onde o fluxo de lama resultante abrangeu uma área o dobro do tamanho do Central Park e deslocou 40 mil pessoas em 2007.

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Santuário Huistin | Crédito da foto

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Andrés Ruzo em frente a placa indicativa do lugar | Crédito da foto

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Uma das vítimas do rio | Crédito da foto

Site oficial do projeto: www.boilingriver.org

Fontes: 1 2 3 4

“A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos não é o que vemos, senão o que somos”. – Fernando Pessoa

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 1833 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Juliana

    18 de abril de 2018 às 20:02

    Não tem insta????

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Estranhos

A árvore leprosa de Malawi

Magnus Mundi21 de junho de 2018

Grotta del Cane, a caverna que matava cães

Magnus Mundi23 de maio de 2018

Patomskiy Cater, o ninho da águia de fogo

Magnus Mundi10 de março de 2018

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2018

Mercado de las Brujas, o mercado das bruxas de La Paz

Magnus Mundi20 de janeiro de 2018

Pedra de Ingá, o enigma da Paraíba

Magnus Mundi11 de janeiro de 2018

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Magnus Mundi10 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017

Lanternes des morts, as lanternas dos mortos da Europa

Magnus Mundi26 de setembro de 2017
Scroll Up