Inusitados

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Shōwa-shinzan é a montanha mais jovem do Japão com 398 metros de altura, localizada dentro do Parque Nacional Shikotsu-Toya, na ilha de Hokkaidō, não muito longe do vulcão ativo do monte Usu, que já entrou em erupção quatro vezes desde 1900. Com a erupção do vulcão Usu, uma série de fortes terremotos sacudiu a região, e a montanha começou a aparecer no meio de um campo de trigo em 28 de dezembro de 1943. Quando o magma derretido rompeu a superfície, ele elevou o campo e nos dois anos seguintes a cúpula de lava continuou a subir até atingir quase 400 metros de altura.

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Crédito da foto

O nome Shōwa-shinzan significa “nova montanha Shōwa“, devido a montanha ter sido formada no reinado do imperador Hirohito, conhecido como o período Shōwa (1926-1989). Quando Shōwa-shinzan entrou em erupção, o Japão estava lutando contra os Aliados na Segunda Guerra Mundial. A aparição de um vulcão em um momento em que o país inteiro estava em perigo foi tomado como um mau presságio pelas pessoas mais supersticiosas. As autoridades tentaram abafar e pediram aos moradores que mantivessem a montanha em segredo.

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Diagrama Mimatsu

Masao Mimatsu, um carteiro que morava nas proximidades, começou a observar e registrar o progresso do vulcão. Devido aos tempos de guerra, materiais científicos básicos estavam em falta e Masao teve que improvisar. As anotações que ele registrou e os esboços que fez de Shōwa-shinzan são os únicos registros disponíveis aos geólogos sobre a formação dessa montanha.

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

O vulcão Usu, visto da montanha Shōwa-shinzan | Crédito da foto

Masao amarrou várias linhas de pesca horizontalmente através de duas vigas verticais ao lado do posto dos correios. E ficou observando o crescimento do vulcão através dessas linhas – elas agindo como linhas guias – dia após dia, desenhava a montanha, em momentos diferentes em seu crescimento. Em 1948, Masao apresentou seus dados e esboços na Conferência do Vulcão Mundial, em Oslo e seu trabalho foi amplamente elogiado por vulcanologistas de renome. Seus trabalhos foram chamados de “Diagrama Mimatsu” e por ele, Masao recebeu o Primeiro Prêmio Cultural de Hokkaido.

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Ilustração de como Masao Mimatsu fez para medir o vulcão

Masao usou todas as suas economias e comprou as terras onde se localizava o vulcão, para poder estudar o mesmo mais aprofundadamente. Registros mais precisos sobre essa compra não existem. Moradores locais contam que ele havia comprado, quando a montanha estava crescendo, outros já dizem que foi só depois que o vulcão adormeceu.

Qual a verdadeira ninguém sabe ao certo, mas o carteiro tornou-se proprietário de um vulcão e até hoje ele continua em propriedade privada e fumegando, apesar do governo japonês declarar que é um monumento natural do Japão – uma raridade em qualquer lugar do mundo. Masao foi homenageado com o Mimatsu Masao Memorial Hall, próximo ao Shōwa-shinzan e uma estátua de bronze sua foi erguida dele olhando através de um equipamento de topografia.

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Comparação do campo de trigo, antes do vulcão e depois

Fontes: 1 2 3

“Na corrida dessa vida é preciso entender que você vai rastejar, que vai cair, vai sofrer.E a vida vai lhe ensinar que se aprende a caminhar e só depois correr”. – Bráulio Bessa

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 139 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes.

Veja mais em Inusitados

Pedras da fome, as advertências do passado

Magnus Mundi2 de fevereiro de 2019

Juhyo, os monstros de neve do Monte Zao

Magnus Mundi1 de fevereiro de 2019

Lago Kingsley, o lago de um círculo perfeito

Magnus Mundi31 de janeiro de 2019

The Fence, o objeto mais pintado do mundo

Magnus Mundi14 de janeiro de 2019

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelos romanos

Magnus Mundi13 de janeiro de 2019

Stepwells, os poços em degraus da Índia

Magnus Mundi6 de janeiro de 2019

Uluru, a segunda maior pedra do planeta

Magnus Mundi7 de dezembro de 2018

Fuerteventura e a praia da pipoca das Ilhas Canárias

Magnus Mundi6 de dezembro de 2018

El Tatio, o maior gêiser do hemisfério sul

Magnus Mundi4 de dezembro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up