Coleções Estranhas

Sign Post Forest, a floresta de placas no Canadá

Sign Post Forest, a floresta de placas no Canadá

Sign Post Forest é uma atração inusitada que fico num ponto ao longo da estrada em direção ao Alasca, localizado perto da cidade de Watson Lake de 1.700 habitantes, no território de Yukon, no Canadá. É uma “floresta” cheia de placas de tudo quanto é tipo, de diversos formatos e tamanhos, sendo várias pregadas em postes verticais enterrados ao chão em meio a uma floresta de pinheiros.

A tradição de colocar placas naquele local começou em 1942, pelo soldado do exército americano Carl K. Lindley. A cidade de Watson Lake não existia ainda, mas havia uma base área militar e um aeroporto nas proximidades. Carl Lindley pertencia a Companhia D, 34 1st Army of Engineers, uma divisão de engenharia do exército americano, e estava trabalhando na construção da estrada quando se machucou e ficou na base se recuperando. Durante sua estada, o oficial comandante, ordenou Carl reparasse as placas que informavam às diversas distâncias para os vários pontos ao longo da estrada, danificadas por uma escavadeira.

Naquele tempo, era prática comum entre os engenheiros do Exército dos Estados Unidos, colocarem um poste com várias placas apontando a direção e dando a quilometragem para as cidades vizinhas e pontos interessantes pelo mundo. Carl sentiu saudades de sua casa e decidiu acrescentar uma placa apontando na direção de sua cidade natal, Danville, Illinois. Outras pessoas gostaram da ideia e adicionaram placas apontando para vários outros lugares e assim a floresta de placas foi crescendo.

No decorrer dos anos, um lugar onde havia uma única placa se transformou num espaço com 14.400 metros quadrados e cheias de placas, sendo adicionadas por pessoas de todo o mundo. São milhares de placas, tais como placas de trânsito, placas de ruas, com nomes de cidade, placas de bem vindo, entre outras. E não só placas que as pessoas vão adicionando a coleção, mas também calotas de carros, bandeiras, urinol e outros objetos, e a maioria com alguma mensagem escrita. Até o momento, a maior placa, é com informação sobre uma auto estrada alemã com o tamanho de 6 x 10 metros, quem e como trouxeram essa imensa placa ninguém sabe, mas deve ter dado muito trabalho até ser colocada no local. Estimasse que há mais de 100 mil placas na Sign Post Forest e esse número cresce a cada ano.

A placa original de Carl Lindley que iniciou a tradição acabou sendo extraviada, mas em 1992, por ocasião do 50º aniversário da Rodovia do Alasca, Carl e sua esposas Elinor retornaram a Watson Lake e instalaram uma réplica da placa que ele havia erguido a meio século atrás. Atualmente a réplica da placa Danville, Illinois está exposta dentro do centro de Informações do parque.

Sign Post Forest, a floresta de placas no Canadá

Imagem da Expedição ao Alasca 2016, na Sign Post Forest. Casal e neto que saíram de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e estão viajando pelas 3 Américas, num total de 60.000km | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3 4

“Tudo o que o homem não conhece não existe para ele. Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento”. – Carlos Bernardo González Pecotche

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 159 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Coleções Estranhas

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Coleções Estranhas

Bottle Cap Alley, o beco das tampinhas de garrafas

Magnus Mundi14 de fevereiro de 2018

Pedras de Bezoar, magia, ciência e arte

Magnus Mundi30 de novembro de 2017

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Magnus Mundi29 de novembro de 2017

Sheela na gigs, os entalhes eróticos da Idade Média

Magnus Mundi2 de novembro de 2017

Os incríveis insetos de Alfred Keller

Magnus Mundi12 de fevereiro de 2017

Plastinarium, a morte vista em plastinação

Magnus Mundi6 de fevereiro de 2017

Masaichi Fukushi, o colecionador de pele tatuada

Magnus Mundi27 de agosto de 2016