Animais

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Ao entrar na sede da Soama (Sociedade Amigos dos Animais), a primeira reação do visitante é de espanto. Milhares de olhos se voltam para o portão de acesso e um som de latidos inicia aos poucos, até tomar conta da atmosfera. É neste terreno de 1,5 hectares, afastado do centro da cidade, onde vivem cerca de 1.800 cachorros e 200 gatos abandonados nas ruas de Caxias do Sul (a 125 quilômetros de Porto Alegre), na serra gaúcha.

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Não se trata de uma favela de cães, como a chácara ficou conhecida. A Soama está mais para um campo de refugiados, onde centenas de animais, antes abandonados à própria sorte, recebem atenção e esperam por um novo lar. Só em 2010, a instituição recebeu 914 cães e gatos, e conseguiu novos lares a 491 deles. Há 13 anos a ONG (organização não-governamental) atende os animais, antes de encaminhá-los à adoção. São todos recolhidos da rua em péssimas condições: alguns atropelados, outros espancados. Na chácara eles são medicados, castrados e identificados por chip.

A organização sobrevive com a dedicação de duas dezenas de voluntários mais assíduos, afirma Natasha Oselame Valenti, 34 anos, diretora de marketing da ONG, e filha de Dinamar Oselame, uma das fundadoras. Com o auxílio deles foi desenvolvida uma grife própria, que comercializa pela internet diversos produtos, como camisetas, chaveiros e chinelos, que ajudam na renda da ONG.

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Da prefeitura de Caxias do Sul – que também cede o terreno para a Soama – vem uma verba mensal, que serve para o pagamento de dez funcionários, um veterinário e 14 toneladas de ração por mês. “Descobrimos que existe uma lei federal que afirma que os animais são tutelados pelo Estado. Procuramos o Ministério Público, que fez com que essa lei seja cumprida em Caxias”, conta Natasha, ao se referir ao artigo primeiro do decreto 4.645, de 1934.

Paisagem

A imagem das casinhas de madeira dispostas por toda a extensão do lugar dá um ar de aparente desordem. Mas é puro engano. Cada animal tem dois potes, um para água e outro para comida, e fica amarrado à sua casa, o que delimita o seu espaço. Eles não podem ficar soltos, já que são separados por tamanho, idade, humor e agressividade.São poucos os ferozes, como um, sem nome, de grande porte, que Bira, um dos tratadores, advertiu: “não chega perto desse aí, não”. Jorge Maciel, o Bira, tem 49 anos e há 12 meses trabalha na Soama. Era restaurador de móveis, até que foi chamado à chácara para realizar um pequeno conserto. “Foi o destino que me trouxe aqui.”

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Bira é o “empregador”, o homem que avalia se o novo servente tem condições de trabalhar no cuidado dos animais. “Esses animais dependem da gente para comer e beber. Por isso esse tipo de trabalho tem que se fazer com alegria e amor.” Há cerca de um ano Giovane da Silva, 20 anos, ex-ajudante em uma transportadora, passou pela aprovação de Bira. O trabalho na ONG é menos braçal, mas exige muito ânimo: “A gente trabalha até em fim de semana. Mas vale muito a pena. Quando estou de folga, sinto saudade dessa bicharada”, admite o jovem, enquanto caminha pelas centenas de cachorros, repondo os potes de água um a um.

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Preconceito

“Por que o vira-lata vale menos? O cachorro adotado é eternamente grato ao seu tutor”, afirma Natasha, ao condenar o preconceito da população com os animais com mistura de raças. Ela tem realizado palestras em escolas da cidade para divulgar o trabalho da organização e ensinar a importância de se tratar um animal com respeito. “É difícil fazer o adulto que pensa que bicho é um objeto mudar de ideia. Porém, as crianças são muito mais abertas.”

E é por muitos desses adultos que Natasha é questionada sobre o trabalho que faz. “Tanta criança passando fome na rua, alguns dizem. Então respondo: compaixão é por tudo e por todos.”

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Soama, a aldeia dos animais abandonados

Para conhecer mais sobre o trabalho da Soama, acesse o site da ONG.

Fonte: 1 2 3

Salvar

Salvar

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 498 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Animais

Cordyceps – O fungo que transforma insetos em zumbis!

Magnus Mundi17 de julho de 2018

O valioso sangue azul do caranguejo-ferradura

Magnus Mundi11 de junho de 2018

Anacondas e pítons, as grandes cobras do mundo

Magnus Mundi30 de maio de 2018

Tarântulas como alimento no Camboja

Magnus Mundi14 de março de 2018

Glowworms Caves, a caverna do céu estrelado

Magnus Mundi11 de março de 2018

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Magnus Mundi26 de janeiro de 2018

Queimada Grande, o ninho de cobras

Magnus Mundi25 de janeiro de 2018

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Magnus Mundi22 de janeiro de 2018
Enguia-lobo, o marido ideal

Enguia-lobo, o marido ideal

Magnus Mundi2 de janeiro de 2018