O cargueiro de 1.322 toneladas chamado SS Baychimo navegou pelo Ártico sem combustível ou tripulação por quase quatro décadas depois de ter sido abandonado, até desaparecer de vista há pouco mais de cinquenta anos, apesar de muitas pessoas acreditarem que ele ainda esteja à deriva entre os icebergs. Por ser a costa do Ártico é um dos lugares mais remotos do planeta, não se pode apostar que isso não possa ser verdade.

O navio foi lançado em 1914 na Suécia com o nome de Ångermanelfven (em homenagem ao rio sueco Ångerman) pelo estaleiro Lindholmens em Gotemburgo para uma empresa alemã com sede em Hamburgo. O navio tinha um casco de aço de 230 pés (70,1 metros) de comprimento e era movido por um motor a vapor de expansão tripla. Também era equipado com mastros e cordame de escuna.

SS Baychimo, o navio fantasma que navegou sozinho por 38 anos

Vista da popa do navio preso no gelo

Ångermanelfven foi usado como navio mercante por seus proprietários alemães ao redor do Mar Báltico, navegando entre Hamburgo e a Suécia até o início da Primeira Guerra Mundial. Depois ele foi cedido ao governo britânico como parte das reparações de guerra da Alemanha e foi adquirido pela Hudson’s Bay Company em 1921, quando foi rebatizado de Baychimo. Com sede em Androssan na Escócia, Baychimo fez viagens de rotina através do Atlântico Norte entre seu porto de origem e o Canadá, visitando feitorias e coletando peles.

Em 1923, o navio foi designado para uma rota diferente, desta vez no Ártico Ocidental, viajando entre Vancouver e os postos da Hudson’s Bay Company ao longo da costa norte de Yukon e Territórios do Noroeste. Além de transportar cargas, Baychimo ocasionalmente levava passageiros, mas como o navio não tinha permissão legal para transportar pessoas, esses viajantes eram listados como parte da tripulação e tinham que trabalhar no navio em troca de uma cama, comida e uma viagem de volta para casa.

SS Baychimo, o navio fantasma que navegou sozinho por 38 anos

No final de setembro de 1931, em seu caminho de volta para Vancouver, o navio foi surpreendido por uma violenta nevasca perto de Point Barrow, na costa norte do Alasca, onde ficou preso em um bloco de gelo. A empresa Hudson’s Bay Company enviou aviões para recuperar parte da tripulação, deixando quinze homens, incluindo o capitão Sydney Cornwell, que decidiram passar o inverno acampados perto da vila de Barrow, a cerca de 800 metros de onde o navio estava encalhado.

O objetivo era esperar que o gelo derretesse, para recuperar o navio. Durante todo o mês de outubro e a maior parte de novembro, alguns homens voltavam ao navio todos os dias para limpar o gelo do leme e de outras peças importantes do navio, e assim deixa-lo navegável, quando o clima fosse favorável.

SS Baychimo, o navio fantasma que navegou sozinho por 38 anos

O SS Baychimo no banco dos réus (1920). Fotografia de Walter E. Frost

Em 24 de novembro, outra forte nevasca atingiu a região e, quando ela clareou, os homens descobriram que o navio havia desaparecido. O capitão e a tripulação presumiram que ele havia sido esmagado e afundado. Menos de uma semana depois, receberam a notícia de um caçador Inuit que avistou o Baychimo preso no gelo perto de Skull Cliff, ao sul de Barrow, a cerca de 72 quilômetros ao sul de onde estavam.

O capitão, um tanto relutante em enfrentar a neve para encontrar o navio, reuniu alguns homens e o encontrou exatamente onde o caçador indicou. O navio parecia ter sofrido danos significativos. Cornwell temia que não estivesse em condições de navegar por muito mais tempo e logo se quebraria e afundaria.

Removeram as peles mais valiosas do porão e abandonaram o navio pela última vez. O capitão e a tripulação restante viajaram de volta para Vancouver e a empresa deu baixa no navio e na carga que ainda permanecia no navio.

SS Baychimo, o navio fantasma que navegou sozinho por 38 anos

O SS Baychimo preso no gelo em 1931. Imagem: Domínio Público

Pouco tempo depois, o Baychimo foi avistado cerca de 480 quilômetros a leste de onde havia sido anteriormente. Depois disso, o navio foi avistado outras doze vezes nas décadas seguintes, incluindo em 1932 ao largo de Wainwright, no Alasca, por um grupo de exploradores que o abordou e limparam o mesmo de tudo que havia de valiosos, abandonando o navio ao seu destino. Em março de 1933, um grupo de esquimós se abrigaram no navio por dez dias durante uma violenta tempestade.

Em novembro de 1939, um certo Capitão Hugh Polson, decidiu salvar o navio. Afinal ele havia resistido ao congelamento e às águas geladas do Ártico, porém suas tentativas de resgatar o navio foram em vão. Depois de 1960, o Baychimo deixou de ser avistado por muitos anos, tanto que se pensou que tivesse afundado. 

SS Baychimo, o navio fantasma que navegou sozinho por 38 anos

Membros da tripulação removendo gelo do leme do Baychimo

Porém, em 1969, o navio foi interceptado pelo quebra-gelo Manhattan, que se dirigia para a Passagem Noroeste, e foi visto preso no gelo, entre Point Barrow e Icy Cape no Mar de Beaufort. Na época, o navio tinha 55 anos e estava à deriva, sem ninguém a bordo, já faziam 38 anos. Esse foi o último avistamento registrado do Baychimo.

Quase quatro décadas depois, em 2006, o governo do Alasca iniciou um projeto para encontrar Baychimo e cerca de 4.000 outros navios que haviam desaparecidos ao longo da costa do Alasca. A busca pelo Baychimo não teve sucesso.

SS Baychimo, o navio fantasma que navegou sozinho por 38 anos

Tripulação do Baychimo removendo suprimentos do navio congelado

Supondo que o Baychimo tivesse afundado logo após ao último avistamento, ainda o torna um dos navios fantasmas que mais durou navegando sem rumo e sem tripulação no mundo. Os navios raramente duram por tanto tempo sem tripulação, especialmente entre os blocos de gelos esmagadores. É mais do que provável que o antes inafundável navio fantasma agora esteja em algum lugar no fundo frio e lamacento do Oceano Ártico.

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Leia também:

Boise City, a cidade americana bombardeada pelos americanos

Crocker’s Spite Fence, a cerca da discórdia de São Francisco

Visualização: 71 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Sobre o Autor

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Você pode gostar de ver isso

Faça um comentário

Seu email não será publicado