Animais

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Aproximadamente há cinquenta anos atrás, um cão subiu numa árvore perseguindo algum animal pequeno e nunca mais desceu. Anos depois, na década de 1980, um grupo de madeireiros da empresa Georgia Kraft Corp. cortou um carvalho-roble (Quercus robur), espécie de carvalho que dá frutos chamados de bolotas, muito apreciado por esquilos, gralhas, roedores e outros animais, em algum lugar dentro de uma floresta no sul do Estado de Geórgia, nos Estados Unidos.

Depois de cortar o topo da árvore e carregá-lo num caminhão para ser transportado a serraria, um membro da equipe espiou dentro do tronco oco. No interior, ele encontrou os restos perfeitamente mumificados de um cachorro olhando para ele, com seus dentes a amostra, na posição como ele morreu, numa desesperada luta pela sobrevivência.

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Crédito da foto: Jacksonville.com

Especialistas que estudaram a carcaça do cão concluíram que o cachorro ao perseguir algum animal pequeno se embrenhou dentro do tronco oco até ficar entalado e morrer de fome. Devido a um conjunto perfeito de circunstâncias, ao invés de se decompor, seu corpo se mumificou. Normalmente, um cão que morresse na natureza sucumbiria à decomposição ou seria comido por predadores. No entanto, como o cão morreu dentro de uma árvore, era improvável que outros animais pudessem alcançá-lo – e, devido a altura onde se encontrava, era também improvável que outros animais pudessem sentir o cheiro.

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Crédito da foto: Scott Beahan / The Newsweek

Além disso, o tipo de árvore em que o cão se enfiou se presta no processo de mumificação natural. Os carvalhos de castanhas como são chamados nos Estados Unidos contêm taninos, que são utilizados na taxidermia e curtimento para tratar peles de animais, de modo que não se deteriorem. Os taninos do interior da árvore penetraram no corpo do cachorro e impediram que ele apodrecesse. O ambiente seco dentro do tronco também forneceu abrigo aos elementos externos e sugava a umidade da carcaça. O ar que era sugado para dentro da árvore através da base criou uma espécie de efeito vácuo, contribuindo ainda mais para o processo de secagem.

Depois de encontrar o cachorro mumificado, os madeireiros doaram o tronco com o cão ainda preso para o museu Southern Forest World, um museu em Waycross na Geórgia dedicado à história da silvicultura, onde permanece em exibição. Durante mais de vinte anos, o cão foi chamado simplesmente de “cão mumificado”. Mas em 2002, o museu realizou um concurso para a escolha de um nome para o cão inusitado e o nome “Stuckie” foi o escolhido.

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Crédito da foto: Scott Beahan / The Newsweek

Fontes: 1 2

“É preciso que o discípulo da sabedoria tenha o coração grande e corajoso. O fardo é pesado e a viagem longa”. – Confúcio

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 201 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Animais

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Magnus Mundi26 de Janeiro de 2018

Queimada Grande, o ninho de cobras

Magnus Mundi25 de Janeiro de 2018
Enguia-lobo, o marido ideal

Enguia-lobo, o marido ideal

Magnus Mundi2 de Janeiro de 2018

A minhoca gigante de Gippsland

Magnus Mundi29 de dezembro de 2017

Rios de sangue da Eid al-Adha, em Bangladesh

Magnus Mundi6 de outubro de 2017

Daemonelix, os saca-rolhas do diabo

Magnus Mundi11 de setembro de 2017

O sono da baleia cachalote

Magnus Mundi18 de julho de 2017

Caranguejo Heike, um exemplo da evolução das espécies

Magnus Mundi30 de junho de 2017

A Torre de Londres e seus corvos

Magnus Mundi19 de junho de 2017