Animais

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Durante cinco anos, no final da década de 70, um enorme crocodilo marinho de 800 quilos e 5 metros de comprimento semeou o pânico e colheu fama em toda a Austrália. Batizado de Sweetheart (algo como “Doçura”, em inglês, numa referência inversamente direta à ferocidade do seu temperamento), o crocodilo, um macho adulto da única espécie capaz de viver ao mesmo tempo em água doce e salgada (e que no extremo norte da Austrália infesta os mares de tal forma que ninguém jamais vai à praia apesar do calor de derreter ideias), transformou-se numa espécie de monstro celebridade do país, após atacar uma dúzia de barcos que ousaram invadir seu território predileto, um braço de rio conhecido como Sweets Lagoon, a cerca de 80 quilômetros da cidade de Darwin.Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Esperto, como todos os crocodilos, mas imprevisível como nenhum outro, Sweetheart costumava variar seus ataques, de forma a pegar suas vítimas sempre de surpresa: hora vinha de baixo e batia com força no casco do barco até virá-lo; hora abocanhava direto o costado, num comportamento tão violento quando atípico para a espécie. Nutria, no entanto, uma especial aversão por motores. Não raro, investia de encontro as próprias hélices, deixando cravados seus dentes nos motores de popa – fato que levou alguns biólogos a desenvolver a curiosa tese de que Sweetheart só atacava os barcos porque, no passado, fora ferido por um deles e, desde então, associara o barulho do motor com o sofrimento da dor.

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Certos ou errados, o fato é que, um dia, em 1979, temendo que um torneio de pesca a ser realizado na região acabasse em tragédia, um grupo de guarda parques decidiu capturar Sweetheart, apesar da austera lei australiana de proteção aos crocodilos. O objetivo, porém, era pegá-lo vivo, transportá-lo para uma fazenda de estudos e descobrir, o que, afinal, havia de errado com aquele animal. Só que ninguém jamais soube a resposta. Uma vez preso numa enorme armadilha dentro d’água, Sweetheart foi sedado.

Mas, ao ser puxado para a margem, bateu em troncos que flutuavam na superfície do rio e, zonzo por causa do anestésico, afundou sem ter como reagir. O crocodilo ainda foi resgatado com vida, mas morreu logo depois, com os pulmões cheios d’água. Em seu corpo grosso feito uma tora foram encontrados até balas de revólver. E hoje, embalsamado, ele ocupa um lugar de destaque no Museu de Darwin. Mas, de qualquer forma, morrer afogado não deixou de ser um final inglório para o mais famoso crocodilo da terra dos crocodilos.

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Fonte: Revista Terra – Edição 70

Texto publicado originalmente dia 08 de julho de 2015

Postagens pelo mundo:

Visualização: 2663 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Ver Comentários (4)

4 Comentários

  1. O Saco de Histórias

    29 de julho de 2015 às 08:09

    Por um momento lembrei de “Panico no Lago”.

    KKK…

    • Magnus Mundi

      29 de julho de 2015 às 09:43

      Então, mas tem um filme sobre esse crocodilo. O filme é de 2007 chamado “Rogue” sobre um grupo de turistas que ficaram ilhados no meio do rio, e a medida que a maré subia, o crocodilo ia pegando as pessoas. Esse filme também é conhecido como Vampira.

  2. amcguedes

    29 de julho de 2015 às 22:33

    Olá Magnus.
    De docinho o “rapaz” ai em cima não tinha nada, né? rsrsr.
    Eu não sabia que eles podiam viver no mar também…. fiquei impressionada com a história e com o tamanho.
    Grande abraço
    Lúcia

  3. Pingback: Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Animais

Queimada Grande, o ninho de cobras

Magnus Mundi25 de Janeiro de 2018

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Magnus Mundi22 de Janeiro de 2018
Enguia-lobo, o marido ideal

Enguia-lobo, o marido ideal

Magnus Mundi2 de Janeiro de 2018

A minhoca gigante de Gippsland

Magnus Mundi29 de dezembro de 2017

Rios de sangue da Eid al-Adha, em Bangladesh

Magnus Mundi6 de outubro de 2017

Daemonelix, os saca-rolhas do diabo

Magnus Mundi11 de setembro de 2017

O sono da baleia cachalote

Magnus Mundi18 de julho de 2017

Caranguejo Heike, um exemplo da evolução das espécies

Magnus Mundi30 de junho de 2017

A Torre de Londres e seus corvos

Magnus Mundi19 de junho de 2017