Abandonados

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí (NSFW)

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí (NSFW)

Taylor Camp foi um pequeno assentamento estabelecido na primavera de 1969 no litoral norte da ilha de Kauai, no Havaí. Cobria uma área de 2.8 hectares e em seu auge chegou a ter 120 pessoas. Situado numa baia da praia de Kauai, a pequena aldeia foi o lar de almas inquietas que desejavam escapar da agitação de sua geração, da efervescência política, dos traumas da Guerra do Vietnã, dos assassinatos de John F. Kennedy e Martin Luther King e de toda a convulsão social que passava a sociedade americana.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Casa de Diane Green

Jovens vindo de todos os estados americanos se refugiaram no acampamento Taylor, onde construíram e viveram em casas improvisadas de bambu, madeira de demolição, chapas de metal e outros materiais que encontravam disponíveis e de graça, curtiam a praia, surfavam, andavam nus, fumavam maconha, pescavam e criavam seus filhos. O assentamento ficou na história como uma das maiores e mais expressivas das comunidades hippies do mundo.

Os treze primeiros a aportar no Havaí eram estudantes da Universidade Berkeley, na Califórnia, que participaram das manifestações contra a Guerra do Vietnã e estavam fugindo da repreensão policial. “A situação em Berkeley era explosiva. Era pegar em armas ou deixar o lugar. Nós decidimos sair“, conta a educadora Sondra Schaub, uma das primeiras a chegar ao acampamento de “refugiados”. Essas primeiras pessoas simplesmente acamparam em um local da praia e pouco tempo depois todos foram presos, acusados de vadiagem e de acamparem em local proibido.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Quem socorreu o grupo de hippies foi Howard Taylor, irmão mais velho da atriz de Hollywood, Elizabeth Taylor. Howard tentou por anos conseguir uma licença para construir uma casa numa área que tinha a beira mar e ficou irritado quando soube que o governo pretendia desapropriar o terreno para fazer um parque florestal. Howard cedeu a área para os treze estudantes californianos que acabavam de deixar a prisão, depois de noventa dias detidos, os jovens não tinham para onde ir.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

O acampamento com o Monte Makana aos fundos

Meu pai e minha mãe pegaram dois carros e foram buscá-los. Foi o início de Taylor Camp“. conta Tommy Taylor, filho de Howard, em depoimento que está no livro Taylor Camp, lançado em 2009, pelo fotógrafo e escrito americano John Wehrheim. Nos anos setenta, quando o fotógrafo trabalhava para a ONG ambientalista Sierra Club, John foi enviado ao Havaí e escreveu uma série de reportagens chamada “Paraíso Perdido“, e para isso ele viveu na comunidade por um tempo. John também produziu um documentário de mesmo nome dirigido por Robert Stone, em que ex-moradores relembram seus dias no acampamento.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

John, Andy, Rosey e Allan, jogando cartas na The Big House

O terreno de Howard se encontrava numa das partes mais belas do Havaí, rodeado por matas e água limpa e o sonho de viver livre finalmente tomava forma. Sem eletricidade ou luxos, as casas foram sendo construídas. John Wehrheim chegou a Kauai em 1971, com 23 anos de idade, carregando apenas uma bolsa, uma prancha de surf e um bongo. Quando chegou ao acampamento foi recebido com uma certa desconfiança. Ele se deparou com uma casa de 75 metros de comprimento, conhecida como “The Big House” e utilizada pelo grupo para festas e reuniões.

Da janela da casa, Debi Green deu-lhe às boas vindas ao estranho e apresentou sua irmã e permitindo que ele tirassem fotos delas, e assim as pessoas começaram a rodear John e pedindo que tirasse suas fotos também. Mais tarde, começou a ser pago com refeições e outros agrados pelas fotos que tirava do pessoal. No lançamento de seu livro, ele relatou que a época que passou no Taylor Camp foi seu “trabalho dos sonhos“.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Hawk House

Para alguns, o acampamento no Havaí foi uma forma de superar os traumas do passado “Quando voltei do Vietnã, eu tinha muitos pesadelos. Encontrei a cura em Taylor Camp“, contou o vetereno de guerra James Mitchell. Para outros, o acampamento ajudou a muitos em suas dificuldades em levar uma vida “normal”. “Eu poderia ter morrido de alcoolismo ou por causa das drogas. Fugi da polícia de San Diego. Fui presa duas vezes por fumar maconha. Se tivesse ficado no continente, perderia a guarda das minhas filhas“, declarou Suzanne Bollin. Todos tinham o desejo de criar um sociedade alternativa, diferente do encontrado no mundo capitalista. “Estávamos em busca de algo que não era o que as nossas famílias ofereciam. Procurávamos algo diferente e fomos muito sortudos, porque encontramos“, afirma Cherry Hamilton no livro de John Wehrheim.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Pat passeando de barco

Ao longo de oito anos, até ser fechado pelo governo do Havaí, outros hippies e surfistas se mudaram para Taylor Camp, atraídos pela ideia de morar em uma comunidade sem hierarquia ou regras, onde era possível consumir livremente maconha, haxixe e LSD, bem como andar sem roupa, se assim o quisesse. Durante o dia, as pessoas se dedicavam a torneios de vôlei na praia, surf, sessões de ioga, meditação e jogos de carta. “Cada dia era uma nova aventura. Podia se passar o dia à beira do rio ou fazer uma escalada no vale de Kalalau“, conta a professora de artes aposentada Francine Pearson. À noite aconteciam jantares nas casas dos amigos e festas em volta da fogueira. As crianças iam à escola normalmente e ganhavam carona do ônibus escolar da região.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Primeira Free Store

Apesar do ambiente livre e das pessoas sem roupas, Taylor Camp não era um lugar promíscuo como muitos imaginavam. “Andávamos pelados, mas éramos caretas nesse sentido“, diz hoje a corretora de imóveis Debi Green. “Havia casais e relacionamentos como em qualquer comunidade, com a diferença de que as pessoas viviam mais próximas umas das outras“, conta Acacia Siouix Morrison. Alguns se arrependem de não ter vivido o período mais intensamente. “Eu poderia ter aproveitado mais, vivido de maneira mais selvagem. Infelizmente, não dá para voltar no tempo“, relata David Pearson, um surfista que chegou ao acampamento em 1972 e atualmente é um professor de história aposentado, morador do Havaí.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Hawk, Cheery e o bebê Moses

A chegada cada vez mais de hippies barbudos e cabeludos começou a chamar a atenção dos moradores de Kauai e sendo notícias nos jornais locais. Parte dos nativos começou a se opor à presença dos forasteiros. “Eles pediam carona nas estradas, acampavam em qualquer lugar, dormiam na praia“, afirma Eduardo Malapit, prefeito de Kauai de 1974 a 1982. “Comecei a receber reclamações sobre Taylor Camp. Eles não usavam roupas e estavam plantando maconha em qualquer lugar. Não tinham permissão para construir aquelas casas“, acrescenta.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Paolo, Sharon e Roberto

Nos últimos meses do acampamento, o governo já havia convencido a maioria dos moradores a saírem de lá e seguirem suas vidas, muitos optaram por ficar mesmo no Havaí e seguir uma vida normal. Em 1974, a área do acampamento foi desapropriada pelo Estado para a criação de um parque. Após três anos de um intensa batalha judicial, os moradores que ainda permaneciam no local foram expulsos. “A polícia e as autoridades de Kauai chegaram ao acampamento e começaram a prender as pessoas e a queimar as casas. Foi horrível“, lembra Francine Pierson. Atualmente não há mais nenhum vestígio de Taylor Camp: tirando um estacionamento, toda a área foi coberta pela floresta.

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Templo espiritual da comunidade

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Córrego e a praia de Limahuli

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Diane e Ritchie

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Bok indo surfar

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Diane a vontade em sua casa

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Banho coletivo na Cold Pond

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Jeannie dançando ao pôr do sol

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Vôlei na praia

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Debi na plantação da comunidade

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Bobo fazendo um lanche

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Hubbly Bubbly se banhando

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Bebê Moses, Paulo e Sailor

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Bok, Jeannie e Gary

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Sun Tat 2 se banhando na lagoa chamada Cold Pond

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Local do acampamento

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Madhumeetha

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

The Big House

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Grupo curtindo uma música na The Big House

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Canadian House

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Mapa do Taylor Camp

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Jeannie e Rick

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Reunião da comunidade

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Jammin na Free Store

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Encontro na Free Store

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Roger e Debi

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Bobo e Alpin

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Tony observando o acampamento de sua casa

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Mitch e seus filhos se banhando na Cold Pond

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Tony em sua casa

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Debra ao fundo, Laurel e seu bebê Joseph, Eleanor de costas, Catherine segurando Genie (bebê de Marie e John) e Andy em primeiro plano, num piquenique na praia

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Karma e Roberto procurando iscas

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Roberto e sua rede de pesca

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Montanhas Kalalau

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Meg num acampamento em kalalau

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Debi na plantação de marijuana

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Banheiro com cartaz de Frank Zappa

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Banheiro coletivo

Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí

Crédito das fotos: John Wehrheim

Fontes: 1 2 3 4

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 977 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Taylor Camp, o paraíso perdido hippie do Havaí (NSFW) – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes.

Veja mais em Abandonados

Rockall, o rochedo desejado por quatro nações

Magnus Mundi22 de abril de 2019

Burj Al Babas, a cidade dos castelos abandonados

Magnus Mundi27 de janeiro de 2019

Houtouwan, a vila de pescadores abandonada na China

Magnus Mundi24 de janeiro de 2019

Sunken Cemetery, na ilha de fogo

Magnus Mundi2 de janeiro de 2019

Craco, uma cidade italiana abandonada

Magnus Mundi30 de dezembro de 2018

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Magnus Mundi5 de dezembro de 2018

Castelo de Čachtice, o castelo da condessa sanguinária

Magnus Mundi1 de dezembro de 2018

Ilha Hashima, a ilha fantasma do Japão

Magnus Mundi28 de novembro de 2018

Castaway Depots, os depósitos de sobrevivência da Nova Zelândia

Magnus Mundi11 de outubro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up