Abandonados

The donut, a fracassada ilha artificial

The donut, a fracassada ilha artificial

Outer Trial Bank é uma ilha artificial no estuário The Wash National Nature Reserve, numa das maiores baías da Inglaterra, na costa leste do país, na divisa de Norfolk e Lincolnshire. É uma das duas ilhas construídas durante a década de 1970 num projeto do governo de transformar todo o estuário da região em um reservatório de água doce. A ideia para o estuário era construir uma barragem de marés e uma estação de energia na entrada da baía, juntamente com um reservatório de água doce, para capturar a água doce dos rios da região que desembocavam no estuário. A ilha peculiar com 250 metros de diâmetro é conhecida localmente como “the donut” por ser perfeitamente circular, com um reservatório no meio, se assemelhando a uma rosquinha gigante.

As duas ilhas de teste começaram a ser construída em 1975, com a finalidade de pesquisar a eventual qualidade da água no futuro reservatório que seria feito ali, no antigo terreno que um dia já havia sido fundo do mar. A ilha é foi construída com areia dragada e depositada sobre uma estrutura feita de gaiolas cheias de pedras (gabiões), com um reservatório central de 2,5 hectares. O projeto falhou porque as ilhas construídas usaram a areia salgada dragada do estuário que acabou salinizava a água fresca armazenada, no reservatório central. Este também foi o motivo de não ter sido usado todo o estuário como um grande deposito de água doce. Depois de ter sido gastos três milhões de libras esterlinas, o projeto foi abandonado em 1976, mas a ilha permaneceu teimosamente no meio do estuário como uma lembrança de seu fracasso.

Raramente a ilha é incluída em mapas, embora se destaque como um dos pontos mais altos da costa, destoando da forma plana e pantanosa do Wash. O the donut é claramente visível nas imagens de satélite, e visto de cima se parece com o local atingido por um meteoro. Agora, essas ilhas artificiais ganharam uma nova importância como uma colônia de aves criadoras, com cerca de três mil pares de aves marinhas usando-a como local para seus ninhos.

Fontes: 1 2 3

“Onde meus talentos e minhas paixões encontram as necessidades do mundo, lá está o meu caminho, o meu lugar”. – Aristóteles

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 367 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Abandonados

A incrível história de Burro Schmidt e seu túnel

Magnus Mundi18 de junho de 2018

Ämari Air Force Cemetery, o cemitério de pilotos da Estônia

Magnus Mundi9 de junho de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018

O obscuro legado da Ilha de Gruinard

Magnus Mundi16 de dezembro de 2017

O polo sul da inacessibilidade

Magnus Mundi14 de dezembro de 2017

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Magnus Mundi29 de novembro de 2017

Centralia, a cidade do fogo eterno

Magnus Mundi14 de setembro de 2017

Erdstalls, os túneis misteriosos da Europa

Magnus Mundi1 de setembro de 2017

Magic Bus, o farol da estupidez

Magnus Mundi24 de fevereiro de 2017