Estranhos

Toradjas, uma longa viagem para o além

Toradjas, uma longa viagem para o além

Eles já foram caçadores de cabeças temidos em toda a região. Atualmente são conhecidos por suas festas fúnebres, com cantos, danças e sacrifícios de animais, que podem durar de três a quinze dias, conforme a importância da cerimônia. E, quem diria, pela hospitalidade com que recebem seus convidados para esses rituais. São os toradjas, povo que vive na região de Tana Toraja, Ilha de Sulawesi (ou Celebes), uma das maiores da Indonésia, vizinha de Bornéu e a 500 quilômetros de Bali. Ninguém sabe ao certo de onde eles vieram, mas há pelo menos mil anos habitam as regiões montanhosas do centro da ilha.

Os toradjas gostam de contar que vieram de um vago norte e, por causa de uma tempestade, naufragaram e passaram a viver em Sulawesi. Mais tarde, perseguidos pelos muçulmanos, se refugiaram em terras altas e construíram os tongkonans, casas de formato estranho que lembram os barcos nos quais viajaram e que foram os primeiros abrigos em terra, onde eram invertidos e usados como teto sobre suas cabeças. Elas são feitas artesanalmente, com uma estrutura de bambu, tetos de palha inclinados e uma fachada inteiramente trabalhada, esculpida e pintada a mão. A casa do chefe da aldeia é fácil de ser reconhecida, tem dezenas de chifres de búfalos pregados na porta, um símbolo de prosperidade do clã.

tongkonan

Tongkonan, as casas típicas do povo toradja | Crédito da foto

A maioria dos vilarejos não ultrapassa 200 habitantes, e na praça central quase sempre há cravos ou café secando. Junto com o arros, eles constituem os principais produtos da economia dos toradjas e a base da grande Rambu soloq (Festa dos Mortos), ponto culminante da vida deste povo. Para essas ocasiões, uma aldeia provisória é especialmente construída. Durante os dias que a festa durar, todos vão dormir, comer e beber neste local. Há hoje cerca de 450 mil toradjas, mas calcula-se que igual número tenha emigrado. Só que, para a cerimônia dos mortos de uma pessoa da família, eles devem voltar de onde estiverem, sob pena de estigma social eterno e exclusão da comunidade. Assim, toradjas que emigraram acorrem de outras ilhas da Indonésia, Malásia, Cingapura, Tailândia, Japão ou mesmo da Europa, sempre carregando consigo suas economias para ajudar nas despesas da festa. Ela não pode começar enquanto toda a família não estiver reunida.

Os clãs vão chegando um a um, num cortejo solene de dezenas de pessoas, todas vestidas com a mesma cor. Elas trazem presentes, que são cuidadosamente anotados num caderno – e serão retribuídos numa festa equivalente. Quem dá um búfalo receberá outro em troca por ocasião de sua própria Festa dos Mortos. A mesma coisa para quem oferece um porco ou um saco de arroz. Essa é uma ocasião única de rever os parentes e amigos, de fortalecer os laços da comunidade e reafirmar a identidade toradja num mundo cada vez mais ocidentalizado. Isolada durante séculos, a região dos toradjas tornou-se acessível ao turismo no início dos anos 80. Hoje, o número de visitantes estrangeiros fica em torno de 50 mil por ano. E, num caso raro, a presença de turistas não desfigurou os rituais. Pelo contrário, o fato de vir gente do mundo inteiro para assistir a suas festas reforçou o orgulho e a identidade dos toradjas.

Familiares aguardando o inicio da Festa dos Mortos

Familiares aguardando o início da Festa dos Mortos | Crédito da foto

O ponto alto do ritual dos mortos é a matança de búfalos, que são degolados com uma faca na carótida. Segundo a tradição, o último búfalo sacrificado é quem leva o morto para o céu. E, quanto mais búfalos, melhor será a vida no paraíso. O problema é que um búfalo custa quase o preço de um automóvel e o mínimo decente para uma vida razoável no além são nove. Para ter uma ideia, já houve festas nas quais 400 búfalos foram sacrificados. Isso fez com que o governo controlasse o ritual, com impostos dissuasivos.

Toda a festividade está baseada na crença de que o céu é exatamente como a Terra: dividida em castas, com ricos e pobres, e uma hierarquia social rígida que é preciso preservar. Os animais sacrificados servem como provisões para o caminho a esse mundo é constituem a fortuna do morto no além. A presença de todo o clã e dos amigos mostra o prestígio social que ele tinha na Terra e ajuda na passagem. Os búfalos também são sacrificados em dias especiais, como: festivais de colheita, nascimento de crianças, festivais da fertilidade ou na conclusão de uma tongkonan (casa).

Uma aldeia é construída temporariamente para acomodar centenas de convidados. Segundo as tradições, a casa que abriga o caixão não deve tocar o chão

Uma aldeia é construída temporariamente para acomodar centenas de convidados. Segundo as tradições, a casa que abriga o caixão não deve tocar o chão | Crédito da foto

Toda essa matança – além dos búfalos, porcos, galinhas e, em alguns rituais, até cachorros são sacrificados – pode parecer cruel e selvagem, mas, embora não pareça, a harmonia com a natureza e o respeito são valores fundamentais dos toradjas. O sacrifício não é visto por eles como uma crueldade, já que os bichos vão para o céu, onde constituem a riqueza do morto. Além disso, o búfalo é o elo entre o céu e a Terra, o único veículo para subir ao paraíso. Assim, durante a vida, um búfalo toradja não trabalha, ao contrário do que acontece no resto da Ásia, sendo tratado, lavado e mimado 24 horas por dia. Os búfalos brancos, ou seja, os albinos, são os mais raros e mais caros. Seu preço pode chegar ao de um carro de luxo importado. Mas nada é perdido, a carne dos animais é distribuída aos convidados, segundo a posição social de cada um e a hierarquia familiar.

No passado, não eram só os búfalos que seguiam o morto para a tumba, também havia sacrifícios humanos. Os escravos, como os animais, eram mortos para que o defunto pudesse continuar a ser servido no além. Só com a chegada dos holandeses à Indonésia, em 1806, o costume foi proibido. Mas, em certos vilarejos perdidos na montanha, os sacrifícios rituais teriam continuado até os anos 40. Além dos búfalos e escravos, naquela época, era também necessário oferecer a cabeça de um inimigo – homem, mulher, velho ou criança, tanto fazia. Esse costume tornou os toradjas conhecidos como temíveis caçadores de cabeças.

Mulheres convidadas em procissão, seguindo o caixão, aonde irão realizar o sacrifício de búfalos.

Mulheres convidadas em procissão, seguindo o caixão, aonde irão realizar o sacrifício de búfalos | Crédito da foto

Se com o tempo alguns itens de cerimônia se modificaram, outros continuam intactos. E embora convertidos ao cristianismo – 85% se declaram protestantes – os toradjas não abandonaram seus costumes ancestrais. Aos domingos, às igrejas da ilha estão cheias, com cânticos cristãos, mas até hoje, enquanto o ritual fúnebre não for celebrado, um defunto não é considerado “socialmente morto” pela comunidade. A festa é obrigatória justamente porque o morto não está “realmente morto” enquanto a cerimônia não for realizada. Conservado em formol, semi mumificado, ele fica à parte, numa miniatura das casas típicas da região construída especialmente para isso. Entre a data da morte e da cerimônia, os parentes levam comida ao morto e falam com ele, que oficialmente está apenas “doente”.

O ritual pode demorar muito, porque não só é preciso reunir o dinheiro necessário como esperar a chegada de todos os parentes. Só os muitos ricos conseguem realizar a cerimônia em dois ou três meses. Ela pode demorar anos. Nas conversas, os toradjas contam o caso – vergonhoso! – de um morto que está para ser enterrado há cinquenta anos. Quando finalmente a cerimônia acontece, os corpos são enterrados nas encostas de pedra da ilha e uma imagem de madeira chamada tau-tau é esculpida, vestida com as roupas do defundo e colocada num balcão, de onde os mortos continuam assistindo de camarote ao que fazem os vivos, e participando de suas vidas. Esse costume vem do fato que, para esse povo de agricultores, a terra era preciosa demais para ser utilizada como simples cemitério.

Os presentes aos familiares são anotados um a um, para que no futuro, quem deu possa ser retribuído

Os presentes aos familiares são anotados um a um, para que no futuro, quem deu possa ser retribuído | Crédito da foto

No princípio, só os nobres tinham o direito de virar tau-tau, mas, hoje, basta ter dinheiro para construir seu próprio balcão de estátuas. A disposição nas encostas também não tem nada de casual, cada balcão é destinado a uma família. Os tau-taus são sagrados, já que, segundo a crença, são o refúgio da alma do morto. É absolutamente proibido tocá-los, assim como os ossos, que às vezes estão espalhados em torno dos balcões. Mas, em alguns antiquários de Ujung Pandang, a capital da ilha, já é possível encontrar tau-taus antigos à venda, o que é um sacrilégio e um escândalo para os toradjas. Para eles, a festa na hora da morte e os rituais de sacrifício nada tem de macabros, a morte é uma continuação da vida. A prova é que as palavras “casa” e “túmulo” são ditas da mesma maneira. Casa com fumaça é a morada dos vivos, em que se cozinha. Casa sem fumaça é a casa dos mortos.

O único problema das festas fúnebres é o custo que elas implicam e seu caráter quase obrigatório. A pressão social é muito grande e, podendo ou não, os descendentes são obrigados a organizar a festa mais opulenta e luxuosa possível. A honra pessoal e a posição da família na sociedade estão em jogo. Se para algumas famílias as despesas não são problema, para a maioria podem se transformar num verdadeiro pesadelo. É preciso pagar os búfalos, os impostos sobre os búfalos, a comida, a bebida e o alojamento para centenas de convidados, a construção de uma aldeia provisória onde a festa será realizada e tecidos para a decoração, alguns dos quais antigos e sagrados, mas necessários ao ritual. A maioria acaba se endividando junto a agiotas, penhorando as terras ou colheitas futuras. Muitas vezes os filhos saem prejudicados porque acabam não podendo seguir os estudos que pretendiam, já que as economias são usadas para enterrar algum familiar. No passado era ainda pior: muitos toradjas acabavam se vendendo como escravos para pagar as dívidas.

O animal é seguro pelas patas, enquanto sua cabeça é forçada para baixo e uma faca é passada em sua garganta. O búfalo morre lentamente, entre um espamos e outro o sangue jorra para todos os lados.

O animal é seguro pelas patas, enquanto sua cabeça é forçada para baixo e uma faca, passada em sua garganta num golpe só. O búfalo morre lentamente entre espasmos e o sangue jorra para todos os lados | Crédito da foto

Se no princípio esse sistema de festas constituía um elo social, hoje ele ameaça à sobrevivência da etnia. No começo era uma maneira hierarquizada de realizar trocas, que mantinha a ordem social. Hoje faz com que muitas famílias percam as propriedades, empobreçam e sintam insegurança ao enterrar seus mortos. É que a herança, distribuída entre a família conforme os presentes que foram dados, também inclui as dívidas e às vezes esse legado acaba sendo um péssimo negócio. Antes de casar, por exemplo, um toradja, mais do que a paixão que a moça possa despertar, deve pensar e investigar bem a família da noiva. Se ela tiver algum morto por enterrar, pode acabar solteira, porque o marido tem que assumir o compromisso da festa. Para uma toradja, não adianta ser bonita e inteligente: é preciso não ter nenhum cadáver no armário!

Um bambu é introduzido dentro da jugular do animal para pegar o sangue ainda quente, antes que coagula.

Um bambu é introduzido dentro da jugular do animal para se recolher o sangue ainda quente, antes que coagula | Crédito da foto

A quantidade de búfalos mortos vai depender da situação financeira da família. Um numero minimo de nove búfalos devem ser abatidos pra que se possa realizar a Festa dos Mortos

A quantidade de búfalos mortos vai depender da situação financeira da família. Um número mínimo de nove búfalos devem ser abatidos para que o falecido tenha uma vida digna no além | Crédito da foto

Numa plataforma, uma pessoa grita um nome e lhe joga um pedaço de carne e assim é feita a distribuíção da carne a toda a aldeia e aos convidados

Numa plataforma, uma pessoa grita um nome e lhe joga um pedaço de carne e assim é feita a distribuição da carne aos moradores da aldeia e aos convidados | Crédito da foto

Porcos também são sacrificados

Porcos também são sacrificados | Crédito da foto

Os porcos abatidos são limpos internamente

Os porcos abatidos são limpos de suas entranhas e assados inteiros | Crédito da foto

Bambus são recheados de carne, gordura e sangue

Bambus são recheados de carne, gordura e sangue | Crédito da foto

Depois colocados ao fogo para assar

Depois colocados ao fogo para assar | Crédito da foto

Depois de assados, o conteudo dos bambus são consumidos pelos convidados. Nos bambus verde há uma bebida, uma espécie de vinho feito com folhas de palmeiras

Depois de assados, o conteúdo dos bambus são consumidos pelos convidados. Nos bambus verde há uma bebida conhecida como vinho de palma, feita com seiva de palmeiras | Crédito da foto

Essa é uma ocasião única de rever os parentes e amigos, de fortalecer os laços da comunidade

Essa é uma ocasião única de rever os parentes e amigos, de fortalecer os laços da comunidade | Crédito da foto

Depois o caixão atravessa a floresta para ser enterrado em cavernas e grutas nas falésias, onde também estão seus ancestrais

O ataúde atravessa a floresta para ser enterrado em grutas nas encostas dos morros, onde também estão seus ancestrais | Crédito da foto

Os túmulos nas falésias

Os túmulos são esculpidos nas encostas de pedra das montanhas | Crédito da foto

Na tradição toradja, os búfalos acompanham a alma dos mortos para a vida no além

Na tradição toradja, os búfalos são o elo entre o céu e a Terra e acompanham a alma dos mortos para a vida no além | Crédito da foto

Erongs são caixões esculpidos em troncos de árvores e fechados com um telhado em forma de casas toradjas

Erongs são caixões esculpidos em troncos de árvores e fechados com um telhado em forma de casas toradjas | Crédito da foto

Os erons pendurados num penhasco. Essa forma de enterro é antiga e não usada mais atualmente

Antigos erongs pendurados num penhasco. Essa forma de enterro não é mais usada atualmente | Crédito da foto

Os tau-taus de uma família, onde se pode ver várias crianças mortas ao longo dos anos

Os tau-taus de uma família, onde se pode ver várias crianças mortas ao longo dos anos | Crédito da foto

Balcão são escavados nas encostas das montanhas e os tau-taus com o olhar para a aldeia e as mãos estendidas, uma para dar e outra para receber

Balcões são escavados nas encostas das montanhas e os tau-taus posicionados para serem vistos da aldeia e suas mãos estendidas, uma para dar e outra para receber | Crédito da foto

Algumas portas dos túmulos são entalhadas para ficarem parecida com as portas das casas

Algumas portas dos túmulos são entalhadas para ficarem parecidas com as portas das casas | Crédito da foto

torajdas_025

Os tau-taus tem grande valor para colecionadores e museus e muitos sendo roubados ao longo do tempo | Crédito da foto

Uma necrópole. A partir do topo do penhasco, os olhos dos mortos sobre os vivos

Uma necrópole na aldeia de Lemo. A partir do topo do penhasco, os olhos dos mortos sobre os vivos. Nessa encosta de montanha, há 75 grutas usadas como túmulos e 40 tau-taus | Crédito da foto

Campo fúnebre chamado rante. As estranhas pedras são colocadas no local onde ocorreu o ritual de morte de uma pessoa

Campo fúnebre chamado rante. As estranhas pedras são colocadas no local onde ocorreu o ritual de morte de uma pessoa | Crédito da foto

Pohon Tarra, uma árvore usada para sepultar bebês

Pohon Tarra, uma árvore onde são escavados buracos e usados para sepultar bebês | Crédito da foto

O túmulo de um bebê e que são considerados sagrados pelos toradjas

Túmulos de bebês são considerados sagrados pelos toradjas | Crédito da foto

Uma tongkonan, em Puang Ri Kesu com 400 anos de idade. A quantidade de chifres é uma demonstração de status

Uma tongkonan, em Puang Ri Kesu com 400 anos de idade, que foi a casa do chefe do clã. A quantidade de chifres é uma demonstração de status, um símbolo de prosperidade do clã | Crédito da foto

Aldeia de Lapangan, onde dezenas de turistas assistem a festa dos mortos

Aldeia de Lapangan, onde dezenas de turistas assistem a festa dos mortos | Crédito da foto

torajdas_035

Dança Ma’badong, em condolência à família enlutada | Crédito da foto

Festa dos mortos de um ente querido de uma família rica, onde várias casas foram construídas especialmente para o ritual | Crédito da foto

Festa dos mortos de um ente querido de uma família rica, onde várias casas foram construídas especialmente para o ritual | Crédito da foto

Animais seguindo para o sacrifício | Crédito da foto

Animais seguindo para o sacrifício | Crédito da foto

Texto adaptado de um artigo publicado na Revista Terra, nº 8

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 633 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Estranhos

A árvore leprosa de Malawi

Magnus Mundi21 de junho de 2018

Grotta del Cane, a caverna que matava cães

Magnus Mundi23 de maio de 2018

Patomskiy Cater, o ninho da águia de fogo

Magnus Mundi10 de março de 2018

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2018

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Magnus Mundi7 de fevereiro de 2018

Mercado de las Brujas, o mercado das bruxas de La Paz

Magnus Mundi20 de janeiro de 2018

Pedra de Ingá, o enigma da Paraíba

Magnus Mundi11 de janeiro de 2018

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Magnus Mundi10 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017