Estranhos

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Madagáscar é a quarta maior ilha do mundo, menor apenas que Groenlândia, Papua-Nova Guiné e Bornéu. Fica em meio às águas do Oceano Índico, na costa da África. Nessa grande ilha, com 587.000 km2, isolada do resto do mundo por milhões de anos, desenvolveu-se uma diversificada vida animal e vegetal. A flora e a fauna de Madagáscar são únicas: 90% das espécies vegetais e 80% das espécies animais da ilha não existem em nenhum outro lugar do mundo. Um dos lugares mais inusitados de Madagáscar é a popularmente conhecida floresta de pedra, no Parque Nacional do Tsingy de Bemaraha, declarado Patrimônio da UNESCO em 1990.

O Parque é quase todo formado de pontiagudos pilares naturais de rocha calcária, chamados de tsingy, e ocupa uma área de 1.500 km². Os tsingy surgiram a partir de uma planalto de rocha de calcário, que, sob ação erosiva da chuva e do vento durante milênios, foi desgastado e esculpido para formar uma densa área de pilares rochosos pontiagudos, que podem chegar a 30 metros de altura. Na base desses pilares formou-se naturalmente estreitas passagens e grutas… um verdadeiro labirinto.

Tsingy, a floresta de pedra

Muitas vezes, as colunas estão tão próximas umas das outras que não há espaço suficiente nem para se colocar o pé com segurança. No entanto, os lêmures, que são animais primatas naturais de Madagáscar, conseguem andar e saltar com grande naturalidade e agilidade em meio a rochas cortantes e perfurantes. Tsingy, na língua local significa “lugar onde não se pode andar descalço”.

O Parque, uma reserva natural, está praticamente inexplorada devido à esse tipo de formação rochosa que dificulta o acesso humano, mas que, por outro lado, felizmente serve de morada e refúgio natural aos animais e plantas da região. Infelizmente, devido à presença dos primeiros humanos na ilha, desde dois mil anos atrás, estima-se que 90% do habitat original de Madagáscar foi devastado. A maior parte foi desmatada para a extração de madeira ou queimada para formar pastagens para uso em agricultura e pecuária. A consequência foi a extinção de muitas espécies naturais da região.

Tsingy, a floresta de pedra

Graças aos tsingy, o povoamento não se proliferou por toda a ilha. Esse tipo de formação rochosa praticamente impenetrável serviu como barreira natural, que impediu o avanço humano. Os tsingy, como uma barreira natural, também protegeram a mata contra incêndios tanto naturais como provocados pelo homem. Não são todas as pessoas que se aventuram a andar entre penhascos de rocha de até 120 metros de altura. No entanto, algumas agências de turismo organizam excursões ao local.

Andar em meio aos tsingy, que podem perfurar e cortar facilmente uma pessoa, não é para quem sofre de vertigem ou claustrofobia. No Parque, há circuitos de caminhada feitos para turistas que querem visitar o local. Os vários circuitos possíveis dividem-se entre os dos pequenos tsingy e os dos grandes tsingy. Os primeiros, são uma espécie de iniciação para quem quer testar as próprias habilidades de escalar e andar no local. Os grandes tsingy são coisa séria e exigem da pessoa experiência, técnica, lanternas e equipamentos básicos de escalada necessários para se ficar subindo, descendo e andando entre rochas cortantes, pontes suspensas, passagens estreitas e cavernas escuras.

Tsingy, a floresta de pedra

O Parque tem paisagem incomum, onde animais adaptados à vida desértica e a altas temperaturas habitam a região superior dos tsingy, enquanto criaturas que vivem em ambientes de umidade e sombra habitam as partes baixas dos tsingy. No topo dos tsingy, a temperaturas supera 32ºC, é muito quente e seco. Animais adaptados a essa condição, por exemplo, os lêmures, andam e saltam com grande naturalidade e habilidade pelos pilares à procura de árvores frutíferas. Nas pequenas frestas, répteis como os lagartos caçam insetos, enquanto plantas resistentes a seca crescem com suas raízes que se ramificam à procura de umidade.

Nos cânions entre os pilares, predominam morcegos frugívoros, papagaios escuros, abelhas que formam colmeias em cavidades,… Já nos locais onde se acumulam água e sedimentos, há concentração de plantas como orquídeas, árvores nativas e uma fauna variada: caramujos gigantes, peixes, insetos, camaleões…

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Tsingy, a floresta de pedra

Crédito das fotos: 1

Fonte: 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 265 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Estranhos

Roswell: O que caiu aqui?

Magnus Mundi10 de dezembro de 2018

Castelo de Čachtice, o castelo da condessa sanguinária

Magnus Mundi1 de dezembro de 2018

Crazy House, a casa de contos de fadas

Magnus Mundi31 de outubro de 2018

A árvore leprosa de Malawi

Magnus Mundi21 de junho de 2018

Grotta del Cane, a caverna que matava cães

Magnus Mundi23 de maio de 2018

Patomskiy Cater, o ninho da águia de fogo

Magnus Mundi10 de março de 2018

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2018

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Magnus Mundi7 de fevereiro de 2018

Mercado de las Brujas, o mercado das bruxas de La Paz

Magnus Mundi20 de janeiro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up