Quando os exploradores espanhóis chegaram ao México no início do século 16 e fizeram contato com os astecas, eles foram pegos de surpresa pelos terríveis rituais da cultura e pelo constante derramamento de sangue. O povo asteca acreditava na necessidade contínua de oferendas regulares de sangue humano para manter suas divindades apaziguadas e, para atender a essa necessidade, os astecas sacrificaram milhares de pessoas. Para obter vítimas para o sacrifício, os astecas frequentemente travavam guerra com outras tribos e capturavam vítimas vivas para uso em execuções rituais e oferendas aos deuses.

Na Grande Pirâmide de Tenochtitlan, os sacrifícios humanos eram um espetáculo rotineiro. Prisioneiros e escravos eram levados ao topo dos degraus íngremes da pirâmide, onde eram mantidos sobre uma laje de pedra por dois ou mais sacerdotes, enquanto outro cortava o peito das vítimas e extraia o coração ainda batendo, que era em seguida, apontado para o céu em homenagem ao deus-sol. Os corpos sem vida dos sacrificados eram chutados escada abaixo, para serem cremados ou entregues ao guerreiro responsável pela captura da vítima. Partes do corpo às vezes eram canibalizadas.

Tzompantli, as plataformas de crânios dos astecas

Sacrifício humano ritual asteca retratado no Codex Magliabechiano do século 16. | Crédito da foto

Em A Conquista da Nova Espanha, o conquistador espanhol Bernal Díaz dá vários relatos de sacrifícios humanos que testemunhou em várias cidades do império asteca. Díaz contou que, depois de desembarcar no litoral, encontraram um templo dedicado a Tezcatlipoca. “Naquele dia eles sacrificaram dois meninos, abriram seus peitos e ofereceram seu sangue e seu coração àquele maldito ídolo”, escreveu Díaz. Chegando a Cholula, eles encontraram “gaiolas de fortes barras de madeira … cheias de homens e meninos que estavam sendo engordados para o sacrifício em que sua carne seria comida”. Díaz também descreve os sacrifícios na Grande Pirâmide de Tenochtitlan:

Eles abrem o peito do pobre índio com facas de sílex e apressadamente arrancam o coração palpitante que, com o sangue, eles apresentam aos ídolos … Eles cortam os braços, coxas e cabeça, comendo os braços e coxas em banquetes cerimoniais. A cabeça eles penduram em uma viga, e o corpo é … dado aos animais predadores“.

Tzompantli, as plataformas de crânios dos astecas

Uma torre de crânios humanos desenterrada na Cidade do México. Foto: Reuters

O conquistador Hernán Cortés, que liderou uma expedição ao México em 1519 e conquistou a capital asteca de Tenochtitlan, escreveu sobre o sacrifício asteca:

Eles têm um costume horrível e abominável que realmente deve ser punido e que até agora não vimos em nenhuma outra parte, e isto é, sempre que desejarem pedir algo aos ídolos, para que seu pedido tenha mais aceitação, eles pegam muitas meninas e meninos e até adultos, e na presença desses ídolos abrem seus peitos ainda vivos e tiram seus corações e entranhas e os queimam diante dos ídolos, oferecendo a fumaça como sacrifício. Alguns de nós já viram isso e dizem que é a coisa mais terrível e assustadora que já testemunharam“.

Tzompantli, as plataformas de crânios dos astecas

Representação de um tzompantli no manuscrito asteca de 1587, o Codex Tovar. | Crédito da foto

Os conquistadores também descreveram uma vasta parede feita inteiramente de crânios humanos no Templo Mayor em Tenochtitlan, construída por furos em ambos os lados dos crânios para permitir que os crânios deslizassem sobre os postes de madeira. Flanqueando essa parede de crânios, havia duas torres redondas também feitas de crânios. 

Durante séculos, os historiadores rejeitaram esses relatórios do século 16 como propaganda extremamente exagerada com o objetivo de retratar os mesoamericanos como selvagens e justificar sua colonização. Mas as evidências arqueológicas sugerem que o sacrifício humano era de fato um aspecto regular das práticas religiosas astecas. Em 2015, arqueólogos que trabalhavam na escavação do Templo Mayor na Cidade do México descobriram uma enorme parede de crânios confirmando os relatos dos cronistas espanhóis.

Tzompantli, as plataformas de crânios dos astecas

Sacrifício humano asteca conforme descrito no Codex Tudela. | Crédito da foto

Essa parede, conhecida como Huey Tzompantli, consistia em uma plataforma de alvenaria maciça composta de “trinta degraus longos” medindo 60 metros de comprimento por 30 metros de largura em seu cume. No topo da plataforma acima mencionada foi erguida uma paliçada de madeira igualmente formidável e um andaime consistindo de entre 60 e 70 montantes maciços de vigas tecidas em conjunto com uma constelação impressionante de vigas transversais horizontais sobre as quais estavam suspensas dezenas de milhares de cabeças humanas decapitadas uma vez empaladas nela. Os postes de madeira há muito haviam se deteriorado, e os crânios antes exibidos neles haviam se estilhaçado ou sido propositalmente esmagados pelos conquistadores. As torres tinham quase 5 metros de diâmetro e pelo menos 1,7 metros de altura.

Bernal Díaz afirma que o tzompantli continha “mais de cem mil” crânios, embora os historiadores modernos estimem que o tzompantli não continha mais do que sessenta mil crânios – um edifício ainda medonho.

Os tzompantli (ou crânios) eram comuns em várias civilizações mesoamericanas, incluindo os toltecas, os maias e os astecas, muitas vezes erigidos para causar medo nos corações de seus inimigos. Depois que a expedição de Hernán Cortés foi forçada a fazer sua retirada inicial de Tenochtitlan, os astecas ergueram um tzompantli improvisado para exibir as cabeças decepadas de homens e cavalos que haviam capturado dos invasores.

O sacrifício humano ocupou um lugar particularmente importante na Mesoamérica. Muitas culturas da região, incluindo os maias e os mexicas, acreditavam que o sacrifício humano era necessário para pagar a dívida que se formou quando os deuses se deixaram sangrar para criar o mundo. Os astecas acreditavam que, se não continuassem a fluir sangue humano, o sol deixaria de nascer e o mundo acabaria.

Tzompantli, as plataformas de crânios dos astecas

Sacrifício humano asteca conforme descrito no Codex Tudela. | Crédito da foto

O historiador espanhol Fray Diego de Durán relatou que na re-consagração da Grande Pirâmide de Tenochtitlan em 1487, os astecas sacrificaram cerca de 80.400 prisioneiros ao longo de quatro dias. De acordo com o manuscrito asteca do século 16, Codex Telleriano-Remensis, velhos astecas que conversaram com os missionários contaram sobre um número muito menor – aproximadamente 4.000 vítimas no total. No entanto, muitos morreram, e foi essa obsessão com a morte que selou o destino dos astecas.

Depois que os conquistadores espanhóis cercaram Tenochtitlan em 1521, Hernán Cortés demoliu o Templo Mayor e o tzompantli em frente a ele, pavimentou as ruínas e construiu o que se tornaria a Cidade do México. O Templo Mayor não seria redescoberto até o início do século 20, mas grandes escavações ocorreram apenas em 1978–1982, depois que trabalhadores de serviços públicos encontraram um enorme disco de pedra representando o corpo nu e desmembrado da deusa da lua Coyolxauhqui.

Fontes: 1 2

Lei também:

Konyaks, os últimos caçadores de cabeças

Dia dos Mortos, quando o México se enche de vida

Festival Deopokhari, o sacrifício vivo aos deuses

Visualização desde 2014: 48 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Sobre o Autor

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Você pode gostar de ver isso

Faça um comentário

Seu email não será publicado