Entre todos os insetos asiáticos, a vespa mandarina (Vespa mandarinia) é uma das mais famosas. Isso não é de se surpreender, afinal estamos falando da maior vespa do mundo, que chega a ter cinco centímetros de comprimento, seis a sete centímetros de envergadura e um ferrão com seis milímetros de comprimento, que injeta uma grande quantidade de veneno, e podem ferroar várias vezes, diferente das abelhas que perdem o ferrão.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Também não é de admirar que nos países asiáticos, esse inseto é chamado de “grande abelha pardal” – por seu tamanho impressionante. No entanto, a vespa asiática tem outro nome popular – é chamada de abelha cabeça de tigre, por suas mordidas extremamente dolorosas. Seu veneno é considerado um dos mais tóxicos de todos os insetos em geral.

Sua mordida é mortalmente perigosa, especialmente para pessoas com hipersensibilidade a venenos de insetos. Se várias vespas atacarem ao mesmo tempo, elas podem facilmente levar uma pessoa a morte. A picada dessa vespa gigante foi descrita por um estudioso da espécie como algo semelhante a ter um prego quente enfiado na própria carne.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Se uma pessoa já foi picado uma vez, a próxima picada é muito mais perigosa, podendo causar o choque anafilático, que é uma resposta extrema do corpo ao veneno dos zangões, podendo levar à morte. A reação anafilática ocorre dentro de quinze minutos após a picada e este é o limite de tempo.

A vespa mandarina também conhecida como vespa-gigante-asiática é nativa do leste asiático temperado e tropical, sua da Ásia, sudeste da Ásia continental e partes do Extremo Oriente russo. Preferem viver em montanhas e florestas baixas, evitando quase completamente planícies e climas de alta altitude.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

A vespa cria ninhos cavando, cooptando túneis pré-existentes cavados por roedores ou ocupando espaços perto de raízes de pinheiros podres. Alimenta-se principalmente de insetos maiores, colônias de outros insetos eusociais (formigas, cupins, abelhas), seiva de árvores e espécies de louva-deus.

As abelhas são as mais ameaçadas pelas vespas mandarinas, cuja proliferação tem sido associada ao aquecimento global. O aumento nas temperaturas gera uma maior taxa de sobrevivência do animal no inverno e, em outubro, mês de acasalamento dos espécimes que vivem no hemisfério norte, essas vespas gigantes ficam mais violentas.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

As vespas podem devastar uma colónia de abelhas, sobretudo no caso da abelha-europeia introduzida; um único zangão pode matar até 40 abelhas por minuto devido às suas grandes mandíbulas, que podem rapidamente atacar e decapitar presas. As picadas das abelhas são ineficazes, uma vez que as vespas têm cinco vezes o seu tamanho e são fortemente blindadas.

Um número reduzido de vespas, abaixo das 50, consegue exterminar uma colônia de dezenas de milhar de abelhas em poucas horas. As vespas podem voar até 100 quilômetros num único dia, a velocidades de até 40 km/h

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Já foram registrados infestações destas vespas apelidadas de “vespas assassinas” na China, chegando a matar no passado, quarenta pessoas de numa mesma província e agora elas estão sendo encontradas também nos Estados Unidos e no Canadá. Estima-se que essas vespas tenham chegado ao continente americano dentro de contêiner com frutas vindo da Ásia. No Japão, chegam a matar 50 pessoas por ano, devido as reações alérgicas, geralmente pessoas do campo que trabalham como apicultores.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

A vespa mandarina é frequentemente confundida com a vespa-asiática (Vespa velutina), uma espécie invasora geradora de grande preocupação em toda a Europa.

A vespa mandarina é uma das 23 espécies do gênero vespa, que inclui, entre outras coisas, parentes europeus comuns. O tamanho desde inseto é apenas uma simples adaptação anatômica a um clima quente (animais de grande porte toleram altas temperaturas com mais facilidade, pois possuem uma superfície grande para transferir calor para o ambiente).

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Além disso, devido ao seu tamanho, esse inseto gigante pode contar com um grande número de vítimas em potencial, mesmo de tamanho comparável. Caso contrário, o enorme vespão asiático é muito parecido com seus outros parentes.

As principais presas da vespa asiática são as abelhas. Os criadores que presenciaram ataques a suas colmeias se dizem estarrecidos. A caçadora prende a abelha, corta sua cabeça, depois as asas e, por fim, os membros, além de manter o tórax consigo. Essa parte do corpo tem muita proteína e é usada para alimentar as larvas da predadora. A vespa mandarina também deixa um rastro de feromônios que serve para atrair outras vespas mandarinas para a colmeia encontrada.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

As abelhas japonesas (Apis cerana japonica) desenvolveram uma defesa contra a inimiga gigante. Depois que a vespa se aproxima da colmeia e emite os feromônios, as abelhas liberam a entrada, armando uma cilada. A vespa entra na colmeia com o intuito de roubar larvas de abelha para alimentar suas próprias crias, como de praxe. Uma vez lá dentro, uma multidão de abelhas cerca a vespa assassina invasora, formando uma esfera ao seu redor.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Bola de abelhas japonesas sobre uma vespa mandarina

As abelhas vibram seus músculos de voo, fazendo com que a temperatura da “bola de abelhas” chegue aos 46ºC e a concentração de CO2 aumente na formação defensiva. Essa combinação é letal para a vespa mandarina. O problema é que abelhas de outros países não possuem esse mecanismo de defesa, o que faz com que sejam presas fáceis para a vespa mandarina.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Ao mesmo tempo, essas vespas fazem parte do ecossistema do planeta e, como outros animais, fazem o que podem para sobreviver. Algumas abelhas morrem junto com o invasor, assim como acontece quando atacam outros invasores com as suas picadas, mas matando o vespão, evitam que este invoque reforços que destruiriam toda a colônia.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Independente do sexo, a cabeça da vespa tem um tom de laranja claro e suas antenas são castanhas, com uma base amarelo-laranja. Os olhoes e ocelos são castanho-escuros a preto. A vespa mandarina distingue-se das outras vespas pelo clípeo pronunciado e pela grande gena. A mandíbula laranja contém um dente preto que usa para cavar.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

O tórax é castanho-escuro, com duas asas cinzentas variando de 3,5 a 7,5 centímetros. As pernas dianteiras são mais brilhantes que as patas médias e traseiras, e a base destas é mais escura que as demais. O abdômen alterna entre faixas de castanho-escuro ou preto e um tom amarelo-laranja, consistente com a cor da cabeça. O sexto segmento é amarelo.

As rainhas são consideravelmente maiores que as operárias, podendo exceder os cinquenta milímetros, enquanto as operárias estão entre 35 a 40 milímetros. A anatomia reprodutiva é comum entre os dois tipos, embora as operárias não se reproduzem. Os machos são semelhantes às fêmeas, mas não têm ferrão, uma característica comum entre os himenópteros.

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Vespa mandarina devorando um louva-deus


Vespa mandarina, a vespa gigante asiática

Ninho da vespa mandarina

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 102 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Faça um comentário

Seu email não será publicado