Festas e Eventos

A batalha das fogueiras da Holanda

A batalha das fogueiras da Holanda

Todos os anos de 27 a 31 de dezembro, dois grupos holandeses, dos distritos vizinhos, Scheveningen (norte da praia) e Duindorp (sul da praia) da cidade de Haia, disputam entre si, cada um deles ocupando a área oposto do canal de Buitenhaven, canal esse que divide a praia, para ver qual conseguirá fazer a “maior fogueira da Holanda“, que ficou conhecido como a “Batalha das fogueiras”.

A disputa já virou tradição, e vem de longa data, sendo uma questão de orgulho mantém viva o entusiasmo e a determinação dos participantes em empilhar paletes de madeira tão alto quanto possível. A disputa é acompanhada de perto não só dos moradores dos dois distritos participantes, mas também de toda a Holanda e de outros países. Visitantes vêm da América, França, Alemanha, Inglaterra e outros para ver as fogueiras ardendo e aquecendo também a economia local na baixa temporada. Antes do acendimento das fogueiras na meia noite do dia 31 de dezembro, há shows de artistas e queima de fogos de artifícios.

A tradição de acender fogueiras na Holanda para celebrar eventos importantes já vem de séculos atrás. Em Scheveningen, a primeira fogueira acesa depois do Natal, provavelmente foi por volta de 1850. Após a Segunda Guerra Mundial, Haia, a terceira cidade mais populosa dos Países Baixos tornou-se o centro da celebração do ano novo. Naquela época, grupos de jovens saiam à procura de árvores de natal nos quintais das casas, para atear fogo. Isso acabou gerando, brigas entre gangues rivais, e muitas vezes resultava em várias pessoas feridas.

A batalha das fogueiras da Holanda

Crédito da foto

A polícia tentou manter a situação sob controle, designando seis áreas da cidade, onde poderiam acender as fogueiras. Mas ninguém respeitou e as fogueiras sendo acesas por todo os lugares, como sempre, e as pessoas jogando tudo quanto é tipo de material inflamável no fogo: árvores de natal, madeira, pneus e móveis e isso acabou se tornando perigoso demais e que poderia trazer consequências trágicas no futuro. Além do excesso de bebidas consumidas pelos jovens que participam e que no fim geravam muitas brigas e confusão, outros problemas ocorriam por toda a cidade, fazendo as autoridades tomarem uma decisão drástica e restringir a tradição de acender fogueiras depois do Natal, apenas numa determinada área da praia.

A cidade propôs então que as pessoas poderiam construir fogueiras tão altas e grandes quando conseguissem construir, desde que eles mantivessem a disputa organizada e somente na área determinada e só poderiam usar paletes de madeira. Nenhuma queima de pneus ou árvores de natal era permitido. A maioria das pessoas acharam as novas regras rigorosas demais e que acabavam com a emoção da procura de árvores de natal pelos bairros e outras coisas para queimar. No inicio até que muitos grupos de diferentes bairros participaram, mas com o tempo acabaram desistindo, restando apenas os de Scheveningen e Duindorp.

Na disputa de 2015, o grupo  Duindorp foi o ganhador da competição com a altura de 33,80 metros, 2,10 metros maior que a do concorrente. Esse mesmo grupo havia ganhado em 2014, com um pira de 21 metros de altura. Cada grupo chega a usar mais de 30.000 paletes em suas fogueiras e a do grupo Duindorp de 2015, será registrada no Guinness Book of Records como a “maior fogueira do mundo”.

A batalha das fogueiras da Holanda

Crédito da foto: Hollandse-Hoogte via ZUMA Imprensa

A batalha das fogueiras da Holanda

Fontes: 1

Publicado originalmente em 04 de janeiro de 2016

Faça nosso trabalho valer a pena! O seu comentário é o que nos move.

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 194 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Festas e Eventos

Meu nome é Julio Cesar, e sou de Santa Catarina e idealizador do site Magnus Mundi. O site tem como objetivo informar sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos e também histórias, lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Festas e Eventos

A casa da abóbora de Kenova

Magnus Mundi31 de outubro de 2017

Rios de sangue da Eid al-Adha, em Bangladesh

Magnus Mundi6 de outubro de 2017

Gävle Goat, a cabra vandalizada da Suécia

Magnus Mundi24 de dezembro de 2016

Dia dos Mortos, quando o México se enche de vida

Magnus Mundi30 de outubro de 2016

Concours de Pare-boues, uma competição inusitada

Magnus Mundi18 de setembro de 2016

Festival do espantalho

Magnus Mundi7 de agosto de 2016

Bikaner Camel Festival, dedicado ao navio do deserto

Magnus Mundi3 de agosto de 2016

O desastroso festival de balão

Magnus Mundi24 de julho de 2016

Woodstock, o eterno festival paz e amor (NSFW)

Magnus Mundi18 de julho de 2016