Flora

Abricó de macaco, a árvore das bolas de canhão

Abricó de macaco, a árvore das bolas de canhão

O abricó de macaco (Couroupita guianensis), também conhecido pelos nomes populares de “castanha de macaco” ou “cuia de macaco”, é uma espécie de árvore originária da Amazônia que tem frutos redondos que pendem em cachos e flores exuberantes. Possui altura média entre 8 e 15 metros, fruto tipo baga, grande e redondo, e suas flores, muito perfumadas, saem diretamente do tronco. As flores exalam um delicado aroma de rosas, e são atrativas para abelhas e mamangavas, que encarregam-se da polinização. A floração pode perdurar por todo o ano, mas é mais intensa na primavera e verão.

O seu nome científico, Couroupita guianensis, foi dado pelo Botânico francês Jean Baptiste Christophore Fusée Aublet em 1755. É conhecida pelo nome vulgar Cannonball Tree (árvore bola de canhão) ou Assassin Tree (árvore assassina), numa referência aos enormes frutos esféricos, parecidos com as antigas balas de canhões. Numa única árvore pode florescer de 200 a 300 frutos de casca marrom e lenhosas com diâmetros que variam de 15 a 24 centímetros e pesando até três quilos.

Sua polpa é gelatinosa, azulada e mal cheirosa. Apesar de comestíveis, os frutos não são apreciados, devido ao aroma desagradável. No entanto eles servem de alimento aos macacos e animais domésticos. O frutos do abricó de macaco levam quase um ano para amadurecer e podem ser muito perigosos quando caem, e ao cair no chão, eles se quebram e muitas vezes emitem um som parecido com uma pequena explosão. Externamente, eles se parecem com cocos e são muito forte e pesado, e que pode até causar lesões graves a pessoas que de forma imprudente estejam debaixo da árvore.

Embora se acredita que árvore seja nativa das florestas tropicais do nordeste da América do Sul, mas de acordo com antigos textos indianos, a árvore tem crescido na Índia nos últimos dois ou três mil anos, portanto, é possível que seja nativa também da Índia.

Fonte: 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 3186 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Alisson Lisboa

    4 de Março de 2018 às 20:49

    Olá! Site interessante! O achei procurando mais sobre esta planta um tanto curiosa. Em visita ao Rio de Janeiro na Praça Senador Salgado Filho avistei exemplares desta árvore e no local infelizmente não tem referência. Parabéns pelo intuito de mostrar a todos estas curiosidades.

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Flora

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Flora

Crooked Forest, misteriosa floresta da Polônia

Magnus Mundi26 de Fevereiro de 2018

Hallerbos, a floresta azul da Bélgica

Magnus Mundi24 de dezembro de 2017

Flor-cadáver, a imensa flor rara e fedorenta

Magnus Mundi7 de dezembro de 2017

A Árvore de Ténéré, a árvore solitária

Magnus Mundi25 de novembro de 2017

Arboescultura, a arte de moldar a natureza

Magnus Mundi18 de setembro de 2017

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Magnus Mundi16 de setembro de 2017

Hibaku Jumoku, as árvores sobreviventes de Hiroshima

Magnus Mundi13 de junho de 2017

O túnel do cogumelo em Mittagong

Magnus Mundi4 de Abril de 2017

Sequoias, o início da destruição

Magnus Mundi2 de Abril de 2017