A grande maioria das plantas depende de pássaros e insetos para a dispersão de sementes. As plantas atraem polinizadores liberando compostos aromáticos no ar ou produzindo néctar doce de que pássaros e insetos se alimentam. As espécies de planta Pisonia (Pisonia grandis e Pisonia umbellifera) não são diferentes.

Pisonia, a árvore que mata pássaros

Aves marinhas e ninhos em árvores Pisonia na Ilha de Heron, Queensland | Crédito da foto

Em alguns atóis do Pacífico Sul, a Pisonia é a única árvore dominante em ilhotas estéreis. Os pássaros marinhos usam as folhas grandes e comestíveis para construir ninhos nas árvores. Quando os pássaros roçam nesses galhos carregados de sementes pegajosas da Pisonia, elas grudam nas penas do pássaros. Depois de algum tempo, as sementes caem, de preferência quando os pássaros viajam para outras ilhas.

Mas em algum lugar ao longo da história evolutiva da Pisonia, algo deu terrivelmente errado. Em vez de usar os pássaros como vetores de polinização, o Pisonia acaba matando um grande número de pássaros ao carregá-lo com tantas sementes que as pobres aves não conseguem voar para longe. Elas caem no chão e morrem de fome.

As árvores Pisonia, também apelidadas de “caçadores de pássaros“, são encontradas em habitats tropicais, principalmente em ilhas do Caribe e Indo-Pacífico. Tais árvores produzem sementes longas, cobertas por um muco espesso e pequenos ganchos que se prendem a quase tudo que roça nelas. As sementes crescem em grande cachos emaranhados, e cada cacho pode conter de uma dúzia a mais de duzentas sementes.

Pisonia, a árvore que mata pássaros

Semente de árvores Pisonia | Crédito da foto

A árvore Pisonia floresce duas vezes por ano, e o momento desses eventos coincide – naturalmente ao longo de anos de evolução – com o pico de tráfego de aves marinhas para as ilhas. Essas aves marinhas usam a Pisonia para nidificar e, quando os filhotes eclodem e emplumam, o resultado costuma ser trágico. Os pássaros jovens ficam emaranhados e aprisionados em cachos pegajosos.

Mesmo um punhado de sementes pode tornar um pássaro pesado, tornando-o incapaz de voar. Eles caem e eventualmente morrem de fome, ou se tornam comida para necrófagos. Outras vezes, os pássaros morrem nas árvores: seus cadáveres mumificados pendurados em galhos parecem “como enfeites macabros de árvores de Natal“.

O comportamento bizarro da árvore Pisonia tem um efeito devastador na população de pássaros. Um estudo realizado na população de aves marinhas na Ilha Cousin em Seychelles revelou que a árvore Pisonia matou um quarto das andorinhas-do-mar (Sterna hirundo) e quase um décimo das cagarras também chamado pardela-de-bico-amarelo (Calonectris diomedea) tropicais por meio do emaranhamento fatal de sementes.

Os cientistas se perguntam se há algum benefício evolutivo derivado da árvore Pisonia ao matar pássaros. Uma hipótese afirmava que as árvores obtêm nutrientes acrescidos da decomposição dos cadáveres de pássaros que caem aos pés das árvores. Mas quando Alan Burger, um biólogo canadense da Universidade de Victoria, analisou mudas que brotavam perto de carcaças de pássaros na Ilha Cousin, ele não encontrou nenhuma evidência que parecesse indicar que as sementes estavam brotando melhor.

Além disso, a árvore recebe muito mais fertilizante dos excrementos e dos ovos caídos dos pássaros, indicando que eles valiam muito mais para a árvore vivos do que mortos.

Pisonia, a árvore que mata pássaros

As sementes da árvore Pisonia são cobertas por uma resina pegajosa | Crédito da foto

Em seguida, o biólogo tentou imergir sementes de Pisonia em água do mar para testar outra hipótese de que as carcaças de pássaros mortos poderiam chegar à costa em outras ilhas, ajudando na dispersão das sementes. Para testar a teoria, Burger mergulhou as sementes em água salgada e descobriu que elas morreram depois de apenas cinco dias, descartando a possibilidade de que o Pisonia pudesse estar usando pássaros mortos como rafting para dispersar as sementes para uma ilha distante.

Os resultados dos meus experimentos mostraram de forma bastante convincente que o Pisonia não derivou nenhum benefício óbvio do emaranhamento fatal de pássaros“, escreveu Burger em um artigo publicado no Journal of Tropical Ecology em 2005. “O emaranhamento e a mortalidade de alguns dos vetores potenciais podem ser vistos como um efeito colateral negativo da seleção de sementes com adesão suficiente para alisar a plumagem de um pássaro por várias semanas e resistir aos esforços dos pássaros alisados para remover as sementes“, Burger concluiu.

Pisonia, a árvore que mata pássaros

Um Trinta-réis-preto (Anous minutus) emaranhado em sementes de Pisonia na Ilha de Heron | Crédito da foto

Em outras palavras, as sementes precisam ser absolutamente pegajosas para que não caiam dos pássaros. E como a resina vai perdendo a aderência gradativamente, principalmente quando imersa na água do mar, as sementes têm que começar extremamente pegajosas. Inadvertidamente, isso resulta na morte de centenas de milhares de aves marinhas todos os anos.

Os conservacionistas da Ilha Cousin agora estão trabalhando para substituir as árvores Pisonia por outras espécies de árvores nativas para ajudar a população de aves marinhas a se recuperar. Eles também procuram ativamente pássaros emaranhados e os limpam cuidadosamente, antes de colocá-lo de volta em uma árvore.

Pisonia, a árvore que mata pássaros

Uma partela-de-cauda-em-cunha coberta por sementes pegajosa de Pisonia grandis na ilhota Tiam’Bouene, Nova Caledônia | Crédito da foto

Surpreendentemente, muitas aves marinhas parecem amar as árvores Pisonia. “É raro ver uma árvore Pisonia sem pássaros marinhos. Pelo menos em lugares onde ainda existem aves marinhas“, diz Beth Flint, bióloga do Serviço de Vida Selvagem dos EUA.

Flint gerencia habitats do Monumento Nacional Marinho das Ilhas Remotas do Pacífico e, como tal, ela e seus colegas realmente trabalham para encorajar os bosques de Pisonia, que criam habitats de nidificação primordial para patos-de-pés-vermelhos, fragatas e patos-negros. Andorinhas-do-mar-brancas foram vistas até mesmo pondo seus avos diretamente nos pequenos torrões deixados para trás quando galhos de Pisonia se quebram em tempestades de vento.

Os biólogos também dizem que os galhos quebradiços das árvores têm outro propósito. Cada galho que atinge o solo tem o potencial de criar raízes e formar sua própria árvore. Burger e Flint observaram que este é o principal método de reprodução da árvore Pisonia, uma vez que ela se estabeleceu em uma ilha. Todas aquelas sementes pegajosas parecem ser mais para conquistas de longa distância.

Pisonia, a árvore que mata pássaros

Um filhote de Trinta-réis-escuro emaranhado com sementes no peito e na cauda | Crédito da foto: BBC

Flint comentou que se fosse viajar para a Ilha de Lisianski, quase 1.600 quilômetros a noroeste do Havaí, se poderia ver a invasão de Pisonia em ação. Trinta anos atrás, ela diz, essa ilha desabitada ostentava apenas gramíneas e arbustos curtos.

Mas então, em meados da década de 1990, um cientista caminhou até o meio da ilha para investigar algumas tocas de pássaros e descobriu uma única árvore Pisonia brotando do mato. Hoje, aquela árvore se ramificou em um denso matagal de clones com quase trinta metros de largura. É tão diferente da vegetação ao redor que você pode até mesmo vê-lo usando o Google Earth.

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Visualização desde 2014: 289 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Faça um comentário

Seu email não será publicado