Inusitados

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

A cidade de Guanajuato, no México tem muitas ruas estreitas e becos, mas El Callejon del Beso (O Beco do Beijo) é de longe um das mais estreitos, tão estreito que as varandas das casas praticamente se beijam, e por isso que esta rua é famosa – beijar. Todos os dias, especialmente durante o mês de fevereiro, considerado o mais romântico dos meses, para os mexicanos, centenas de casais esperam pacientemente pela sua vez de ficar embaixo das varandas e sacadas e dar um beijo. Diz-se que os casais que se beijam no beco garantem quinze anos de felicidade.

El Callejon del Beso, o beco do beijo

A tradição surgiu de uma trágica lenda local onde dois amantes trocavam beijos no local. A menina tinha o nome de Dona Carmen e era filha de um rico espanhol, enquanto seu amante Luis, veio de uma família pobre de mineradores de uma cidade vizinha. O pai de Dona Carmen não aprovava o relacionamento, pois queria que ela se casasse com um nobre espanhol, com o qual ele tinha negócios. O jovem Luis alugou um pequeno quarto que ficava em frente a varanda de sua amada. Sem o conhecimento das famílias, o casal se encontrava tarde da noite e se beijava no beco estreito. E

por conta do destino, o pai da menina descobriu tudo. Louco de raiva, o pai pegou um punhal e enterrou-o no peito de sua própria filha. Alguns dizem que Luis tentou protegê-la saltando de uma varanda para outra – mas ele tropeçou, caiu e quebrou o pescoço na queda. Atualmente, o quarto onde Dona Carmen supostamente viveu foi transformado em uma loja de presentes. Os visitantes podem andar na fatídica varanda e escrever seus nomes e mensagens em pequenos cadeados que são fixados às barras de metal das varandas.

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

Fontes 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 141 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Inusitados

Uluru, a segunda maior pedra do mundo

Magnus Mundi7 de dezembro de 2018

Fuerteventura e a praia da pipoca das Ilhas Canárias

Magnus Mundi6 de dezembro de 2018

El Tatio, o maior gêiser do hemisfério sul

Magnus Mundi4 de dezembro de 2018

Castelo de Čachtice, o castelo da condessa sanguinária

Magnus Mundi1 de dezembro de 2018

Como uma ponte de Londres foi parar na América

Magnus Mundi12 de outubro de 2018

A floresta fantasma de Neskowin

Magnus Mundi10 de outubro de 2018

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Magnus Mundi6 de outubro de 2018

Os moradores das copas das árvores da floresta de Hambach

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Corippo, a aldeia que se transformará em hotel

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up