Inusitados

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

A cidade de Guanajuato, no México tem muitas ruas estreitas e becos, mas El Callejon del Beso (O Beco do Beijo) é de longe um das mais estreitos, tão estreito que as varandas das casas praticamente se beijam, e por isso que esta rua é famosa – beijar. Todos os dias, especialmente durante o mês de fevereiro, considerado o mais romântico dos meses, para os mexicanos, centenas de casais esperam pacientemente pela sua vez de ficar embaixo das varandas e sacadas e dar um beijo. Diz-se que os casais que se beijam no beco garantem quinze anos de felicidade.

El Callejon del Beso, o beco do beijo

A tradição surgiu de uma trágica lenda local onde dois amantes trocavam beijos no local. A menina tinha o nome de Dona Carmen e era filha de um rico espanhol, enquanto seu amante Luis, veio de uma família pobre de mineradores de uma cidade vizinha. O pai de Dona Carmen não aprovava o relacionamento, pois queria que ela se casasse com um nobre espanhol, com o qual ele tinha negócios. O jovem Luis alugou um pequeno quarto que ficava em frente a varanda de sua amada. Sem o conhecimento das famílias, o casal se encontrava tarde da noite e se beijava no beco estreito. E

por conta do destino, o pai da menina descobriu tudo. Louco de raiva, o pai pegou um punhal e enterrou-o no peito de sua própria filha. Alguns dizem que Luis tentou protegê-la saltando de uma varanda para outra – mas ele tropeçou, caiu e quebrou o pescoço na queda. Atualmente, o quarto onde Dona Carmen supostamente viveu foi transformado em uma loja de presentes. Os visitantes podem andar na fatídica varanda e escrever seus nomes e mensagens em pequenos cadeados que são fixados às barras de metal das varandas.

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

El Callejon del Beso, o beco do beijo

Fontes 1 2

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 126 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Inusitados

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018

Uma cidade canadense chamada Amianto

Magnus Mundi10 de junho de 2018

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

Magnus Mundi9 de junho de 2018

A solitária capela dentro do vulcão de Santa Margarida

Magnus Mundi9 de junho de 2018

As pilhas de ossos do cemitério Colon em Havana

Magnus Mundi7 de junho de 2018

Baldwin Street, considerada a rua mais inclinada do mundo

Magnus Mundi1 de junho de 2018

Ko Panyi, aldeia flutuante da Tailândia

Magnus Mundi26 de maio de 2018

Makhunik, a antiga aldeia dos anões

Magnus Mundi18 de maio de 2018

Santa Cruz del Islote, a ilha que mora gente demais

Magnus Mundi20 de abril de 2018