Arqueológicos

Moray, os terraços circulares dos incas

Moray, os terraços circulares dos incas

Moray ou muray (Quechua) é um sítio arqueológico no no Vale Sagrado dos Incas, no Peru, aproximadamente a 38 quilômetros a noroeste de Cuzco, em um planalto a cerca de sete quilômetros a oeste da vila de Maras. O local contém ruínas incas incomuns, consistindo principalmente em várias depressões circulares com terraços, que parece um antigo anfiteatro grego. O maior desses terraços se situa-se no centro, com cerca de doze terraços, sendo o mais fundo estando numa profundidade de cem metros, e como acontece em outros sítios arqueológicos incas, o sistema de dreno é tão bem feito, que mesmo sendo uma depressão, nunca se inunda completamente.

Surpreendente em geral é a forma precisa desta paisagem com terraços, onde os mesmos são posicionados um em cima do outro de forma circular. A precisão da estrutura geométrica dos terraços, em uma área de 37 hectares, com quatro côncavos (muyus), cada um rodeado por plataformas com canais de irrigação e interligados por outras estruturas. Construídos em sumidouros naturais, provavelmente crateras deixadas por impacto de meteorito e fizeram uma remodelação geométrica teria envolvido o transporte de centenas ou milhares de toneladas de solo e rocha.

Uma das características mais notáveis dos moray é a grande diferença de temperatura que existe entre o topo e o fundo da estrutura, que pode ser tanto quanto a 15ºC. Esta grande diferença de temperatura criou micro climas, e isso possivelmente foi usado pelos incas para estudar os efeitos de diferentes condições climáticas nas colheitas.

Os moray reproduzem as condições climáticas de diferentes zonas ecológicas do Império Inca. Devido à posição abrigada, cada um desses níveis de terraços (andenes) representa aproximadamente 1.000 metros de altitude em condições normais de cultivo. No geral, o complexo teria 20 ou mais zonas ecológicas, em escala. Supõe-se que os terraços de moray foram usados por sacerdotes incas para estudos das culturas vegetais e assim poder orientar os agricultores incas o que eles poderiam plantar em determinados campos de acordo com a altitude.

O que intriga os pesquisadores a séculos é o sistema de drenos usados pelos incas. Nos moray, mesmo o nível mais baixo é perfeitamente drenado, e nunca fica inundado, mesmo depois de chuvas incessantes. Se acredita que deve haver canais subterrâneos construídos no fundo da depressão, permitindo que a escoa por um ralo. Também é plausível que o fundo é feito sobre rochas porosas que permite que a água seja filtrada em direção ao interior da terra.

Talvez nunca se saberá qual era o verdadeiro objetivos dos moray, mas a teoria que eles terem sido feitos como uma estação de pesquisa agrícola é uma possibilidade muito provável. Talvez não seja surpreendente, já que cerca de 60% das colheitas de alimentos do mundo originaram-se nos Andes, incluindo centenas de variedades de milho e outras tantas variedades de batatas.

Fontes: 1 2

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 408 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Moray, os terraços circulares dos incas – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arqueológicos

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes.

Veja mais em Arqueológicos

Cidadela de Erbil, a cidade de seis mil anos

Magnus Mundi18 de novembro de 2018

Lady Dai, a múmia preservada da China

Magnus Mundi12 de novembro de 2018

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

Monte Testácio, o depósito de lixo com 2.000 anos

Magnus Mundi14 de maio de 2018

Nosy Mangabe, a ilha das pedras postais

Magnus Mundi4 de abril de 2018

Pedra de Ingá, o enigma da Paraíba

Magnus Mundi11 de janeiro de 2018

Cueva de las Manos, a caverna das mãos na Patagônia

Magnus Mundi8 de janeiro de 2018

Os desenhos escondidos de Michelangelo

Magnus Mundi12 de novembro de 2017

Heródio, a fortaleza do rei Herodes

Magnus Mundi11 de novembro de 2017

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up