Exóticos

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Ilha da Vida ou Ilha Encantada, como os japoneses gostam de chamar a ilha de Yakushima é uma das Ilhas Osumi, em Kagoshima, Japão. É dado o título de Ilha Encantada porque sua extensa floresta tropical lembra bastante uma floresta encantada! Por sua umidade, ela possui um rico ecossistema, com musgos, fungos e grandes árvores, cujas raízes e troncos formam belíssimos desenhos. O ponto mais alto da ilha é o Monte Miyanoura com 1935 m de altitude.

Yakushima, a ilha da vida no Japão

O primeiro homem a colocar Yakushima no mapa foi o botânico norte-americano E.H.Wilson, que em 1925 viajou até lá para pesquisar as árvores milenares das florestas locais. Suas andanças pela ilha são marcadas por um episódio curioso. Certo dia, ao se abrigar de uma tempestade, o botânico entrou numa caverna. Instantes depois, para seu espanto, Wilson constatou que as paredes da caverna não eram de material rochoso – e sim de madeira! Ele estava no interior da base do tronco de uma árvore gigantesca. Lá dentro brotava um fino córrego de água cristalina, atravessando os 16 m2 do interior do tronco. Foi a partir dos relatos de Wilson que as ancestrais árvores de Yakushima tornaram-se mundialmente conhecidas: ele descobriu, por exemplo, que a “árvore-caverna” – depois, merecidamente, batizada com seu nome – foi serrada e utilizada na construção de um templo em Quioto, 400 anos atrás.

Tronco de Wilson

Tronco de Wilson

Os famosos “sugui” como são chamados em japonês os grandes cedros são encontrados a partir de 800 metros. Nessa altitude, o clima chega a ser assustador no interior das matas. Uma escuridão verde-musgo toma conta de raízes, troncos, galhos e pedras. Nas partes mais baixas, as montanhas são cobertas por uma vegetação semelhante à Mata Atlântica brasileira. Esse tipo de floresta está praticamente extinto no resto do país. Essas grandes árvores foram uma das razões para a ilha receber o título de Patrimônio Natural da Humanidade concedido pela UNESCO. Um desses cedro de nome “Joomon” é a árvore mais antiga do mundo, tem sua idade avaliada por pesquisadores em 7 200 anos e é incrível como uma árvore de tempos pré-históricos ainda exista num país mais conhecido por seus arrojados cenários urbanos.

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Árvore Joomon

Para se chegar a árvore Joomon que está a 1390 metros de altitude, tem que se caminhar muito pela floresta adentro. Poderá seguir por um trecho de uma mini estrada de ferro abandonada, que servia para escoar toras de madeira do alto da montanha. O trilho avança margeando o Rio Anboo, que tem águas cor de esmeraldas.

Para se saber com exatidão a idade de uma árvore, contam-se os círculos que se formaram no interior do tronco. Cada círculo equivale a um ano. Não é, obviamente, o caso de Joomon, já que ninguém cortaria a árvore ancestral só para ter certeza de sua idade. Mas uma equipe de pesquisadores da Universidade de Kyushu comparou a sua circunferência, de 16 metros, com outras árvores milenares da região que já haviam sido cortadas. E daí calculou-se a idade extraordinária de 7 200 anos.

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Seus 25 metros de altura parecem poucos diante de outros cedros, que podem chegar a 50 metros. A explicação é simples: no outono, constantes furações chacoalham Yakushima e decepam as extremidades das árvores mais altas, o que muitas vezes impossibilita até mesmo o trânsito pelas trilhas na montanha Takatsuka. Por outro lado, esses troncos caídos, se decompondo revestidos de musgo, servem como perfeito substrato para sementes brotarem, aproveitando ainda mais a própria clareira aberta pela queda do tronco, possibilitando o fenômeno da fotossíntese dentro da sombria floresta. É o milagre da auto renovação.

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Na montanha Takatsuka há várias árvores milenares que foram batizadas pelos habitantes da ilha: Grande Rei, Homem Velho e Casal de Sugui são alguns exemplos. O nome Joomon representa o período histórico do Japão em que os homens viviam apenas de caça e do extrativismo.

O passado, de fato, parece estar eternizado nos sulcos do tronco e nas rugas da casca da árvore mais antiga do mundo. O cedro Joomon resistiu a todos os ventos, todas as neves, todos os homens. Sua presença impõe um respeito quase religioso, como se ela fosse um ser imortal: um Deus ou um Buda sentado em infinitas raízes. Diante de Joomon, a árvore símbolo de Yakushima, pode-se realmente aprender tudo sobre a natureza das coisas e as coisas da natureza.

Tronco de Wilson

Tronco de Wilson

A Amiga do Tempo

A árvore Joomon testemunhou os principais períodos da história do Japão

Século 20

Em dezembro de 1941, o Japão entra na Segunda Guerra lutando contra as forças aliadas lideradas pelos Estados Unidos. Resultado: queda das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki. Em 15 de agosto de 1945 o país assina sua declaração de rendição. A partir de 1954, o Japão começa a se recuperar economicamente até se tornar a grande potência atual.

Século 19

Período da chamada “Restauração Meiji”, o restabelecimento do poder político ao imperador. Inovações no campo político com a inauguração do governo constitucional em 1890 e profundas transformações sociais e econômicas.

Séculos 17 e 18

O governo central é estabelecido em Edo (atual Tóquio) pelo xogum Takugawa.

Séculos 14 ao 16

Surgimento dos Daymos (senhores feudais), governando áreas locais independentes. Durante um século, a partir de 1467, em todo o Japão os Daymos se enfrentam entre si. O período é conhecido como “Idade dos Estados em Guerra”. Em 1543, os portugueses chegam ao Japão introduzindo armas de fogo. É o primeiro contato dos japoneses com os ocidentais.

Árvore Joomon

Árvore Joomon

Séculos 11 e 12

Formação do governo samurai de Kakamura. Estrutura política dualista: existia uma corte imperial, mas o poder político militar pertencia ao xogum (Grande Samurai).

Séculos 7 a 11

Início do governo imperial em Nara e depois Quioto. Os atuais imperadores do Japão descendem dessa linhagem, que começou no governo de Yamato.

Séculos 4 a 6

Formação do primeiro governo central, em Yamato, com a unificação de vários Estados. Introdução da cultura chinesa (escrita, budismo e confucionismo).

300 a.C. a 300 d.C.

Período Yayoi. Invasão de outros povos do Oriente e introdução da agricultura e técnicas de trabalho em metais (ferro e bronze).

8.000 a 300 a.C.

É o chamado Período Joomon. Há evidências arqueológicas de cultura neolíticas entre os ainos, um povo nativo registrado a partir do segundo milênio a.C. Eles viviam do extrativismo, com técnicas de caça com o uso de arco e flecha e a fabricação de recipientes de barro para cozinhar.

Tronco de Wilson

Tronco de Wilson

Dentro do Tronco de Wilson

Dentro do Tronco de Wilson

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Yakushima, a ilha da vida no Japão

Fonte: Revista Terra, Edição 50

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 742 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Exóticos

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Exóticos

As cataratas inundadas do Guairá

Magnus Mundi8 de outubro de 2018

A ilusão da cachoeira submersa na Ilha Maurício

Magnus Mundi26 de setembro de 2018

Puerto Chicama, lugar das ondas mais longas e perfeitas do mundo

Magnus Mundi22 de setembro de 2018

Carmel, a cidade de contos de fadas

Magnus Mundi9 de setembro de 2018

Skull Rock, a ilha da caveira da Austrália

Magnus Mundi1 de julho de 2018

Gocta, a catarata escondida do Peru

Magnus Mundi15 de junho de 2018

Ko Panyi, aldeia flutuante da Tailândia

Magnus Mundi26 de maio de 2018

El Totumo, diversão na lama vulcânica

Magnus Mundi25 de maio de 2018

Cardrona Bra Fence, curiosa cerca dos sutiãs

Magnus Mundi16 de abril de 2018
Scroll Up