Fotografia

A fotografia a serviço da morte

A fotografia a serviço da morte

Criada em 1839 por Louis Daguerre, a fotografia moderna foi colocada à disposição dos investigadores policiais do departamento de Seine, em Paris, nos anos 70 do século 19. Alguns anos depois, em 1887, esse uso foi combinado ao método fotográfico de identificação criminal de Alphonse Bertillon. Fundador da antropometria judicial, o criminologista estabeleceu as bases da ciência forense da atualidade. Assim, desde o final do século dezenove, com os avanços na documentação criminal, a Polícia de Paris acumula milhões de imagens de crimes em seus arquivos.

Essa cena mostra a metodologia usada para fotografar um cadáver antes de uma autópsia.

Essa cena mostra a metodologia usada para fotografar um cadáver antes de uma autópsia.

crime-and-death-in-paris-philippe-charlier-photography-bookDepois de uma longa investigação sobre as mortes que marcaram a história – que lhe renderam o apelido de “Indiana Jones dos cemitérios” –, o médico-legista e pesquisador Philippe Charlier passou a se interessar por essas primeiras provas fotográficas. Em seu livro Seine de crimes (“Cena de crimes”, em tradução livre), lançado em janeiro pela Rock Editions, ele compila e tenta explicar cerca de cem imagens registradas entre 1871 e 1937 que supostamente melhor representam mortes, assassinatos, suicídios, acidentes e ataques da época.

“Analisar décadas de fotografias de cenas de crimes em Paris é, acima de tudo, uma forma de revelar a evolução das técnicas de investigação e as formas de se lidar com a criminalidade”, explica o autor no prefácio do livro antes de apresentar um breve resumo da história da prefeitura de polícia parisiense. “Além do óbvio interesse médico, essas fotografias testemunham tanto a selvageria humana quanto as vidas daqueles que vieram antes de nós”, acrescenta.

Apesar de a vítima estar segurando uma arma branca, o que sinalizaria para um suicídio, a investigação e as impressões digitais coletadas tornaram possível determinar que Mademoiselle Ferrari foi morta pelo amante, Sir Garnier, com uma facada no coração.

Apesar de a vítima estar segurando uma arma branca, o que sinalizaria para um suicídio, a investigação e as impressões digitais coletadas tornaram possível determinar que Mademoiselle Ferrari foi morta pelo amante, Sir Garnier, com uma facada no coração.

Apesar de algumas cenas famosas terem entrado no livro – o ataque ao Louvre de 1905 e oassassinato de Jean Jaurès em 1914 –, a maioria delas é de pessoas anônimas, muitas vezes assassinadas das formas mais terríveis. Conhecemos em detalhes a morte de um tal Julien Delahieff, “embrulhado em tecido e trancado em uma mala” em 1896; a de Madame Candal, “que amava gatos” e foi aparentemente espancada até a morte em 1914; ou a de Suzanne Lavollée, prostituta: estrangulada e mutilada brutalmente, ela teve as partes íntimas “cortadas” e “destruídas” em 1924.

Por causa da natureza por vezes difícil de certas fotos do livro, Philippe Charlier se questionou quanto à legitimidade de seu trabalho. “Essas fotografias são históricas, os casos estão arquivados e elas já têm bem mais que os 30 anos exigidos para poderem ser divulgadas para o público”, explica. “O problema que consideramos não é tanto pela questão legal, mas, sim, ética. Mesmo que seja permitido por lei publicar fotos desse tipo, será que é aceitável desrespeitar o sigilo médico e a privacidade [alheia]?”

Em resposta a essas perguntas, o médico-legista desenvolveu o “conceito de uma ‘ciência discreta’ que consiga respeitar as pessoas sem se privar de evoluir em direção ao progresso e ao conhecimento”. Ainda mais enquanto motivo para se ter hoje uma compreensão maior de métodos centenários utilizados pela criminologia parisiense – métodos que, segundo Philippe Charlier, quase não evoluíram de lá para cá.

Essa foto foi tirada pela polícia para demonstrar a posição ideal que a câmera deve ficar.

Apesar de algumas cenas famosas terem entrado no livro – o ataque ao Louvre de 1905 e o assassinato de Jean Jaurès em 1914 –, a maioria delas é de pessoas anônimas, muitas vezes assassinadas das formas mais terríveis. Conhecemos em detalhes a morte de um tal Julien Delahieff, “embrulhado em tecido e trancado em uma mala” em 1896; a de Madame Candal, “que amava gatos” e foi aparentemente espancada até a morte em 1914; ou a de Suzanne Lavollée, prostituta: estrangulada e mutilada brutalmente, ela teve as partes íntimas “cortadas” e “destruídas” em 1924.

Por causa da natureza por vezes difícil de certas fotos do livro, Philippe Charlier se questionou quanto à legitimidade de seu trabalho. “Essas fotografias são históricas, os casos estão arquivados e elas já têm bem mais que os 30 anos exigidos para poderem ser divulgadas para o público”, explica. “O problema que consideramos não é tanto pela questão legal, mas, sim, ética. Mesmo que seja permitido por lei publicar fotos desse tipo, será que é aceitável desrespeitar o sigilo médico e a privacidade [alheia]?”

Em resposta a essas perguntas, o médico-legista desenvolveu o “conceito de uma ‘ciência discreta’ que consiga respeitar as pessoas sem se privar de evoluir em direção ao progresso e ao conhecimento”. Ainda mais enquanto motivo para se ter hoje uma compreensão maior de métodos centenários utilizados pela criminologia parisiense – métodos que, segundo Philippe Charlier, quase não evoluíram de lá para cá.

crime-and-death-in-paris-philippe-charlier-photography-04

Enquadramento perspectométrico de Monsieur Falla, assassinado enquanto dormia no corredor de seu apartamento, na Rue du Temple, 160, em Paris, em 27 de agosto de 1905. As pernas estavam rígidas por causa do rigor mortis, e o tecido em torno do pescoço parece indicar morte por estrangulação.

Madame Debeinche, moradora da Rue Chalgrin, 9, foi encontrada morta no chão de seu apartamento de classe média em 8 de maio de 1903. “A coloração amarronzada das mãos e dos pés corresponde à de um corpo em putrefação... há quanto tempo o crime havia sido cometido?”, pergunta-se Philippe Charlier antes de considerar a possibilidade de que a cena tenha sido resultado de uma briga com golpes violentos.

Madame Debeinche, moradora da Rue Chalgrin, 9, foi encontrada morta no chão de seu apartamento de classe média em 8 de maio de 1903. “A coloração amarronzada das mãos e dos pés corresponde à de um corpo em putrefação… há quanto tempo o crime havia sido cometido?”, pergunta-se Philippe Charlier antes de considerar a possibilidade de que a cena tenha sido resultado de uma briga com golpes violentos.

Valentine Botelin após a autópsia, em 14 de setembro de 1904. Com a cabeça e o cabelo limpos, é possível observar três perfurações de arma de fogo na têmpora e na face esquerda.

Valentine Botelin após a autópsia, em 14 de setembro de 1904. Com a cabeça e o cabelo limpos, é possível observar três perfurações de arma de fogo na têmpora e na face esquerda.

crime-and-death-in-paris-philippe-charlier-photography-07Em 31 de maio de 1905, no meio da noite, Alfonso XIII, rei da Espanha, e Émile Loubet, presidente da França, foram vítimas de uma tentativa de ataque a bomba na colunata do Louvre enquanto passavam de carro. “A comitiva real, aclamada em toda a rota da Avenue de l’Opéra, muito iluminada, viu-se no ângulo da Rue de Rohan com a Rue de Rivoli. De repente, uma explosão ecoou como o tiro de um canhão. Uma chama amarela brilhou à esquerda do carro do rei. Um cavalo foi erguido do chão, caindo pesadamente em seguida. Morto, estripado. Outro cavalo disparou na direção da massa de observadores, que se aglomeravam nas calçadas da Rue de Rivoli. Um terrível pânico tomou a multidão, que fugiu desvairada. Ouviam-se gritos de dor”, narrou o Petit Journal em 11 de junho de 1905. Embora os dois chefes de Estado tenham saído ilesos, vinte pessoas ficaram feridas e um cavalo morreu.

crime-and-death-in-paris-philippe-charlier-photography-08Este crime data de 5 de setembro de 1910 e foi cometido com ácido sulfúrico em um quarto na Passage de Thionville, 23. A cama, o lençol e o chão estão cobertos de sangue, e o tecido ficou parcialmente corroído pelo ácido. “Não há cadáver. A vítima teve tempo de fugir e ser atendida em um hospital? A não ser que o corpo tenha sido levado ao necrotério”, reflete Philippe Charlier.

Em 9 de agosto de 1913, uma mulher idosa foi encontrada de bruços na Rue des Rosiers, 31, em Saint-Ouen. Parece que os pássaros que estão nas gaiolas ao fundo foram as únicas testemunhas do crime.

Em 9 de agosto de 1913, uma mulher idosa foi encontrada de bruços na Rue des Rosiers, 31, em Saint-Ouen. Parece que os pássaros que estão nas gaiolas ao fundo foram as únicas testemunhas do crime.

Clémentine Pichon, elegante vítima de assassinato, entre dois sonhos na mesa de autópsia.

Clémentine Pichon, elegante vítima de assassinato, entre dois sonhos na mesa de autópsia.

crime-and-death-in-paris-philippe-charlier-photography-11

Em 30 de novembro de 1897, Xavier-Ange Carrara, 34 anos, produtor de cogumelos de Kremlin-Bicêtre, assassinou e ateou fogo ao corpo de Augustin Lamarre, cobrador de dívidas. Depois de assumir a culpa, o homem foi executado em 18 de junho de 1898 na Place de la Roquette, em Paris. Anatole Deibler, considerado o mais famoso carrasco francês, assumiu a tarefa e aproveitou a oportunidade para tomar um botão com uma cabeça de cavalo do casaco do assassino condenado.

Jules Jacques Schoenën, de seis anos, morava com os pais na Rue Caillé, 7, e foi assassinado em 25 de fevereiro de 1881 por um jovem de 16 anos. Foi encontrado com as mãos amarradas, o casaco perfurado e a camisa com manchas secas de sangue. O caso é um dos primeiros a ser fotografado.

Jules Jacques Schoenën, de seis anos, morava com os pais na Rue Caillé, 7, e foi assassinado em 25 de fevereiro de 1881 por um jovem de 16 anos. Foi encontrado com as mãos amarradas, o casaco perfurado e a camisa com manchas secas de sangue. O caso é um dos primeiros a ser fotografado.

Homem não identificado encontrado amarrado no Lago Daumesnil, no parque Bois de Vincennes, em novembro de 1912. Fotos publicadas com a atenciosa autorização da Polícia de Paris.

Homem não identificado encontrado amarrado no Lago Daumesnil, no parque Bois de Vincennes, em novembro de 1912. Fotos publicadas com a atenciosa autorização da Polícia de Paris.

Registro antropométrico de Raoul Villain, estudante nacionalista que matou Jean Jaurès, absolvido em 1919. O arquivo é característico do sistema criminológico que Bertillon criou, incluindo impressões digitais, indicação precisa das medidas e dados biográficos do assassino.

Registro antropométrico de Raoul Villain, estudante nacionalista que matou Jean Jaurès, absolvido em 1919. O arquivo é característico do sistema criminológico que Bertillon criou, incluindo impressões digitais, indicação precisa das medidas e dados biográficos do assassino.

Fonte: 1

Visualização: 1316 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fotografia

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Fotografia

Anacondas e pítons, as grandes cobras do mundo

Magnus Mundi30 de maio de 2018

Fotos famosas recriadas em estúdio

Magnus Mundi12 de maio de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018

A descoberta da tumba de Tutancâmon

Magnus Mundi5 de novembro de 2016

A invasão dos pássaros nas cidades do Japão

Magnus Mundi13 de agosto de 2016

Show de cores das tulipas na Holanda

Magnus Mundi14 de julho de 2016

O mundo despido de Spencer Tunick (NSFW)

Magnus Mundi6 de julho de 2016

Kevin Carter, a história por trás de uma fotografia

Magnus Mundi12 de fevereiro de 2016

O curioso desastre do Granville

Magnus Mundi18 de novembro de 2015
Scroll Up