Guerra

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

“Maior e melhor” tem sido a força motriz do progresso através dos tempos. No caso das armas, isto significa um maior poder de fogo e um maior alcance. Quanto maior o projétil e quanto mais longe puder ser lançado, maiores os danos para o inimigo. Assim nasceu a maior arma que o mundo já viu, Dora, o super-canhão de 800mm.

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Em 1937, o Alto Comando Alemão (OKW, Oberkommando Der Wehrmacht ), liderado por Adolf Hitler incumbiu a metalúrgica Krupp AG de Essen, na Alemanha do design e produção da maior arma já construída, capaz de penetrar um metro de aço, sete metro de concreto armado reforçado e 30 metros de terra compacta, a uma distância de 45 quilômetros, o que o colocaria fora do alcance inimigo. O movimento sobre trilhos seria essencial e o Schwerer Gustav, como inicialmente foi chamado o canhão, em honra do seu criador Gustav Krupp von Bohlen und Halbach, diretor da empresa entre 1909 e 1944, deveria ser móvel o suficiente para ser transportado.

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

O segredo que envolvia a nova arma era tal que os aliados nunca souberam pormenores sobre ela. Na verdade, o segundo nome pelo qual ficou conhecido, Dora, surgiu através do nome de código dado à sua criação, Implement D (Instrumento D),  dado pela guarnição responsável pela arma, da mesma forma que guarnições dos morteiros “Karl-Mörser“, de 600mm, os apelidaram de “Adão e Eva”, “Pai e Filho”, “Thor e Odin”. Mas a produção do super canhão mostrou-se difícil, quer pelas dimensões do mesmo, quer pela falta de exemplos nos quais basear o trabalho, uma vez que a indústria de armamento estava parada desde o fim da Primeira Grande Guerra.

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

As dificuldades arrastaram-se e o conhecimento extensivo de metalurgia, explosivos e balística, resultante da química aplicada, física e matemática, necessários à criação da arma e dos projéteis, tomou três longos anos de trabalho. Quando se iniciou a Segunda Guerra a arma não estava pronta, o que somente aconteceu no final de 1940. Foi testado no início do ano seguinte, na presença de Hitler e do seu Ministro do Armamento, Albert Speer, com enorme êxito.

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

O canhão ferroviário pesava 1.350 toneladas, medindo 47,3 metros de comprimento, 7,1 metros de largura e 11,6 metros de altura. Este colosso, com um cano de 32,48 metros, podia arremessar dois tipos de projétil: uma granada de alto explosivo de 4,8 toneladas que viajava a 820m/s e com um alcance de 48 quilômetros e uma granada anti concreto de 7 toneladas que podia atingir um alvo a 38 quilômetros de distância em menos de um minuto. A estrutura era elevada e posicionada no local de disparo através de um comboio especial constituído por 28 vagões que se estendia por 1,6 quilômetros e era movido por duas locomotivas a diesel.

Apesar do seu funcionamento essencialmente elétrico e hidráulico, dentre toda a operação da arma, à criação de trilhos para a mover e sustentar, passando pela equipe de cientistas e engenheiros da Krupp para avaliar cada disparo, até à sua proteção, era necessária uma equipe de mais de 4.000 homens, muitos deles “voluntários” da região em que se encontravam.

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Por algum tempo pareceu que nenhum uso seria dado a esta obra-prima da engenharia alemã, mas o início da guerra contra a União Soviética apresentou novas oportunidades adequadas às capacidades do Schwerer Gustav. Foi então usado, pela primeira e única vez, em junho de 1942 contra a cidade de Sebastopol, localizada na atual Ucrânia, durante a Operação Barbarossa. Num total de 48 projéteis lançados, um a cada 30-45 minutos, destruiu por completo o mais forte complexo fortificado do mundo, com um total de 30.000 toneladas de munições.

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Após esta batalha, o canhão começou a dar sinais de desgaste, especialmente no cano, e foi retirado para reparações. A partir daqui há uma série de histórias e de mitos acerca desta arma. Algumas fontes referem que o Schwerer Gustav foi destruído pelos alemães para evitar a sua captura e que os seus projetos se perderam. Também consta que, pouco tempo depois, um segundo modelo foi construído e, este sim, recebeu o nome de Dora. Teria sido este exemplar que foi descoberto pelos Aliados após o término da guerra.

No entanto, as referências mais fidedignas dão como certo que houve apenas uma única arma da qual estava prevista a construção de três exemplares. A polêmica e o segredo que envolveu o projeto fez com que fosse chamado Schwerer Gustav e Dora em ocasiões diferentes, embora se tratasse do único e mesmo canhão. Somente na década de 1950 foi revelada a sua história, a história da maior arma alguma vez construída, ainda que não a de maior calibre.

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial

Texto publicado inicialmente em 10 de julho de 2015

Fonte: 1 2

“Suba a montanha não para fixar a sua bandeira, mas para abraçar o desafio, desfrutar do ar e usufruir da paisagem. Escale-a para que possa ver o mundo, não para que o mundo possa te ver”. – David McCullough Jr.

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 1165 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Dora: O super canhão da Segunda Guerra Mundial – foi Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guerra

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Guerra

Fortaleza de Mimoyecques, a base secreta dos nazistas para destruir Londres

Magnus Mundi24 de junho de 2018

Stretcher fences, as macas usadas como cercas na Inglaterra

Magnus Mundi6 de fevereiro de 2018

Völkerschlachtdenkmal, o Monumento da Batalha das Nações

Magnus Mundi29 de janeiro de 2018

Checkpoint Charlie, o temido ponto de controle de Berlim

Magnus Mundi5 de janeiro de 2018

A arte de camuflar navios na guerra

Magnus Mundi26 de setembro de 2017

Castelo Itter, lugar onde americanos e alemães lutaram como aliados

Magnus Mundi21 de março de 2017

Adolf Hitler e a casa onde nasceu

Magnus Mundi24 de janeiro de 2017

Mauthausen e as infames escadas da morte

Magnus Mundi18 de janeiro de 2017

Hiroo Onoda, soldado japonês que levou a Segunda Guerra Mundial até 1974

Magnus Mundi25 de dezembro de 2016