Flora

Marimo, as bolas algas de estimação

Marimo, as bolas algas de estimação

A Cladophora aegagropila, Aegagropila linnaei ou marimo, também chamado cladophora ball, moss balls, bola do lago, ou bola musgo, é uma espécie de alga verde filamentosa (Chlorophyta, um filo pertencente as algas verdes, briófitas) que podem ser encontrados em lagos no hemisfério norte.

O marimo é uma forma rara de crescimento desta espécie, onde as algas crescem em grandes bolas verdes com uma aparência aveludada. Só se conhece colônias de tais bolas em lagos frios, de água doce da Islândia, Escócia, Japão e Estônia. O marimo foi descoberto na década de 1820 por Anton E. Sauter, no Lago Zell, na Áustria. A planta foi batizada de “marimo” por um botânico japonês chamado Tatsuhiko Kawakami em 1898.

Marimo, as bolas algas de estimação

As bolas marimo no lago Akan, no Japão

O nome da bola de marimo vem de “mari“, uma bola de jogo saltitante bem conhecida no Japão e “mo” é um termo genérico para as plantas que crescem em água. Os marimos são muitas vezes vendidos em lojas de produtos para aquários sob o nome de “bola de musgo japonesa“, embora não tenham relação com o referido marimo. Devido às implicações negativas do termo “algas”, essas bolas são geralmente chamadas de musgo, embora sejam formadas por cordas de algas enroladas para formar uma bola.

Marimo, as bolas algas de estimação

Diz a lenda que há muito tempo a filha de um chefe de uma tribo que vive perto do Lago Akan no Japão se apaixonou por um plebeu. Quando seus pais se opuseram ao relacionamento, o casal fugiu, mas tragicamente caiu no lago e afundou até o fundo. De acordo com o mito, foi aqui que eles se transformaram em bolas de marimo e por isso esta planta é agora conhecida como um sinal de amor, carinho e boa sorte. Eles são frequentemente chamados de “planta do amor”. Quando dados como um presente, elas supostamente ajudam a realizar os desejos do casal.

Na Islândia, as bolas verdes eram chamadas como kúluskítur (algo como “merda redonda”, “kula” é bola, “skítur” é merda, um termo chulo usado para todas as ervas daninhas que se agarram em suas redes de pesca) pelos pescadores que moram próximos ao lago Myvatn.

Marimo, as bolas algas de estimação

Sabe-se que o marimo tem três formas de crescimento. Primeiro, as que crescem em rochas, e geralmente encontradas nas partes mais úmidas das rochas, porque não suportam altas temperaturas. Em segundo, podem crescer livres, flutuando, como pequenos tufos de filamentos acopladas que frequentemente formam um tapete no fundo do lago lamacento. A terceira forma de crescimento é a bola do lago, onde as algas crescem em bolas de tamanho considerável de filamentos de algas agrupadas em grande densidade e que se irradiam do centro.

Marimo, as bolas algas de estimação

A existência de colônias de marimo no Lago Akan, Hokkaido no Japão e no Lago Myvatn na Islândia, depende da adaptação das espécies às condições de pouca luz, combinado com a interação dinâmica das correntes induzidas pelo vento, regime de luz, a morfologia do lago, substrato do fundo e também a sedimentação. A taxa de crescimento de um marimo é de cerca de cinco milímetros por ano!

No Lago Akan eles crescem em tamanhos grandes, de 20 a 30 centímetros. Em Myvatn, na Islândia, tem colônias densas de marimo que crescem cerca de 12 centímetros de diâmetro e formam manchas bem definidas no chão do lago em profundidades que variam de 2 a 2,5 metros. O Lago Myvatn era um dos lagos pesqueiros mais ricos da Islândia, mas todo o ecossistema do lago tem diminuído durante as últimas décadas e as bolas marimo praticamente desapareceram.

Marimo, as bolas algas de estimação

Tanques de marimo em “Marimo Research Island”, no Lago Akan

A forma redonda do marimo é mantido pela ação suave da ondulação, que ocasionalmente tende a girá-las. Surpreendentemente, a bola é toda verde, embora a luz só alcance uma distância muito curta na bola. A clorofila no interior da bola permanece adormecida no escuro, mas torna-se ativa quando exposta à luz se a bola se romper. Em seu habitat natural, eles sobem e descem quando as algas fotossintetizam rapidamente, fazendo com que o oxigênio as leve para a superfície. Quando a luz diminui, as bolas afundam de volta ao fundo.

Marimo, as bolas algas de estimação

No interior, a bola também é verde e cheia de cloroplastos dormentes, que se tornam ativos em questão de horas, desde que a bola se rompa. A ação das ondas também limpam as bolas dos detritos. Como algumas colônias têm dois ou até três camadas de bolas, é necessária a ação das ondas, para que se faça o revezamento e assim, cada bola possa captar a luz solar, essencial ao seu desenvolvimento.

A forma esférica tem uma baixa área de superfície por volume em comparação com uma folha, o que limita a fotossíntese e, por conseguinte, também limita o tamanho máximo das bolas marimo. Marimo não cresce em torno de um núcleo, como uma pedra. Em seu lugar, os filamentos de algas crescem em todas as direções a partir do centro da esfera, ramificando-se continuamente e, assim, estabelecendo a base para a forma esférica. Talvez por isso, quanto maior o marimo mais caro e raro ele se torna.

Marimo, as bolas algas de estimação

Vista por dentro

No Lago Myvatn na Islândia, as bolas do lago estão gradualmente desaparecendo. Cerca de dez anos atrás, as bolas de lago no Lago Myvatn tinham duas ou três camadas de espessura no fundo do lago. Hoje em dia, eles quase desaparecem e seu desaparecimento é atribuído à poluição causada pela operação de mineração na área iniciada na década de 1960. Portanto, a grande quantidade de fósforo e nitrogênio despejada no lago aumentou radicalmente as bactérias do lago que se alimentam desses nutrientes, aglomerando-se de forma tão compacta que bloqueiam a luz do sol que chega até o fundo do lago. Assim, com menos luz solar, as algas começam a morrer, revelando mais do sedimento solto do fundo do lago.

Marimo, as bolas algas de estimação

Além disso, o vento e as ondas que uma vez rolaram as bolas em sua forma agitaram os sedimentos soltos que cobriam as algas da esquerda, privando-os ainda mais da luz solar. O Marimo recebeu um status de espécie protegida na Islândia em 2006, mas já era tarde demais. No Japão, o marimo é bem protegido e reverenciado, e oficialmente um tesouro natural desde 1920. Isso inclui o Marimo Matsuri ou Festival Esférico de Algas feito pelo povo Ainu da região de Hokkaido. Este festival é anual, dura três dias e realizado desde 1950. Acontece todo mês de outubro, e termina no terceiro dia, com um ritual, onde um chefe idoso Ainu, num pequeno barco, devolve algumas bolas de marimo ao lago.

Marimo, as bolas algas de estimação

Já na cidade de Akan, o governo local reabriu o Centro de Exposições e Observação Marimo em 1996, após uma extensa renovação. O novo centro está equipado com várias instalações para promover a importância ambiental e científica do marimo, bem como pesquisas sobre a proteção e propagação da espécie. As bolas de marimo têm uma certa semelhança com a Terra, pelo fato de serem verdes, redondas e na sua necessidade de girar, afim de receber a luz de todos os lados, e isso acaba criando simpatia nas pessoas que visitam o centro e se conscientizam da importância em se preservar.

Marimo, as bolas algas de estimação

Lago Myvatn, Islândia

Pequenas bolas marimo são vendidas como lembranças e isso pode ter contribuído que elas se tornassem raras em alguns países. No Brasil se pode comprar até pelo Mercado Livre. O marimo da Islândia ganhou um estatuto de espécie protegida em 2006. Tanto as bolas de marimo do Lago Myvatn, quando as do Lago Akan estão protegidos, o primeiro como uma reserva natural, e o último como um parque nacional. Recentemente, houve uma ocorrência em grande número de bolas parecidas com as marimo nas praias de Dee Why Beach, em Sydney, sendo o primeiro relato no hemisfério sul.

Marimo, as bolas algas de estimação

Crédito da foto

O Marimo criado como “bicho de estimação” cresce com a água da torneira à temperatura ambiente, sendo necessário trocar a água a cada uma ou duas semanas (mais frequentemente no verão e menos frequentemente no inverno). O marimo pode ser colocado na geladeira durante o tempo muito quente (acima de 25 ° C), mas ele não sobrevive ao congelamento. A fotossíntese ocorre em iluminação doméstica normal, caso contrário, a luz solar indireta desde o marimo é adaptado apenas para condições de baixa luminosidade.

Marimo, as bolas algas de estimação

Curiosamente, o marimo pode ser imerso em água com gás para aumentar a taxa de fotossíntese. O dióxido de carbono elevado favorece o crescimento de algas, mas pode ser prejudicial para os peixes e outros animais aquáticos, caso queira tê-las em aquário. As bolas marimo podem ser cortadas pela metade ou em pedaços para se propagar. Após o corte, basta rolar os pedaços do marimo na mão para adquirir a forma de esfera. Bolas marimo são consideradas um amuleto de boa sorte para o amor e a prosperidade.

Marimo, as bolas algas de estimação

Bolas de algas que apareceram na praia de Dee Why Beach, Sydney, na Austrália

Marimo, as bolas algas de estimação

Lago Akan, Japão

Artigo publicado inicialmente em maio de 2015

Saiba mais: www.mossball.com

Fonte: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 906 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Maria Lúcia Pinto Santos Silva

    16 de janeiro de 2018 às 18:49

    Muito interessante e curioso. Sempre é algo a mais para o nosso conhecimento. Dizer que amei a história. Muito bem explicado para nossa compreensão. Parabéns! Um show!!!

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Flora

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Flora

Spirobranchus giganteus, o verme árvore de Natal

Magnus Mundi3 de dezembro de 2018

As cabras escaladoras do Marrocos

Magnus Mundi29 de novembro de 2018

A árvore leprosa de Malawi

Magnus Mundi21 de junho de 2018

Crooked Forest, misteriosa floresta da Polônia

Magnus Mundi26 de fevereiro de 2018

Hallerbos, a floresta azul da Bélgica

Magnus Mundi24 de dezembro de 2017

Flor-cadáver, a imensa flor rara e fedorenta

Magnus Mundi7 de dezembro de 2017

A Árvore de Ténéré, a árvore solitária

Magnus Mundi25 de novembro de 2017

Arboescultura, a arte de moldar a natureza

Magnus Mundi18 de setembro de 2017

As barragens de kauri da Nova Zelândia

Magnus Mundi16 de setembro de 2017

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up