Inusitados

Monte Kali, a montanha branca de sal

Monte Kali, a montanha branca de sal

Monte Kali ou Kalimanjaro é um marco incomum na pequena cidade de Heringer, a 170 quilômetros de Frankfurt na Alemanha. É um enorme monte de entulho contendo nada além do que cloreto de sódio ou sal de cozinha comum, que é um subproduto da mineração de potassa (carbonato de potássio, K2CO3), utilizado principalmente na fabricação de fertilizantes. Durante mais de cem anos, a mineração de potássio tem sido uma grande indústria na região. Tudo começou com a abertura da mina de Wintershall, que começou a minerar potássio em 1903, e hoje é a maior mina de potássio do mundo.

A mineração de potássio produz uma mistura de potassa e cloreto de sódio, com um teor de potássio entre 20% e 35%. Assim, para cada tonelada de potássio recuperado, várias toneladas de cloreto de sódio são produzidas, sendo despejado em vários locais ao redor da região, e podem conter até 96% de cloreto de sódio.

Monte Kali começou a crescer em 1973, quando a indústria química Kali+Salz (K+S) começou os despejos de cloreto de sódio e no decorrer dos anos, se transformou numa pequena colina. A pilha sobe mais de 220 metros acima do terreno circundante, e em janeiro de 2014, cobria uma área de 96 hectares. Ela contém mais de 195 milhões de toneladas de sal, e 900 toneladas que são adicionado a cada hora, sendo cerca de 6,9 milhões de toneladas que são adicionados ao monte por ano.

Como um elefante branco perto da fronteira do estado da Turíngia, o Monte Kali em Heringen é uma atração popular, trazendo mais de 10.000 pessoas por ano, para escalar a montanha artificial. Os moradores se referem ao monte como “Kalimanjaro” – um jogo de palavras entre Kali (abreviação para Kalisalz , alemão para “potássio”) e o famoso pico vulcânico do Monte Kilimanjaro, na África.

Mas Monte Kali e outros montes similares são extremamente prejudiciais ao meio ambiente. Uma enorme quantidade de sal penetra na terra poluindo o solo, rios e águas subterrâneas. O solo circundante tornou-se praticamente estéril e apenas algumas plantas halófitas resistentes ao sal conseguem crescer por lá. O rio Werra que fica próxima ao monte, também tornou-se tão salgado, que poucos organismos de água doce conseguem sobreviver nele. A água subterrânea também se tornou salgada. A empresa K+S está licenciada para manter o despejo de sal na região até 2030.

Artigo publicado originalmente em junho de 2016

Site do Museu

Fonte: 1 2 3

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Salvar

Salvar

Visualização: 2357 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Monte Kali, a montanha branca de sal – feeds que foram digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo/SC. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, um site sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como histórias inusitadas de pessoas, lendas, eventos e outros assuntos interessantes. Feito para as pessoas que gostam de saber mais sobre um determinado assunto que é tratado superficialmente por outros sites do gênero.

Veja mais em Inusitados

Uluru, a segunda maior pedra do mundo

Magnus Mundi7 de dezembro de 2018

Fuerteventura e a praia da pipoca das Ilhas Canárias

Magnus Mundi6 de dezembro de 2018

El Tatio, o maior gêiser do hemisfério sul

Magnus Mundi4 de dezembro de 2018

Castelo de Čachtice, o castelo da condessa sanguinária

Magnus Mundi1 de dezembro de 2018

Como uma ponte de Londres foi parar na América

Magnus Mundi12 de outubro de 2018

A floresta fantasma de Neskowin

Magnus Mundi10 de outubro de 2018

Shōwa-shinzan, a montanha que o Japão escondeu do mundo

Magnus Mundi6 de outubro de 2018

Os moradores das copas das árvores da floresta de Hambach

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Corippo, a aldeia que se transformará em hotel

Magnus Mundi3 de outubro de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up