Inusitados

Monte Kali, a montanha branca de sal

Monte Kali, a montanha branca de sal

Monte Kali ou Kalimanjaro é um marco incomum na pequena cidade de Heringer, a 170 quilômetros de Frankfurt na Alemanha. É um enorme monte de entulho contendo nada além do que cloreto de sódio ou sal de cozinha comum, que é um subproduto da mineração de potássio, utilizado principalmente na fabricação de fertilizantes. Durante mais de cem anos, a mineração de potássio tem sido uma grande indústria na região. Tudo começou com a abertura da mina de Wintershall, que começou a minerar potássio em 1903, e hoje é a maior mina de potássio do mundo.

A mineração de potássio produz uma mistura de cloreto de potássio e cloreto de sódio, com um teor de potássio entre 20% e 35%. Assim, para cada tonelada de potássio recuperado, várias toneladas de cloreto de sódio são produzidas, sendo despejado em vários locais ao redor da região, e podem conter até 96% de cloreto de sódio.

Monte Kali começou a crescer em 1973, quando a indústria química Kali+Salz (K+S) começou os despejos de cloreto de sódio e no decorrer dos anos, se transformou numa pequena colina. A pilha sobe mais de 220 metros acima do terreno circundante, e em janeiro de 2014, cobria uma área de 96 hectares. Ela contém mais de 195 milhões de toneladas de sal, e 900 toneladas que são adicionado a cada hora, sendo cerca de 6,9 milhões de toneladas que são adicionados ao monte por ano.

Como um elefante branco perto da fronteira do estado da Turíngia, o Monte Kali em Heringen é uma atração popular, trazendo mais de 10.000 pessoas por ano, para escalar a montanha artificial. Os moradores se referem a monte como “Kalimanjaro” – um jogo de palavras entre Kali (abreviação para Kalisalz , alemão para “potássio”) e o famoso pico vulcânico do Monte Kilimanjaro, na África.

Mas Monte Kali e outros montes similares são extremamente prejudiciais ao meio ambiente. Uma enorme quantidade de sal penetra na terra poluindo o solo, rios e águas subterrâneas. O solo circundante tornou-se praticamente estéril e apenas algumas plantas halófitas resistentes ao sal conseguem crescer por lá. O rio Werra que fica próxima ao monte, também tornou-se tão salgado, que poucos organismos de água doce conseguem sobreviver nele. A água subterrânea também se tornou salgada. A empresa K+S está licenciada para manter o despejo de sal na região até 2030.

Site do Museu

Fonte: 1 2 3

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Salvar

Salvar

Visualização: 2195 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Inusitados

Dogon, o povo das estrelas que vive nas escarpas Bandiagara

Magnus Mundi28 de julho de 2018

Skull Rock, a ilha da caveira da Austrália

Magnus Mundi1 de julho de 2018

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018

Uma cidade canadense chamada Amianto

Magnus Mundi10 de junho de 2018

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

Magnus Mundi9 de junho de 2018

A solitária capela dentro do vulcão de Santa Margarida

Magnus Mundi9 de junho de 2018

As pilhas de ossos do cemitério Colon em Havana

Magnus Mundi7 de junho de 2018

Baldwin Street, considerada a rua mais inclinada do mundo

Magnus Mundi1 de junho de 2018

Ko Panyi, aldeia flutuante da Tailândia

Magnus Mundi26 de maio de 2018