Abandonados

A floresta fantasma de Neskowin

A floresta fantasma de Neskowin

Na pequena cidade costeira de Neskowin em Tillamook County, Oregon, Estados Unidos, entre as cidades de Lincoln City e Pacific City, estão os restos de uma floresta petrificada de Sitka Spruce (Picea sitchensis), um abeto considerado o quinto maior entre as coníferas do mundo. Por quase 300 anos, os restos dos troncos desta “floresta fantasma” estavam escondidos debaixo da areia, até que reapareceram no inverno de 1997-98, quando uma grande tempestade atingiu a costa do Oregon.

A tempestade erodiu uma parte da praia revelando cerca de cem tocos de árvores incrustado de cracas. Antes da tempestade revelá-los, a floresta já era conhecida por alguns moradores de Tillamook County, que diziam que a floresta fantasma só havia surgido uma vez há décadas atrás, e apenas por pouco tempo, para depois serem enterradas na areia novamente, mas muitas pessoas achavam que isso era apenas uma lenda. Desde o inverno de 1998, os tocos das árvores da floresta fantasma de Neskowin tornou-se um elemento permanente na praia.

Essa floresta é estimada em ter cerca de 2.000 anos, e quando elas eram vivas, as árvores tinham de 30 a 60 metros de altura. A datação por carbono dos tocos das árvores revelou que a floresta havia morrido entre os anos de 1680 e 1720. Os investigadores acreditam que um forte terremoto no noroeste poderia ter matado as árvores, e subsequente um tsunami gerado pelo terremoto poderia ter coberto as árvores na areia. Pesquisando antigos manuscritos japoneses, os pesquisadores descobriram que um tsunami havia ocorrido naquela época, e tinha inundado várias aldeias japonesas. A data que constava no manuscrito era 26 de janeiro de 1700 e esse ano batia com os estudos feitos nos anéis das árvores, onde a floresta estavam vivas e saudáveis ​​no final de 1699, mas mortas em 1700.

Acreditasse que o terremoto que atingiu a costa do Oregon no ano de 1700, fez cair um pedaço do penhasco abruptamente 10 metros abaixo, afogando as árvores na lama e depois uma enorme parede de água tinha batido contra as árvores decepando-as perto de suas bases. Ao longo do tempo, lama e a areias trazidas pelas mares haviam encoberto os tocos das árvores e os manteve assim, longe dos efeitos da deterioração do ar e das bactérias, até o reaparecimento da floresta no inverno de 1998. A floresta fantasma fica perto de Proposal Rock. A melhor época para ver os tocos é a maré baixa, durante o inverno (janeiro, fevereiro e março, são os meses que acontece as marés mais baixas do ano).

Texto publicado originalmente em dezembro de 2015

Fonte: 1 2

“Tudo o que o homem não conhece não existe para ele. Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento”. – Carlos Bernardo González Pecotche

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 496 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Comentários Facebook

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: A floresta fantasma de Neskowin – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Abandonados

Castaway Depots, os depósitos de sobrevivência da Nova Zelândia

Magnus Mundi11 de outubro de 2018

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Magnus Mundi21 de setembro de 2018

Kola Superdeep, um dos buracos mais profundo do mundo

Magnus Mundi19 de setembro de 2018

Hallsands, a vila que desapareceu no mar

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Fortaleza de Mimoyecques, a base secreta dos nazistas para destruir Londres

Magnus Mundi24 de junho de 2018

A incrível história de Burro Schmidt e seu túnel

Magnus Mundi18 de junho de 2018

Ämari Air Force Cemetery, o cemitério de pilotos da Estônia

Magnus Mundi9 de junho de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018

O obscuro legado da Ilha de Gruinard

Magnus Mundi16 de dezembro de 2017
Scroll Up