Antigas

Paphos e seus antigos mosaicos gregos

Paphos e seus antigos mosaicos gregos

Os mosaicos da cidade litorânea de Paphos é um dos locais mais históricos da ilha de Chipre, e num passado distante, foi a capital da ilha durante o período greco-romano (do século 3 a.C ao século 3 d.C). Povoada desde o Neolítico, Paphos era um centro de culto a divindades relacionadas com a fertilidade, mesmo antes de ter se iniciado o culto a Afrodite, que nasceu numa praia a poucos quilômetros de Paphos, tendo seu templo erguido no século 7 a.C.

Naquele tempo, a cidade tinha algumas das melhores casas e vilas da costa do Mar Mediterrâneo, pertencentes a governadores romanos e nobres. Os pisos dessas residências eram decoradas com belos mosaicos que descreviam cenas da mitologia grega, com representações de deuses gregos, heróis e as atividades do dia a dia. Os mosaicos eram feitos com pequenos pedaços de mármores e pedras, chamadas tesselas e uma pasta de vidro era usada para dar viva a gama de cores que existiam naquela época. Muitas dessas casas e seus pisos em mosaicos foram descobertas somente nos últimos cinquenta anos, durante escavações arqueológicas. Mais de 40 mosaicos já foram encontrados, mas vários lugares ainda estão sendo explorados. De todas as casas, cinco são expressivas: casa de Dionísio, de Aion, de Teseu, de Orpheus, a casa das 4 estações.

A maior casa era de Dionísio e continha os mosaicos mais impressionantes, a maioria representando Dionísio o antigo deus grego do vinho. Ela foi construída no final do século 2 d.C, e presume-se ter sido destruída por terremotos que devastaram a ilha no século 4 d.C. Num dos mosaicos, estava Dionísio numa carruagem regressando da Índia, sendo puxado por duas panteras e a ninfa Akme, bebendo vinho, já outros mosaicos, tinham cenas mitológicas, de caça e do cotidiano da época e os mosaicos cobriam 556 metros quadros de piso, em quatorze ambientes. A de Orpheus, retrata ele cercado por bestas, ouvindo ele tocar lira. Outros mosaicos encontrados, incluem uma representação de Hércules, Amazon e o leão de Neméia.

A Casa de Teseu é a maior vila romana encontrada em Chipre, construída no final do século 2, e portanto, acredita-se ter sido a casa de um governador. A casa estava em uso, mesmo após o terremoto catastrófico, e o mosaico principal da casa mostra Teseu matando o Minotauro. Estes mosaicos, estão um pouco estragados e menos preservados, expostos ao ar livre.

A Casa de Aion é a menor e descoberta de 1983 e contém um grande mosaico que mostra cinco cenas. No canto superior esquerdo está Leda e Zeus disfarçado de cisne. No canto superior direito, uma imagem de ninfas com o bebê Dionísio. A imagem do meio mostra ninfas do mar em um concurso de beleza, sendo julgadas por Aion. Na linha do fundo, aparece Dionísio novamente em uma procissão triunfal, e uma imagem final mostra Apolo punindo um perdedor em um duelo musical.

Os vestígios arqueológicos de moradias, vilas, palácios, teatros, fortes e túmulos, fazem este um local de enorme valor histórico, incluída na lista da UNESCO de tesouros culturais e naturais do patrimônio do mundo. Para proteger os mosaicos das condições climáticas, foram construídas coberturas, que embora essenciais, desfiguram um pouco o local.

Os antigos mosaicos gregos de Paphos

Sítio arqueológico de Paphos | Crédito da foto

Os antigos mosaicos gregos de Paphos

Casa de Teseu | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

“Tudo o que o homem não conhece não existe para ele. Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento”. – Carlos Bernardo González Pecotche

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 632 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Antigas

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Antigas

Hallsands, a vila que desapareceu no mar

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

Heródio, a fortaleza do rei Herodes

Magnus Mundi11 de novembro de 2017

Os curtumes de couro de Fez no Marrocos

Magnus Mundi6 de novembro de 2017

Herculano, a cidade menos conhecida de uma tragédia

Magnus Mundi20 de setembro de 2017

Kandovan, uma troglodita vila iraniana

Magnus Mundi21 de agosto de 2017

Xian Ming Wall, às muralhas de Xian

Magnus Mundi8 de abril de 2017

Vilarinho das Furnas: Uma aldeia romana submersa

Magnus Mundi30 de março de 2017

Heksenwaag, a casa de pesagem das bruxas de Oudewater

Magnus Mundi5 de dezembro de 2016