Inóspitos

Semipalatinsk, a terra nuclear secreta da extinta URSS

Semipalatinsk, a terra nuclear secreta da extinta URSS

Semey é uma cidade da república do Cazaquistão, localizada na Província do Cazaquistão Oriental e até o ano de 2007, Semey era um território conhecido pelo nome de Semipalatinsk (Semipalatinsk-21) e com uma população atual de 400 mil habitantes, abrangendo aproximadamente 210 quilômetros quadrados de território, e a  cidade é cortada pelo rio Irtich, um dos afluentes do rio Ob.

No período da extinta URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), uma área de 18.000 quilômetros quadrados de Semipalatinsk foi utilizada para a realização de testes de caráter nuclear do Exército Vermelho. Com sua realização a 150 quilômetros a oeste da área, as experimentações ocorreram na estepe cazaque, localizada na região conhecida como polígono (The Polygon) nuclear da Semipalatinsk.

Entre os anos de 1949 a 1989, foram realizadas mais de 468 explosões no local, sendo que 125 ocorreram ao ar livre, com a dispersão de material radioativo no meio ambiente. Desta forma, Semey e áreas adjacentes apresentam níveis muito altos de radiação, considerados alarmantes pelos especialistas do setor. Pessoas do local apresentam malformações, leucemia, entre outros males. Os estudos efetuados mostram que, dos 18 milhões de habitantes do Cazaquistão, pelo menos 1,5 milhão foram submetidos a radiação.

A obsessão de acompanhar seu arqui inimigo Estados Unidos, em possuir armas nucleares durante a Guerra Fria era tão grande que o governo deixou de lado todas as preocupações quando a saúde da população local ou do meio ambiente. Há também a possibilidade de que eles deliberadamente fizeram os seres humanos daquela região, parte da experiência, a fim de estudar os efeitos da radiação. Semipalatinsk foi o único campo de testes no mundo onde as pessoas continuaram vivendo durante e depois dos mesmos.

Semipalatinsk, a terra nuclear secreta da extinta URSS

Primeiro teste nuclear da União Soviética em Semipalatinsk em 29 de agosto de 1949 |© Crédito da foto

Às vezes, os moradores de aldeias vizinhas eram avisados quando uma explosão era agendada e foram aconselhados a ficarem fora de suas casas durante a explosão, uma vez que poderia derrubar a casa. Casos de câncer, impotência, leucemia e defeitos de nascimento dispararam dentro de poucos anos. Os bebês nasceram com deformações ósseas e neurológicas graves e em alguns casos, sem membros. O diretor do Hospital de Oncologia em Semey estima que pelo menos 60.000 pessoas da região morreram de câncer induzidos pela radiação.

A União Soviética realizou seu primeiro teste nuclear na região em 29 de agosto de 1949, com uma bomba com potência de 22 quilotons e manteve todos os testes em segredo. Até mesmo a Agência de Defesa dos Estados Unidos, estava convencida que os soviéticos estavam pesquisando armas de feixes de partículas, em vez de armas nucleares.

Ruínas de edifícios, bunkers, túneis e outras infraestruturas ainda estão lá no “Semipalatinsk Test Site (STS)“. As mais visíveis são as linhas de torres de concreto que estavam distantes do marco zero, e alojavam vários equipamentos de medição. Algumas das torres ficaram rachadas, enquanto outras têm bolhas em sua estrutura, possivelmente desenvolvido quando o calor da explosão derreteu o concreto. O nível de radiação dentro do “Polígono” atualmente é baixa, mas ainda há bolsões de radiação residual elevado na área.

O mundo conheceu a verdade sobre o campo de testes nucleares de Semipalatinsk após o nascimento do movimento antinuclear internacional “Nevada-Semipalatinsk” em 1980, que teve como objetivo principal seu encerramento. Em 1989, um decreto do presidente cazaque, Nursultan Nazarbayev, fechou o campo de testes de Semipalatinsk. A assinatura de dito decreto marcou um precedente na história da humanidade: uma potência nuclear abandonava voluntariamente seu programa nuclear. Mas as consequências perdurarão durante pelo menos outro milhão de anos.

Semipalatinsk, a terra nuclear secreta da extinta URSS

O memorial às vítimas de Semipalatinsk | © Crédito da foto © Crédito da foto

A taxa de radioatividade de plutônio precisa de 24 mil anos para descer à metade, razão pela qual o nível de radiação da “terra nuclear” do campo de testes de Semipalatinsk demorará um milhão de anos para voltar à normalidade. Por iniciativa de Nazarbayev, em 2009 a Organização das Nações Unidas declarou 29 de agosto como o Dia Internacional contra os Testes Nucleares. Da mesma maneira, em 29 de agosto de 2012 Nazarbayev lançou o projeto ATOM, uma campanha que tem como objetivo aumentar a consciência mundial sobre as consequências das explosões e testes de armas nucleares. Em 2001, um memorial às vítimas dos teste nucleares de Semipalatinsk chamado de “Mais forte do que a morte” foi inaugurado na cidade de Semey.

Semipalatinsk, a terra nuclear secreta da extinta URSS

© Crédito da foto

Semipalatinsk, a terra nuclear secreta da extinta URSS

Semipalatinsk, a terra nuclear secreta da extinta URSS

Cidade de Semey

Fontes: 1 2 3

“Tudo o que o homem não conhece não existe para ele. Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento”. – Carlos Bernardo González Pecotche

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 607 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inóspitos

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Inóspitos

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Magnus Mundi21 de setembro de 2018

Dogon, o povo das estrelas que vive nas escarpas Bandiagara

Magnus Mundi28 de julho de 2018

Skull Rock, a ilha da caveira da Austrália

Magnus Mundi1 de julho de 2018

Pitcairn, a ilha perdida dos amotinados

Magnus Mundi25 de junho de 2018

A incrível história de Burro Schmidt e seu túnel

Magnus Mundi18 de junho de 2018

Gocta, a catarata escondida do Peru

Magnus Mundi15 de junho de 2018

O misterioso Vidro do Deserto da Líbia

Magnus Mundi10 de junho de 2018

Eredo de Sungbo, o maior monumento da África que nunca se ouviu falar

Magnus Mundi5 de junho de 2018

Sentinelas da Bretanha

Magnus Mundi31 de março de 2018