Durante os dias de glória da Guerra Fria, a extinta União Soviética começou a explodir armas nucleares em todo o nordeste do Cazaquistão para investigar a possibilidade de usar a energia nuclear para fins pacíficos na construção civil, como mover terra, criar canais e reservatórios, perfurar para obter petróleo e assim por diante. Os testes foram realizados sob o lema “Explosões Nucleares para a Economia Nacional”. Esta era a versão soviética da “Operação Plowshare” – um programa semelhante desenvolvido pelos EUA.

Tendo pegado emprestada a terrível ideia dos Estados Unidos, o programa soviético entrou em vigor e acabou sendo muitas vezes maior do que o programa Plowshare dos Estados Unidos, tanto em termos do número de aplicações exploradas com experimentos de campo quanto em até que ponto foram introduzidos na indústria. Enquanto os Estados Unidos realizaram 27 testes antes de perceber que era uma má ideia e encerraram o programa em 1977, os soviéticos continuaram até 1989, durante os quais 156 testes nucleares foram realizados.

Lago Chagan, o lago radioativo criado por explosões nucleares

Imagem de satélite do Lago Chagan (a cratera circular) e o reservatório (abaixo).

Um dos testes mais conhecidos é o teste de janeiro de 1965 em Chagan, nos limites do local de testes de Semipalatinsk, no Cazaquistão. O teste de Chagan foi projetado para testar a adequação de explosões nucleares para a criação de reservatórios. Foi a primeira e maior de todas as detonações realizadas no programa Explosões Nucleares para a Economia Nacional.

Um dispositivo de 100 quilotons (equivalente a 140 quilotons de TNT) foi colocado em um buraco de 178 metros de profundidade no leito seco do rio Chagan para que a borda da cratera represasse o rio durante os períodos de alto fluxo. A explosão criou uma cratera de 400 metros de largura e 100 metros de profundidade com uma altura de borda de 20 a 38 metros. Mais tarde, um canal foi cortado na cratera permitindo que ela, e o reservatório atrás dela, se enchessem de água.

O reservatório, conhecido informalmente como Lago Chagan ou Balapan, ainda existe hoje substancialmente da mesma forma. A água continua a ser radioativa – cerca de 100 vezes mais do que o nível permitido de radionuclídeos na água potável, embora os níveis de dosagem de 100-150 metros estivessem no nível de fundo. Na época de sua criação, o governo soviético tinha orgulho do Lago Chagan. Eles fizeram um filme com o Ministro do Ministério da Construção de Máquinas Médias, o responsável por todo o programa de armas nucleares soviéticas, nadando no lago da cratera e a água dele era usada para alimentar o gado da região.

Lago Chagan, o lago radioativo criado por explosões nucleares

Crédito da foto

Foi estimado que cerca de 20% dos produtos radioativos do teste de Chagan escaparam da zona de explosão e foram detectados no Japão. Isso enfureceu os EUA por violarem as disposições do Tratado de Proibição Limitada de Testes de Outubro de 1963, que bania os testes atmosféricos. Os soviéticos responderam que se tratava de um teste subterrâneo e que a quantidade de detritos radioativos que escaparam para a atmosfera era insignificante. Após várias interações subsequentes, o assunto foi finalmente abandonado.

Vídeo do teste nuclear que criou o Lago Chagan.

Fontes: 1 2

Leia também:

Cratera nuclear de Sedan, a cratera criada pelo homem

Semipalatinski, a terra nuclear secreta da extinta URSS

O legado nuclear dos Estados Unidos

Visualização desde 2014: 61 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Faça um comentário

Seu email não será publicado