Inusitados

O milagre de Moisés na ilha de Jindo

O milagre de Moisés na ilha de Jindo

A história bíblica de Moisés é famosa entre os cristãos e judeus em todo o mundo. O milagre da separação do Mar Vermelho, quando Moisés e os judeus estavam presos entre o Mar Vermelho e os exércitos do Egito é talvez a parte mais memorável e impressionante da história. Os sul-coreanos têm uma história semelhante e todos os anos uma passagem se abre no mar e milhares de pessoas assistem o fenômeno e fazem a travessia pelo caminho aberto no meio do mar, num evento chamado “Jindo’s Sea Way” ou “Jindo Sea Parting Festival“. Como o evento se assemelha a passagem no Antigo Testamento no Livro de Êxodo, o festival também é conhecido como “O Milagre de Moisés“.

O milagre de Moisés na ilha de Jindo

Pessoas aguardando a abertura da passagem no mar | Crédito da foto

O condado de Jindo, na província de Jeolla é um arquipélago de 250 ilhas, das quais a ilha Jindo é a terceira maior da Coreia, atrás das ilhas Jejudo e Geojedo. Todos os anos no final de fevereiro e novamente em meados de junho, a maré extremamente baixa, faz aparecer uma passagem natural de 2,9 quilômetros de comprimento por 10 a 30 metros de largura entre a ilha principal de Jindo e uma pequena ilha ao sul, chamada Modo. A passagem fica aberta por cerca de uma hora antes de sumir sob as águas novamente.

De acordo com uma lenda local, conhecida como “Pyong, a mulher velha de Hoedongri” diz que: Há muito tempo atrás, havia muitos tigres na ilha Jindo, e eles começaram a aparecer frequentemente na aldeia e atacando os aldeões. Assim, os aldeões decidiram por unanimidade fugir para a vizinha ilha de Modo numa jangada. No entanto, uma mulher idosa chamada avó Ppong foi acidentalmente deixada para trás. Ela orava todos os dias para Yongwang, o deus do oceano, pedindo para reencontrar sua família novamente. Em meados de fevereiro, Yongwang apareceu em seu sonho e lhe disse: “Enviarei um arco-íris ao mar amanhã; vá e atravesse o oceano!” No dia seguinte, a velha mulher foi a praia e orou novamente, e as águas do mar se abriram, e o caminho em forma de arco-íris apareceu. Através deste caminho, sua família e os outros aldeões puderam voltar para Jindo.

Todos os anos, o povo da ilha de Jindo realiza o Festival Yongdung em homenagem ao deus do mar, Yongwang. A lenda é tão reverenciada na ilha de Jindo que Pyong, a velha mulher ganhou um estátua. O caminho aberto no mar duas vezes ao ano ganhou popularidade internacional a partir de 1975, quando o embaixador francês na Coreia do Sul, Pierre Landy descreveu o fenômeno em um jornal da França e apelidando o evento de “O Milagre de Moisés“. Atualmente, cerca de meio milhão de turistas estrangeiros e locais participam no evento anualmente.

O milagre de Moisés na ilha de Jindo

Estátua em homenagem a avó Ppong | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

“Aprenda com o ontem, viva para o hoje, acredite no amanhã. O importante é não parar de questionar!”. – Albert Einstein

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 197 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inusitados

Me chamo Julio Cesar e sou o idealizador do site Magnus Mundi, um espaço para compartilhar informações sobre lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora.

Veja mais em Inusitados

Kuro tamago, os ovos negros de Õwakudani

Magnus Mundi25 de agosto de 2017

Kandovan, uma troglodita vila iraniana

Magnus Mundi21 de agosto de 2017

Ilhas Madalena, a ilha dos sobreviventes de naufrágios

Magnus Mundi18 de agosto de 2017

Júzcar, a cidade espanhola dos Smurfs

Magnus Mundi13 de agosto de 2017

Mail Rail, o correio subterrâneo de Londres

Magnus Mundi11 de agosto de 2017

La Piedra Del Peñol, um imenso monolito colombiano

Magnus Mundi24 de julho de 2017

A Torre de Londres e seus corvos

Magnus Mundi19 de junho de 2017

O cristalino Rio Verzasca entre a Suíça e a Itália

Magnus Mundi15 de junho de 2017

Linesville, onde os patos caminham sobre peixes

Magnus Mundi26 de maio de 2017