Estranhos

A árvore leprosa de Malawi

A árvore leprosa de Malawi

A hanseníase, comumente conhecida como lepra, é uma doença infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que lesiona os nervos periféricos e diminui a sensibilidade da pele. Geralmente, o distúrbio ocasiona manchas esbranquiçadas em áreas como mãos, pés e olhos, mas também podem afetar o rosto, as orelhas, nádegas, braços, pernas e costas.

A doença tem cura, mas até setenta anos atrás, as pessoas morriam por causa desta doença terrível. Após o século 17, a lepra tornou-se um problema significativo não só nos países mais podres da África e da Ásia, mas também na Europa Ocidental. Devido a falta de conhecimento sobre a doença, a indisponibilidade de uma cura e a desfiguração que trazia aos pacientes, os leprosos eram frequentemente condenados ao ostracismo na sociedade. Pessoas que sofriam de lepra eram excluídas à força de suas comunidades, colocadas em quarentena, ou mesmo matando-as.

A República de Malawi, no sudeste da África, as pessoas que morreram decorrentes da lepra não recebiam um enterro apropriado. Até a década de 1950, uma tribo que vivia em Liwonde sofreu surto de lepra e nove pessoas contraíram a doença. Para evitar que a lepra se espalhasse, os indivíduos infectados pela doença eram penduradas em uma árvore num cemitério ou amarradas e colocadas dentro de um imenso tronco de baobá, na base do monte Chinguni, e deixados lá para morrer.

Eles não eram enterradas no solo, por medo que suas impurezas contaminassem a Terra. A “Árvore leprosa“, como ficou conhecida, permanece de pé até hoje, embora ela tenha dobrado para um lado, e há lesões e feridas em sua casca. Em seu tronco existe uma placa pintada à mão onde se lê: “A sepultura para as pessoas que sofriam de lepra no passado“. Você ainda pode colocar sua cabeça no oco e ver crânios e esqueletos que encontram-se na parte inferior.

Fontes: 1 2 3

“Tudo o que o homem não conhece não existe para ele. Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento”. – Carlos Bernardo González Pecotche

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 183 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado

Comentários Facebook

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Estranhos

Crazy House, a casa de contos de fadas

Magnus Mundi31 de outubro de 2018

Grotta del Cane, a caverna que matava cães

Magnus Mundi23 de maio de 2018

Patomskiy Cater, o ninho da águia de fogo

Magnus Mundi10 de março de 2018

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2018

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Magnus Mundi7 de fevereiro de 2018

Mercado de las Brujas, o mercado das bruxas de La Paz

Magnus Mundi20 de janeiro de 2018

Pedra de Ingá, o enigma da Paraíba

Magnus Mundi11 de janeiro de 2018

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Magnus Mundi10 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017
Scroll Up