Estranhos

A árvore leprosa de Malawi

A árvore leprosa de Malawi

A hanseníase, comumente conhecida como lepra, é uma doença infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que lesiona os nervos periféricos e diminui a sensibilidade da pele. Geralmente, o distúrbio ocasiona manchas esbranquiçadas em áreas como mãos, pés e olhos, mas também podem afetar o rosto, as orelhas, nádegas, braços, pernas e costas.

A doença tem cura, mas até setenta anos atrás, as pessoas morriam por causa desta doença terrível. Após o século 17, a lepra tornou-se um problema significativo não só nos países mais podres da África e da Ásia, mas também na Europa Ocidental. Devido a falta de conhecimento sobre a doença, a indisponibilidade de uma cura e a desfiguração que trazia aos pacientes, os leprosos eram frequentemente condenados ao ostracismo na sociedade. Pessoas que sofriam de lepra eram excluídas à força de suas comunidades, colocadas em quarentena, ou mesmo matando-as.

A República de Malawi, no sudeste da África, as pessoas que morreram decorrentes da lepra não recebiam um enterro apropriado. Até a década de 1950, uma tribo que vivia em Liwonde sofreu surto de lepra e nove pessoas contraíram a doença. Para evitar que a lepra se espalhasse, os indivíduos infectados pela doença eram penduradas em uma árvore num cemitério ou amarradas e colocadas dentro de um imenso tronco de baobá, na base do monte Chinguni, e deixados lá para morrer.

Eles não eram enterradas no solo, por medo que suas impurezas contaminassem a Terra. A “Árvore leprosa“, como ficou conhecida, permanece de pé até hoje, embora ela tenha dobrado para um lado, e há lesões e feridas em sua casca. Em seu tronco existe uma placa pintada à mão onde se lê: “A sepultura para as pessoas que sofriam de lepra no passado“. Você ainda pode colocar sua cabeça no oco e ver crânios e esqueletos que encontram-se na parte inferior.

Fontes: 1 2 3

“Tudo o que o homem não conhece não existe para ele. Por isso, o mundo tem para cada um o tamanho que abrange o seu conhecimento”. – Carlos Bernardo González Pecotche

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 139 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Estranhos

Grotta del Cane, a caverna que matava cães

Magnus Mundi23 de maio de 2018

Patomskiy Cater, o ninho da águia de fogo

Magnus Mundi10 de março de 2018

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2018

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Magnus Mundi7 de fevereiro de 2018

Mercado de las Brujas, o mercado das bruxas de La Paz

Magnus Mundi20 de janeiro de 2018

Pedra de Ingá, o enigma da Paraíba

Magnus Mundi11 de janeiro de 2018

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Magnus Mundi10 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017

Lanternes des morts, as lanternas dos mortos da Europa

Magnus Mundi26 de setembro de 2017