Histórias

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi
Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Busto reconstruído de Calígula | Crédito da foto

Há mais de dois mil anos atrás, o imperador Calígula (Gaius Julius Caesar Augustus Germanicus, apelidado Calígula – “botinhas“), também conhecido como o “imperador louco” ordenou a construção de duas grandes barcaças flutuantes para ficarem estacionadas no pequeno lago Nemi, com o objetivo de serem usados como locais de rituais e prazeres mundanos.

O lago Nemi é um lago raso nas colinas de Albânia, próximo a cidade de mesmo nome, localizado na região metropolitana de Lácio, a cerca de trinta quilômetros a sudeste de Roma. O lago desde os tempos romanos é um refúgio de férias para os italianos. O imperador Calígula, como seu antecessor, Tibério, gostava de passar o verão navegando no lago Nemi.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Pessoas admirando o trabalho de recuperação de um dos navios | Crédito da foto

O nome Nemi, vem da palavra latina ‘nemus’, que significa “árvore sagrada”. Nos tempos antigos, não havia povoados nesta área, mas o bosque nas adjacências do lago era o local dos cultos romanos a divindade italiana Diana Nemorense, a deusa Diana, que no século IV a.C. começou a ser identificada como a deusa da caça, da lua e da fertilidade.

Ela é o equivalente romano da deusa grega Ártemis. Acreditasse que o santuário de Diana se localizava na margem norte do lago, e o próprio lago também era chamado de “espelho da deusa Diana”. Naquele tempo, as mulheres que queriam engravidar, faziam peregrinações aquela área, com a esperança que a deusa Diana lhe concebesse tal desejo.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Pessoas visitando um dos cascos ainda em seu leito original

A história conta que o insano imperador Calígula, teria dito que seu amado cavalo Incitat era cidadão e senador de Roma e depois o colocou na lista de candidato a cônsul, costumava passar longos períodos no lago, não muito longe de onde havia uma estátua dele, que revelava suas inclinações sexuais. Calígula encomendou os dois grandes navios, com mais de setenta metros de comprimento, que pretendia usar durante os verões ensolarados.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Lago Nemi | Crédito da foto

Um dos navios seria um templo flutuante dedicado à deusa Diana, com colunas de mármore, piso de mosaico e azulejos de bronze dourados. A outra embarcação era uma espécie de palácio flutuante projetado especialmente para o imperador, que incluía salas de banhos com água quente e aquecimento interno.

Tal navio também era decorados com pisos de mosaicos, com detalhes em pedras preciosas, estátuas, colunas de mármores, telhas de cobre dourado e jardins com árvores frutíferas. Inscrições encontradas em tubos de chumbo mostram que haviam sido fabricados para o imperador Calígula. Ambos os navios eram quase do mesmo tamanho, um ligeiramente maior que o outro. O maior foi denominado Prima Nave (primeiro navio) e o menor era chamado Seconda Nave (segundo navio).

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Foto tirada em 20 de outubro de 1928, com o chefe do governo da Itália, Benito Mussolini (4º no parapeito à direita) assistindo o trabalho de bombeamento das águas do lago Nemi | Crédito da foto

Um estaleiro foi construído nas proximidades e os melhores engenheiros da época participaram da elaboração e construção das embarcações. Os requisitos para os navios eram extremamente complexos: baixo calado e, ao mesmo tempo, deveriam ser amplos o suficiente para manter o equilíbrio sob uma superestrutura pesada.

A tecnologia de construção foi a mais avançada. Uma característica especial era uma série de cabeças de animais feitas de bronze com grandes argolas – pequenas embarcações eram amarradas nas argolas, nas quais o imperador chegava com amigos.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Uns dos navios ainda em seu leito original. Foto de 1932 | Crédito da foto

Os navios foram feitos para serem ancorados no local e, portanto, não tinham meios de propulsão, como velas, embora tivessem grandes estações de remos longos que eram usados para guiar os barcos. O casco foi protegido por uma camada de óleo de linhaça e depois revestido com uma composição de lã impregnada de breu, betume e resina.

O conjunto foi reforçado com pregos de cobre selados com chumbo, o qual deu uma boa proteção contra ataque de organismos, tais como moluscos bivalves (brocas). Esses ataques na madeira dificilmente se dariam em água doce do lago, portanto, tal ação levanta a hipóteses que esses navios desempenharam o papel de protótipos, para testar técnicas de uso militar aplicáveis a embarcações de alto mar.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Estrutura de madeira encontrada ao longo das margens do lago | Crédito da foto

Os navios foram equipados com muitos detalhes de uma técnica elaborada, como âncoras com hastes móveis, bombas e válvulas para bombeamento de água, e até mesmo um sistema de rolamentos de esferas feitos de bronze atravessados por pequenos eixos do mesmo metal, talvez da base giratória de uma estátua ou outra maquinaria.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Os restos do casco de um dos navios. Os trabalhadores em primeiro plano dão uma indicação do tamanho das embarcações | Crédito da foto

Apesar do imenso custo em que foram construídos, esses palácios opulentos ficaram à tona apenas por um breve período, provavelmente um ano ou dois, antes do fim do reinado de quatros anos de Calígula (37-41 d.C.). Ele foi assassinado em seu palácio no Monte Palatino, em Roma, pelos seus próprios guardas. Uma aliança entre a Guarda Pretoriana, senadores e cortesãs em 41 d.C, conspiraram para a sua morte.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Foto de 1932 nos trabalhos de recuperação | Crédito da foto

Logo após, os navios foram afundados intencionalmente, em águas rasas, a uma curta distância da área da costa onde foram construídos. Os navios imperiais foram inundados como parte do damnatio memoriae (lat. “Maldição da memória” – uma forma especial de punição póstuma na Roma antiga para criminosos do estado).

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Foto de 1932 nos trabalhos de recuperação | Crédito da foto

Os navios de Calígula se foram, mas não foram esquecidos. Durante o período medieval, os pescadores locais usaram ganchos para puxar pedaços dos navios e pequenos artefatos que vendiam aos turistas. A primeira tentativa de recuperar os navios foi encomendada pelo Papa Prospero Colonna, em 1444.

Uma plataforma flutuante foi construída e mergulhadores especializados trazidos de Gênova foram enviados até os destroços no fundo do lago. Mas os navios eram grandes demais para serem trazidos à superfície. Tudo o que conseguiram foi arrancar algumas tábuas e alguns tubos de chumbo.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Trabalhados exibem uma peça de madeira de um dos barcos. Se consegue perceber a grandiosidade das embarcações

A segunda tentativa ocorreu em 1535, pelo senador Francesco de Marchi. Ele pessoalmente mergulhou no lago usando um sino de mergulho e recuperou muitos itens de mármore, bronze, cobre e chumbo. Muitos pedaços de madeira que trouxe a tona, foram esculpidos e viraram bengalas e caixas decorativas. Mas Francesco também acabou se tornando uma das primeiras pessoas a experimentar a doença descompressiva.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Um dos barcos já recuperados dentro no museu

Em 1827, foi feita outra tentativa, com Annesio Fusoni como protagonista. Ele e sua equipe conseguiram extrair muitas peças, como mosaicos, pedaços de colunas e tubos de terracota. Quando tentaram extrair pedaços maiores por meio de um guincho e cordas, o equipamento quebrou.

Por causa do mau tempo, os trabalhos não foram concluídos e, infelizmente, essa aventura causou mais danos do que a passagem do tempo em si e se tivesse sido continuado, o navio inteiro teria sido cortado peça por peça. Além disso, os objetos recuperados desapareceram sem deixar rastro.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Um dos barcos dentro do museu

Em 1885-1889, o embaixador britânico na Itália, Lord Sayvayl, organizou uma expedição ao lago Nemi e livrou os navios afundados dos mais valiosos materiais. Com ganchos, quase todos os ornamentos de bronze, mosaicos, jóias de ouro e mármore foram extraídos dos dois navios. Posteriormente, todos esses itens se tornaram propriedade de museus e coleções particulares britânicos.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Museu ainda em fase final de conclusão

Em 1895, Eliseo Borghi iniciou uma investigação sistemática da área. Desta vez, os resultados foram melhores: um dos navios foi localizado, a cabeça de um dos lemes e várias esculturas de animais em bronze foram recuperadas.  Nessa pesquisa, se descobriu dados importantes dos navios, tais como:

O Prima nave estava a cinquenta metros da costa ao lado do porto, a uma profundidade de cinco a doze metros. O comprimento de seu casco era de 71,3 metros com uma largura de 20 metros, com 1,9 metros de calado. A madeira do casco cobertas de lama estavam bem preservadas, mas onde havia sido exposto em trabalhos de recuperações anteriores, estavam muito danificadas.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Benito Mussolini participando da inauguração do museu que abrigava os navios

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Ilustração de como seriam os navios | Crédito da foto

O segundo navio estava numa distância de 200 metros do primeiro navio, entre 15 a 20 metros de profundidade. Seu comprimento era de 65 metros por 23,6 metros de largura. Mas seriam necessários mais uns trinta anos e a audácia de um ditador fascista para tentar recuperar os navios. Em 1928, Benito Mussolini ordenou que todo o lago Nemi fosse drenado para que os navios pudessem ser recuperados.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Uma representação imaginativa de um dos barcos dos prazeres de Calícula | Crédito da foto

Os engenheiros levaram dois anos para reativaram um antigo canal romano de água subterrânea, com mais de 1.600 metros que ligava Nemi ao lago Albano, no outro lado da montanha e de lá, até o mar, a 23 quilômetros de distância e começaram a bombear a água. Tal canal foi considerado uma proeza de engenharia romana.

Em março de 1929, quando a água atingiu o nível de -5,52 metros em relação ao nível original, as primeiras partes do Prima Nave surgiram das águas. Em junho de 1931, o segundo navio emergiu completamente das águas. O casco do segundo navio estava extremamente conservado, devido aos sedimentos. 40 milhões de metros cúbicos de água haviam sidos removidos do lago.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Entrada do museu | Crédito da foto

Um mês depois, uma movimentação de terra no antigo leito, causou um aumento de meio metro no nível do lago. Os trabalhos foram suspensos por quase um ano. A segunda tentativa de drenar o lago foi bem sucedida e os dois navios foram libertados da lama e cuidadosamente transportados para terra firme por meio de trilhos, onde foi utilizado um alcatrão vegetal diluído em solventes para proteger a madeira de se decompor em contato com o ar. Um museu foi construído para abriga-los e inaugurado em 1936.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Como é o museu atualmente | Crédito da foto

Na noite de 31 de maio de 1944, menos de quatro anos após a Itália entrar na Segunda Guerra Mundial, o museu e os dois navios foram incendiados. Não se sabe se os incêndios foram iniciados por causa dos bombardeios dos Estados Unidos ou incêndio criminoso pelas tropas alemãs em retirada ante os avanços dos aliados em direção a Roma. Ambas as partes culpam a outra. Os navios foram quase totalmente destruídos. Apenas alguns bronzes e materiais que foram transferidos para museus em Roma que não foram afetados pela guerra.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Reconstrução do sistema de leme | Crédito da foto

Hoje, apenas réplicas em escala dos navios, e artefatos sobreviventes existem no Museu Nacional dos Navios Romanos, mas margens do lago Nemi. Na ala direita do museu, é dedicado aos locais de culto das montanhas de Albânia (antigos assentamentos romanos) Ardea e Satricum, com atenção especial ao santuário-templo de Diana Nemorense, como evidenciado pelos materiais de escavação feitos nos anos 20, bem como no período recente, de 1989 a 2013.

O museu também conta com uma colossal estátua de mármore de Calígula no trono, restaurada pela guarda financeira da polícia em 2011, descoberta na cidade de Cavalleria, na zona de Nemi Velletri.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Parte do sistema de âncora | Crédito da foto

Só para se ter uma ideia das dimensões excepcionais desses navios, não se tem mais nada maior no passado, que navegasse para comparar. No tempo das descobertas, os maiores navios tinham cerca de sessenta metros de comprimento. O Santíssima Trindade (Nuestra Señora de la Santísima Trinidad) que levava 960 homens e 120 canhões, construído em 1767 e afundado em 1805 na Batalha de Trafalgar tinha apenas 61,3 metros.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Remo original | Crédito da foto

Uma descoberta interessante nesses navios era uma âncora com os braços em movimento. Esse projeto foi introduzido na Marinha Real por Horatio Nelson no século 18, e chamada “âncora romana”. Também todos os metais e ligas utilizadas nos navios foram perfeitamente adaptados aos atuais padrões de qualidade DIN alemães.

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Âncora de haste móvel de um dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Colunas de mármores recuperadas dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

A mão de Calígula em bronze usada como luminária | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

A peça de bronze encontrada no segundo navio | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Pessoas embaixo do segundo navio. Na imagem se percebe luminária com a mão de Calígula | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Detalhe da mão de Calígula, ainda em seu lugar original | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Peças recuperadas dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Cabeça de Medusa, também recuperada de um dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Balaustrada de Hermes Dionisíaco | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Estátua em bronze de Drusilla, irmã de Calígula | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Estátua em mármore de Minerva | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Um fragmento de opus sectile do chão do primeiro navio | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Maquete de um dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Reprodução de como seria um dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Pedaço original do telhado dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Detalhe das peças de bronze dos telhados | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Mecanismo original com esferas servido como rolamentos | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Descrição do mecanismo de esferas | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Arco reconstruído com a peça original de um dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Os diferentes tipos de pregos utilizados na construção dos navios | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Pintura de Joseph Wright de 1790 do lago Nemi | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Mapa da localização do lago Nemi

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Detalhe da calçada romana utilizada no tempo de Calígula | Crédito da fotoo

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Uma parte de uma antiga rua romana preservada no museu | Crédito da foto

Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi

Detalhes das pedras usadas em calçadas e ruas romanas, exposto no museu | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3 4

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 76 vezes

Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Os navios dos prazeres de Calígula no lago Nemi – Digitado

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Histórias

Curioso desde sempre, queria um lugar para guardar às curiosidades de lugares e histórias inusitadas que lia em livros ou pela internet e assim nasceu o site Magnus Mundi em 2015. Me chamo Julio Cesar, sou natural de Blumenau e morador de Porto Belo, litoral de Santa Catarina.

Veja mais em Histórias

The Parcel Post Bank, o prédio que foi enviado pelo correio

Magnus Mundi3 de novembro de 2019

Acidente radiológico de Goiânia

Magnus Mundi3 de novembro de 2019

Verão da Lata, um verão que ninguém vai esquecer

Magnus Mundi26 de agosto de 2019

O mundo simples e solitário dos Amish

Magnus Mundi20 de agosto de 2019

Highgate, o cemitério maldito

Magnus Mundi25 de julho de 2019
James Whitaker Wright

A história de um vigarista e seu salão de baile submerso!

Magnus Mundi28 de junho de 2019

Eremitas ornamentais: Pessoas como decoração de jardins

Magnus Mundi27 de junho de 2019

Mocha Dick, a baleia que inspirou Moby Dick

Magnus Mundi17 de junho de 2019

Triora, a terra das bruxas na Itália

Magnus Mundi25 de maio de 2019

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up