Estranhos

Rollstone Boulder, uma pedra no caminho

Rollstone Boulder, uma pedra no caminho

Rollstone Boulder é um errático glacial de 14 metros de diâmetro e com 110 toneladas que se localiza num cruzamento no centro de Fitchburg, estado de Massachusetts, nos Estados Unidos. A pedra originalmente ficava no topo da Rollstone Hill, uma montanha de granito e que mais tarde, foi explodida e remontada no centro de Fitchburg em 1929, peça por peça.

Errático glacial ou bloco errático que em geologia se define, como uma pedra de grande tamanho, transportada em geral para lugares distantes, por glaciares e em geral difere do tipo de rocha nativa da zona em que se situa. Os blocos erráticos devem o seu nome à palavra latina “errare” (andar, viajar), e foram transportados pelo gelo dos glaciares, por vezes em distâncias de centenas de quilômetros, ficando depositados quando o gelo derreteu. Os blocos erráticos podem também ser entendidos como grandes blocos, mais ou menos isolados, depositados por glaciares, e que se destacam na paisagem, testemunhando a existência de fenômenos glaciares na região onde se encontram. O maior bloco errático conhecido é a Big Rock no sul de Alberta, Canadá, com 15000 toneladas, 41 m de comprimento, 18 m de largura e 9 m de altura. A pedra no centro de Fitchburg foi depositada na colina Rollstone Hill, durante a última idade do gelo aproximadamente 10.000 anos atrás por geleiras que cobriam a América do Norte. Acredita-se que a pedra veio de New Hampshire, há centenas de quilômetros de distância, devido à semelhança na composição de Rollstone Boulder e as pedras daquela área.

A história por trás de Rollstone Boulder vem de muito tempo atrás, onde índios e colonos brancos usavam a pedra em cima de Rollstone Hill como um marco durante as suas viagens, no início de 1800, ou bem antes disso. Mais tarde, a pedra tornou se um lugar de visitação por parte de caminhantes e famílias procurando um bom local para piqueniques e também professores e estudantes de geologia que subiam a montanha para estudá-la. No final do século 19, havia grandes fendas na pedra e para preserva-la, foi introduzido cimento nas fendas e mais tarde, colocado uma cinta de ferro, para evitar que a pedra se desintegrasse.

A exploração da pedreira por empresas na colina começou a ameaçar a pedra que tinha se tornado um marco nacional e virado preocupação aos cidadãos de Fitchburg que queriam preservar a mesma. Em 1896, numa reunião do Fitchburg Historical Society, foi formado uma comissão para conversar com os proprietários das pedreiras e encontrar uma maneira de preservar a pedra e ficou decidido que a melhor forma era tirar a pedra de lá, mas devido as dificuldades de tal empreitada, só em 1929 que se começou a definir como seria feito. Inicialmente, o plano era simples, bastava retirar a cinta de ferro que a mantinha inteira e depois transporta-la em pedaços para o centro da cidade. Foi pintado linhas e números nas partes da parte e foi meticulosamente fotografada e desenhada para que pudesse ser remontada exatamente na mesma forma original que era antes da mudança. Mas as profundas fissuras na rocha provou ser enganosa e quando a cinta de ferro foi removida, a pedra não se partiu como planejado.

Cartão postal da Rollstone Boulder, Fitchburg, Massachusetts de 1909 | Crédito da foto

Cartão postal da Rollstone Boulder, Fitchburg, Massachusetts de 1909 | Crédito da foto

Eventualmente, a cidade teve que tomar uma decisão difícil – explodir a rocha. Mas mesmo assim a pedra resistiu a várias explosões, antes de se rachar e quebrar-se em vários pedaços. Por um tempo, as pessoas estavam céticas que a rocha poderia ser juntada novamente e o pedreiro contratado para fazer o serviço, encontrou muitas dificuldades para montar as peças e seu trabalho era prejudicado com a trepidação dos bondes que passavam a todo instante, fazendo com que os pedaços da pedra já montados, se soltassem do cimento. Depois de meses de trabalho e muito dinheiro gasto, a cidade abandonou o projeto e deixou a rocha desmontada. Mais tarde, alguém deu a ideia de que a melhor maneira de prosseguir com a restauração da pedra seria de se desfazer do interior e só montar a parte exterior da pedra. Então, fixaram as partes com barras de ferro e encheram o seu interior com concreto e assim finalmente em 1930, a pedra estava montada no seu lugar atual e uma placa afixada na rocha com os dizeres:

“Esta pedra, correspondente ao último glaciar do Monte Monadnock, New Hampshire e transportada ate o cume do monte cujo nome a pedra homenageia e que foi durante séculos uma marca de terra de índio e colono. Ameaçada de destruição pela exploração de pedreiras, ela foi salva por doação popular e remontada aqui. 1920-1930”

Crédito da foto

Imagem tirada entre 1905 a 1918 | Crédito da foto

Fonte 1 2 3 4

Piedra Movediza, a pedra que veio abaixo, é uma história parecida, porém na Argentina.

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 157 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Pingback: Piedra Movediza, a pedra que veio abaixo

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estranhos

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Estranhos

A árvore leprosa de Malawi

Magnus Mundi21 de junho de 2018

Grotta del Cane, a caverna que matava cães

Magnus Mundi23 de maio de 2018

Patomskiy Cater, o ninho da águia de fogo

Magnus Mundi10 de março de 2018

O cemitério no porão da igreja de New Haven Green

Magnus Mundi16 de fevereiro de 2018

Shanay-timpishka, o misterioso rio que ferve na Amazônia

Magnus Mundi7 de fevereiro de 2018

Mercado de las Brujas, o mercado das bruxas de La Paz

Magnus Mundi20 de janeiro de 2018

Pedra de Ingá, o enigma da Paraíba

Magnus Mundi11 de janeiro de 2018

Varanasi: Onde a morte é o motivo da vida

Magnus Mundi10 de novembro de 2017

Colossos de Memnon, as estátuas que cantavam

Magnus Mundi13 de outubro de 2017
Scroll Up