Abandonados

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Salton Sea (Mar de Salton) é um lago raso e salino que cobre 1.360 quilômetros quadrados de deserto, a sudeste de Palm Spring, localizado a setenta metros abaixo do nível do mar, ocupando as mais baixas elevações do Saton Sink, no Deserto do Colorado, área dos condados de Imperial e Riverside, sendo o maior da lago da Califórnia, EUA, e criado acidentalmente, devido a um erro de cálculo numa obra de engenharia.

O Salton Sea era uma vasta depressão geológica, um leito seco, que era muitas vezes referido como o “Deserto do Colorado” ao longo do período espanhol da história da Califórnia. Em 1900, a Companhia de Desenvolvimento da Califórnia começou a construção de canais de irrigação para desviar a água do rio Colorado para Salton Sink. Após a construção destes canais de irrigação, o Salton Sink tornou-se fértil por um tempo, permitindo aos agricultores plantar diversas culturas.

Na primavera de 1905, durante um período de fortes chuvas e derretimento de neve, o nível do rio Colorado aumentou e inundou os canais de irrigação construídos pela empresa, numa região que já abrigou um mar pré-histórico. As águas romperam dois diques, formando dois novos rios que rapidamente inundaram o vale.

Durante um período de aproximadamente dois anos, esses dois rios recém criados – o rio News e o rio Álamo – transportaram esporadicamente todo o volume do rio Colorado para a bacia de Salton. À medida que a bacia se enchia, a cidade de Salton, um desvio da Ferrovia do Pacífico Sul e a reserva indígena americana Torres-Martinez também ficaram debaixo d’água.

Inundações intermitentes no Vale Imperial pelo rio Colorado continuaram. Engenheiros e quase 2.000 operários trabalharam incansavelmente para construir uma represa de madeira e pedras e depois de dois anos, conseguiram deter as inundações, criando um lago de 73 quilômetros de comprimento por 32 quilômetros de largura. Entretanto, as inundações só cessaram definitivamente com a construção da Represa Hoover na década de 1930.

O Salton Sea atualmente é alimentado pelos rios News, Whitewater e o Álamo, bem como pelos escoamentos agrícolas, sistemas de drenagem e riachos. A entrada anual média de 1,68 quilômetros cúbicos é suficiente para manter uma profundidade máxima de 16 metros e um volume total de cerca de 9,3 quilômetros cúbicos.

Em 1950, o Departamento de Pesca e Caça da Califórnia (CDFG) liberou milhares de peixes no Salton Sea. Algumas espécies sobreviveram e o lago rapidamente se tornou um paraíso para os pescadores, sendo considerado em 1985, como a pesca marinha mais produtiva do Estado. Com novos peixes para comer, o lago também se tornou um novo ponto de parada de aves migratórias.

Mais de 400 espécies foram documentadas no Salton Sea. Cerca de trinta por cento da população remanescentes do pelicano-branco americano vive em suas margens, e o lago também é uma das sete principais zonas úmidas da Pacific Flyway, uma importante rota migratória norte-sul para as aves migratórias na América, estendendo-se do Alasca à Patagônia.

Nos anos 50 e 60, os incorporadores imobiliários promoveram Salton Sea como um “milagre no deserto“, comparando-o ao rio francês Rivera. Clubes de iates multimilionários, casas de verão, hotéis e restaurantes surgiram ao longo do lago, transformando a área em um próspero balneário aquático que recebia 1,5 milhão de turistas a cada ano. Os turistas de Los Angeles – incluindo a banda The Beach Boys – fizeram a viagem de 240 quilômetros para tomar sol nas margens do lago.

Os resort mais conhecidos foram os Salton City, Salton Sea Beach e Desert Shores  na costa oeste e Desert Beach, North Shore e Bombay Beach na costa leste. Várias marinas e clubes náuticos de vários milhões de dólares também surgiram em torno do lago. Campos de golfe começaram a aparecer em todos os lugares. Milhares de pessoas compareceram para assistir ao Salton Sea 500, uma maratona de resistência de 500 milhas.

O boom econômico em Salton Sea, no entanto, não durou muito tempo. O ecossistema de Salton Sea tornou-se rapidamente hostil demais para sustentar organismos vivos. Com pouca chuva e sem saída de drenagem, o lago estava evaporando, causando o aumento na salinidade da água. Enquanto isso, o escoamento agrícola de pesticidas e fertilizantes aumentou a toxicidade de suas águas.

Em 1970, tempestades tropicais inundaram as cidades à beira do lago, danificando-as seriamente, e muitas foram abandonas. Com o passar dos anos, os peixes começaram a morrer em grandes quantidades – dezenas de milhares de peixes e aves mortas começaram a aparecer regularmente as margens do lago.

No final da década de 1990, as autoridades de Salton Sea e a US Bureau of Reclamation em conjunto com grupos locais começaram os esforços para desenvolver uma alternativa para salvar Salton Sea. Muitas ideias foram propostas, algumas defendendo a passagem de água do lago para uma área úmida no México para remover o excesso de sal, outras preferiam trazer mais água do Golfo da Califórnia para diluir o sal.

Muitos acreditavam que a única maneira de salvar o lago era limpá-lo e mantê-lo como uma parte importante da rota migratória de aves, construindo lagoas de evaporação na parte norte como forma de dessalinizar a água. Apesar dos esforços, nada de concreto foi efetivado, e o lago continuou morrendo.

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Nessa época, a água do lago era 25% mais salgada que a do Oceano Pacífico e 7,6 milhões de tilápias morreram por falta de oxigênio na água causada pelas algas superabundantes, as autoridades sabiam que a situação era sombria. Animais em decomposição circundavam áreas do lago, e eram vistos aos milhares há mais de dez anos. Combinado com algas em decomposição, o cheiro se tornou insuportável em determinadas áreas. As praias de areia branca outrora adoradas pelos visitantes ficaram desertas, cheias de restos decadentes de uma era de ouro perdida.

Em um século, Salton Sea havia se transformado de um bem vindo acidente em um pesadelo ambiental. O lago continuou a desaparecer, deixando para trás uma paisagem poeirenta contaminada com traços de arsênico e pesticidas. Hoje, o condado Imperial tem uma das piores contaminações do ar nos Estados Unidos e a maior taxa de hospitalização por asma da Califórnia.

Talvez  Salton Sea esteja destinado a secar como uma poça gigante na calçada. Geólogos descobriram evidências que provam que Salton Sink era alternadamente um lago de água doce e uma bacia seca no deserto, em um ciclo que se repetia incontáveis vezes ao longo de centenas de milhares de anos. A criação do lago em 1905 foi apenas o mais recente ciclo natural. No entanto, desta vez os humanos intervieram e o ecossistema mudou, talvez para sempre.

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Crédito da foto

Postais dos resorts de Salton Sea na época de seus tempos áureos

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Salton Sea, o lago criado acidentalmente

Fontes: 1 2

“A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar”. – Fernando Birri

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 422 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Me chamo Júlio César e moro em Porto Belo, Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, uma revista digital feita para pessoas que gostam de ler e saber mais profundamente sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos pelo mundo afora, bem como lendas, eventos e outros assuntos inusitados.

Veja mais em Abandonados

Castaway Depots, os depósitos de sobrevivência da Nova Zelândia

Magnus Mundi11 de outubro de 2018

A floresta fantasma de Neskowin

Magnus Mundi10 de outubro de 2018

Kola Superdeep, um dos buracos mais profundo do mundo

Magnus Mundi19 de setembro de 2018

Hallsands, a vila que desapareceu no mar

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Fortaleza de Mimoyecques, a base secreta dos nazistas para destruir Londres

Magnus Mundi24 de junho de 2018

A incrível história de Burro Schmidt e seu túnel

Magnus Mundi18 de junho de 2018

Ämari Air Force Cemetery, o cemitério de pilotos da Estônia

Magnus Mundi9 de junho de 2018

Happy End, acidentes de aviões com finais felizes

Magnus Mundi31 de março de 2018

O obscuro legado da Ilha de Gruinard

Magnus Mundi16 de dezembro de 2017
Scroll Up