O templo de Sree Padmanabhaswamy, dedicado ao deus Vishnu, o criador do universo, em Thiruvananthapuram, capital do estado de Kerala, fascina a Índia há muitos anos e é considerado o templo mais rico e misterioso do mundo, tendo um tesouro que vale mais de um trilhão de dólares. Nos séculos passados, reis e dinastias haviam doado ouro e joias para o templo, às vezes pesando príncipes da coroa se aproximando da idade adulta e doando um peso equivalente em ouro. Havia rumores de que esses tesouros ainda estão escondidos dentro de cofres secretos sob o antigo templo.

Ninguém sabe quantos anos o templo realmente tem. Alguns estudiosos dizem que foi estabelecido há mais de 5.000 anos. Mesmo já há 2.500 anos, o templo Padmanabhaswamy era conhecido por sua riqueza inimaginável. O templo é mencionado em vários textos hindus pertencentes ao período entre 500 a.C. a 300 d.C. onde foi referido como o “Templo Dourado“. A antiga literatura Sangram Tamil referem-se ao templo e até à cidade como tendo paredes de ouro puro.

Acredita-se que os objetos de valor tenham sido acumulados no templo ao longo de vários milhares de anos, tendo sido doados à divindade, e posteriormente armazenados no templo, por várias dinastias, como os Cheras, Pandyas, Família Real Travancore, Kolathiris, Pallavas, Cholas e muitos outros reis na história registrada do sul da Índia e além, e dos governantes e comerciantes da Mesopotâmia, Jerusalém, Grécia, Roma e, posteriormente, das várias potências coloniais da Europa e outros países. Além disso, em tempos de invasão, muitos templos menores na então região sul de Kerala e extrema transferiram e armazenaram suas riquezas para custódia no Templo de Padmanabhaswamy.

O templo acumulou grande parte de sua riqueza no início do século 13. Conforme o escritor indiano Gurcharan Das, que escreveu sobre a história econômica da Índia, o marajá Travancore estava lutando contra chefes locais e conquistou reinos próximos, cuja riqueza era considerável. Os reis e mercadores indianos vinham acumulando lucros com o comércio de especiarias havia quase dois mil anos.

Na Roma antiga, os senadores lamentaram que as mulheres locais usassem muitos luxos indianos e, em 77 d.C, Plínio o Velho declarou que a Índia havia se tornado “sumidouro do ouro do mundo“. No século 16, os portugueses ecoaram esse mesmo sentimento, reclamando que grande parte da prata do Novo Mundo estava indo para a Índia; depois que os britânicos chegaram ao subcontinente, fizeram protestos semelhantes.

Sree Padmanabhaswamy, o templo de um trilhão de dólares na Índia

Forma de dança ritual, Velakali é realizada todos os anos na entrada oriental do templo Padmanabhaswamy. | Crédito da foto

De acordo com o historiador TP Sankrankutty Nair, que escreveu livros sobre o Reino de Travancore, o marajá de Travancore “era um homem muito cruel” que, depois de matar milhares, ansiava pela absolvição. “Como arrependimento, ele dedicou todo o seu reino a Deus, em 1750“. Todas as coisas que ele juntou ao derrotar seus inimigos – todos os objetos de valor, ouro, prata, ornamentos e moedas, ela mandou que fossem lacrados em câmaras embaixo do templo. Após a morte do marajá, todo esse tesouro foi deixado em paz. Na Índia, a riqueza armazenada em cofres dos templos hindus, são vistos em grande parte em termos espirituais, não monetários.

Em 1870, um missionário britânico chamado Samuel Mateer escreveu sobre a vida em Trivandrum, e notou que os europeus eram impedidos de entrar no templo Padmanabhaswamy pelos nativos. Ele relatou também que: “Diz-se que há um poço profundo dentro do templo, no qual imensas riquezas são jogadas ano após ano; e em outro lugar, em um buraco coberto por uma pedra, uma grande lâmpada dourada, que foi acesa há mais de 120 anos e ainda continua acesa“.

Durante muito tempo, o templo e seus bens foram controlados por um trust, chefiado pela família Real Travancore. A Travancore era um reino que outrora abrangia grande parte do sul da Índia. Embora tenha deixado de existir em 1947, quando a Índia se tornou independente, os marajás continuaram a presidir o templo, tanto como líderes espirituais quando como guardiães da riqueza da divindade.

Sree Padmanabhaswamy, o templo de um trilhão de dólares na Índia

Esculturas em Padmanabhaswamy | Crédito da foto

Mas em 2011, a Suprema Corte da Índia, após uma petição particular buscando transparência no funcionamento do templo, ordenou que o controle do templo fosse feito pelo governo estadual e que a família real abrisse as kallaras, câmaras secretas localizadas no porão do templo e revelasse sua riqueza oculta.

As autoridades administrativas do templo estavam cientes da existência de seis cofres. Eles estão situados muito perto do sanctum-sanctorum do templo em seu lado oeste. Para fins de documentação, essas câmaras foram designadas como abóbadas A, B, C, D, E e F. Posteriormente, duas outras câmaras subterrâneas foram descobertas desde então, e foram designadas como câmara G e câmara H.

Sree Padmanabhaswamy, o templo de um trilhão de dólares na Índia

Detalhes das esculturas do templo | Crédito da foto

  • O cofre B não foi aberto, presumivelmente, por séculos. Os membros do comitê indicados pela Suprema Corte abriram a porta de grade de metal da câmaras B e descobriram uma porta de madeira robusta logo atrás. Eles também abriram essa porta e encontraram uma terceira porta de ferro, que estava totalmente fechada. Os observadores pensaram em forçar a entrada, mas consideraram isso impróprio; eles decidiram contratar um chaveiro. Então, em meados de julho, antes da chegada do chaveiro, a família real obteve uma liminar da Suprema Corte contra a abertura do cofre B.
  • Os cofres G e H também permaneceram fechados por séculos de maneira confiável a partir de maio de 2016.
  • Quatro das câmaras, nomeadamente aquelas designadas como C, D, E e F, estão sob a custódia dos sacerdotes do templo. Nos últimos anos, eles foram abertos pelo menos oito vezes por ano e alguns dos conteúdos armazenados neles são rotineiramente retirados para uso em ocasiões cerimoniais especiais, como festivais de templos, e são devolvidos após o uso.
  • Seguindo as ordens da Suprema Corte da Índia, um comitê nomeado pelo tribunal abriu os cofres em 30 de junho de 2011 e entrou no cofre A. Eles destrancaram uma grade de ferro e uma pesada porta de madeira, em seguida, removeram uma laje de granito do chão. Abaixo, alguns passos levaram a uma sala escura que guardava o tesouro. Os vários itens encontrados espalhados por toda parte não foram organizados sistematicamente. Havia cestos, potes de barro, potes de cobre, todos contendo objetos valiosos.

As pessoas designadas pela Suprema Corte aprontaram um inventário do tesouro encontrado. Detalhes completos do inventário não foram revelados. No entanto, reportagens de jornais deram uma indicação de alguns dos possíveis conteúdos dos cofres. Cerca de 40 grupos de objetos foram recuperados da câmara E e câmara F. Outros 1.469 grupos de objetos encontrados na câmara C e 617 na câmara D. Mais de 102.000 grupos de objetos (referidos como artigos coletivamente) foram recuperados somente na câmara A. De acordo com relatos de notícias confirmados, alguns dos itens encontrados incluem:

  • Um ídolo sólido de ouro puro de 1,2 metros de altura e 0,91 metros de largura de Mahavishnu (divindade principal no hinduísmo) cravejado de diamantes e outras pedras totalmente preciosas.
  • Um trono sólido de ouro puro, cravejado com centenas de diamantes e pedras preciosas, destinado ao ídolo da divindade de 5,5 metros de altura.
  • Traje cerimonial para adornar a divindade na forma de ouro anki de 16 partes pesando quase 30 quilos.
  • Uma corrente de ouro puro de 5,5 metros entre milhares de correntes de ouro puro.
  • Um feixe de ouro puro pesando 500 quilos.
  • Um véu dourado de 36 quilos.
  • Correntes de moedas de ouro puro 1200 ‘Sarappalli‘ incrustadas com pedras preciosas pesando entre 3,5 quilos e 10,5 quilos.
  • Vários sacos cheios de artefatos de ouro, colares, diademas, diamantes, rubis, safiras, esmeraldas, pedras preciosas e objetos feitos de outros metais preciosos.
  • Cascas de coco douradas cravejadas de rubis e esmeraldas.
  • Várias moedas da era napoleônica do século 18.
  • Centenas de milhares de moedas de ouro do  Império Romano.
  • Um tesouro de 800 quilos de moedas de ouro datado de cerca de 200 a.C.
  • De acordo com vários relatos, pelo menos três, senão muito mais, coroas de ouro maciço, todas cravejadas de diamantes e outras pedras preciosas.
  • Centenas de cadeiras de ouro puro.
  • Mais de 60.000 pedras preciosas, contendo nove tipos diferentes de diamantes.
  • Milhares de potes de ouro.
  • Uma arca com 600 quilos de moedas de ouro do período medieval.

A abertura dos cofres na época, descrita pelo jornal The New Yorker, pareceu um roteiro de um filme de Indiana Jones.

“As portas para os cofres A e B exigiam várias chaves, que haviam sido confiadas a Marthanda Varma, ancião da família Travancore e ao atual executivo do templo, VK Harikumar. Os observadores usaram as chaves para abrir a porta da grade de metal para o cofre B e descobriram uma robusta porta de madeira bem atrás dela. Eles também abriram essa porta e encontraram uma terceira porta, feita de ferro, que estava trancada e a deixaram como estava. Então eles voltaram sua atenção para o cofre A. Mais uma vez, eles abriram duas portas externas, uma de metal e outra de madeira.

Eles entraram em uma pequena sala com uma enorme laje retangular no chão, como uma lápide tombada. Cinco homens demoraram mais de trinta minutos para mover a laje. Embaixo, eles encontraram uma passagem estreita, escura como breu, pouco larga o suficiente para um adulto atravessar, descendo um pequeno lance de escadas. Era como o “buraco coberto por uma pedra” descrito pelo missionário britânico. Antes de os observadores descerem, uma equipe de bombeiros chegou e usou equipamentos especiais para bombear oxigênio para dentro do recinto. No fundo das escadas estava o cofre.”

Um dos observadores lembrou seu primeiro vislumbre do tesouro:

“Quando eles removeram a pedra de granito, estava quase perfeitamente escuro, exceto por uma pequena quantidade de luz que entrava pela porta atrás de nós. Quando olhei para o cofre escurecido, o que vi parecia estrelas brilhando no céu noturno quando não havia lua. Diamantes e pedras preciosas estavam brilhando, refletindo a pouca luz que havia. Grande parte da riqueza havia sido originalmente armazenada em caixas de madeira, mas, com o tempo, as caixas haviam apodrecidos e transformadas em pó. E assim as gemas e o ouro estavam apenas em pilhas no chão empoeirado. Foi fantástico.”

Mas essa é apenas a ponta do iceberg.

Ainda há rumores de que o cofre chamado B, é o maior e mais rico de todos. Diz a lenda que além da sala B, há uma câmara escondida com paredes grossas feitas de ouro sólido contendo riquezas imensuráveis. De acordo com uma estimativa feita pela Família Real Travancore, o tesouro no cofre B fechado poderia valer pelo menos um trilhão de dólares em valor presente.

Se for verdade, esse pode ser, de longe, o maior tesouro não descoberto encontrado na história do mundo. Porém alegam que a abertura da câmara B seria desrespeitoso à divindade central do templo e poderia levar a uma catástrofe generalizada não apenas ao povo indiano, mas possivelmente para todo o mundo.

Sree Padmanabhaswamy, o templo de um trilhão de dólares na Índia

Templo Sree Padmanabhaswamy, o templo mais rico do mundo. | Crédito da foto

Até hoje, existem diferentes relatos sobre se a misteriosa câmara B foi realmente aberta – e alguns até especulam que o templo pode ter sido saqueado ao longo dos séculos. Diz a lenda que saqueadores do século 17 tentaram invadir as câmaras subterrâneas do templo, apenas para acabar fugindo para salvar suas vidas em face de cobras ferozes que aparentemente se materializaram do nada. As portas da câmara B, são de fato, adornadas com imagens esculpidas em pedra de serpentes.

A questão que surge agora é quem deveria administrar a fortuna e como ela deveria ser usada, se é que deve ser usada. O governo indiano quer derreter o ouro e emprestá-lo aos joalheiros para satisfazer o apetite insaciável do país por ouro. A reutilização do ouro poderia reduzir em um quarto as importações anuais de ouro da Índia, de acordo com fontes do governo e da indústria. Mas devotos e ativistas sustentam que o ouro pertence ao templo e deve ser deixado intocado.

Sree Padmanabhaswamy, o templo de um trilhão de dólares na Índia

Crédito da foto

Enquanto a Índia debatia a quem esta fortuna pertence, o governo reforçou a segurança no templo. Para proteger a enorme riqueza, um sistema de segurança de última geração foi instalado, incluindo um sistema de vigilância aérea, muros perimetrais à prova de explosões, sensores sísmicos para proteger os cofres de túneis, câmeras de vigilância, scanners de bagagem, alarmes contra roubo, e um sistema de rastreamento de visitantes.

Sree Padmanabhaswamy, o templo de um trilhão de dólares na Índia

Um ídolo do Senhor Vishnu feito de ouro puro e pesando 32 kg, recuperado dos cofres ocultos do Templo Padmanabhaswamy. | Crédito da foto: srirangaminfo.com

Em julho de 2020, anulando a decisão de janeiro de 2011, do Tribunal Superior de Kerala, a Suprema Corte da Índia decidiu que a administração e o controle do Templo de Padmanabhaswamy seriam feitos pela antiga família real Travancore. Enfim, o Templo Sree Padmanabhaswamy é um dos poucos exemplos no mundo de hoje de um lugar onde o material da mitologia e lenda se torna realidade – e ainda existem portas secretas a serem destrancadas.

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Leia também

Shell Grotto, a misteriosa gruta da Inglaterra

Jacob’s Well, o poço traiçoeiro

A porta do inferno em Turquesmenistão

Visualização: 103 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor
Ajude a melhorar o conteúdo do site. Deixe um comentário

Faça um comentário

Seu email não será publicado