Abandonados

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Chinguetti é uma antiga cidade do centro-oeste da Mauritânia, na região de Adrar, a setenta quilômetros de Atar. Fundada em 777, no século 11 como o centro de várias rotas comerciais que atravessavam o deserto do Saara e se tornando também um centro de estudos religiosos e científicos na África Ocidental. Esta pequena cidade continua a atrair visitantes que admiram sua arquitetura, paisagem e suas bibliotecas antigas, com alguns dos mais raros livros do planeta.

As casas foram construídas com pedras avermelhadas e lama seca, cobertas com folhas de palmeira. As paredes de pedra tem pequenas janelas e portas com caixilhos feitos com madeira de acácia, árvore esse que há muito tempo já desapareceu de toda a região. A maioria dessas casas atualmente estão em ruínas, abandonadas devido a invasão das dunas de areia do crescente Saara, onde milhares de anos atrás era uma ampla savana.

Pinturas que remontam à Idade da Pedra que existem perto de Chinguetti, retratando a região como um oásis de pastagens luxuriantes onde os animais selvagens proliferavam. As mudanças climáticas estão trazendo longos períodos de secas e erosão extrema, provocando a desertificação ambiental, que trazem consigo tempestades de areia mais frequentes e severas. Calcula-se que o deserto do Saara avance para o sul a uma velocidade de cinquenta quilômetros por ano.

No passado, Chinguetti era uma próspera cidade de 20.000 habitantes e agora menos de 5.000 pessoas moram no paupérrima lugar. À medida que a cidade desaparece lentamente sob a areia, algumas das últimas famílias restantes se agarram desesperadamente ao seu precioso tesouro – uma das melhores coleções de manuscritos islâmicos antigos. A mais importante e rica destas bibliotecas é considerada das mais antigas de todo o Islã, e pertence à família de Mohammed Habbot, com cerca de 1.600 volumes. Muitos desses livros foram escritos em pele de gazela, e protegidos por capas feitas com pele de cabra.

A cidade era um oásis para as caravanas, que paravam para descansar e para vender suas mercadorias, bem como dar água para seus camelos. Se tornou uma cidade sagrada e um lugar de encontro para os peregrinos incapazes de fazer a longa jornada a caminho de Meca. É dito de Chinguetti é a sétima cidade sagrada do Islamismo.

À medida que milhares de homens cultos passaram pela cidade, o intercâmbio de ideias religiosas, culturais e científicas ocorreu e a reputação da pequena cidade aumentou. O que antes era apenas um ponto de parada no deserto, rapidamente se tornou um destino por direito próprio. Durante séculos, foi um mais importantes centros de estudos multidisciplinares, onde eram estudadas matérias de direito, matemática, ciências, religião, medicina e astronomia.

Na Europa vivia-se uma era negra e obscura, conhecida como Idade das Trevas, que inibia quem tivesse vontade de estudar e de adquirir conhecimento e onde imperava a lei da religião acima de todas as outras, mas nesse canto da África Ocidental encontravam-se os mais variados pensadores, estudiosos e religiosos. A área em torno da Rue des Savants já foi famosa como um lugar de encontro para tais eruditos debaterem os pontos mais finos da lei islâmica.

Durante muitos séculos, toda a Mauritânia foi popularmente conhecida no mundo árabe como Bilad Shinqit, “a Terra de Chinguetti” e também como a “Cidade das Bibliotecas”. Apesar da decadência e abandono, a cidade continua a ser um dos locais históricos mais importantes do mundo tanto em termos da história do islamismo como da história da África Ocidental.

Há meio século atrás, havia trinta bibliotecas com volumes antigos e milhares de manuscritos. Agora, apenas cinco dessas bibliotecas privadas sobreviveram e são vigiadas pelas mesmas famílias que passaram esses tesouros literários por gerações. Dispostos em prateleiras abertas e vulneráveis ao clima desértico, estes livros e manuscritos estão literalmente virando pó.

O governo da Mauritânia tem tentando adquirir esses delicados manuscritos de seus donos, mas as famílias se recusam a se desfazer deles, pois é uma honra para eles mantê-los. “Você se separaria da mão ou do pé? É parte de nós!“, diz Seif Islam, diretor da escola de segundo grau, que tem 700 mil volumes empoeirados em sua coleção.

Esses dedicados bibliotecários, no entanto, mostrarão ansiosamente sua coleção para qualquer turista curioso o suficiente para vê-los. Estima-se que existem centenas de milhares de textos antigos no país, mas apenas alguns poucos foram recuperados, catalogados e arquivados no Museu Nacional. Em 1996, a UNESCO designou Chinguetti, (cidade e bibliotecas) juntamente com as cidades de Ouadane, Tichitt e Oualata, também na área das dunas do Saara, como Patrimônio Mundial.

Uma das soluções para prevenir a deterioração dos manuscritos seria limitar seu contato com a luz e poeira, mas as famílias detentoras dos acervos têm no turismo uma das únicas fontes de rendimento, e sendo que para eles, a subsistência está acima da preservação cultural e em muitos casos, são obrigados a expor seus livros antigos para atrair turistas, mesmo que desta forma os façam deteriorar-se ainda mais. As constantes mudanças climáticas, assim como a turbulência política que assola muitas partes da África Ocidental, incluindo a Mauritânia estão afastando os turistas, pondo em risco a subsistência dos bibliotecários do deserto.

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Um antigo Alcorão | Crédito da foto

As bibliotecas perdidas de Chinguetti

Um Alcorão com mil anos | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”. – Fernando Teixeira de Andrade

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 42 vezes

Deixe seu comentário! Faça nosso trabalho valer a pena!
Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abandonados

Meu nome é Julio Cesar, e sou de Santa Catarina e idealizador do site Magnus Mundi. O site tem como objetivo informar sobre lugares curiosos, estranhos ou inóspitos e também histórias, lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Abandonados

The donut, a fracassada ilha artificial

Magnus Mundi22 de outubro de 2017

Centralia, a cidade do fogo eterno

Magnus Mundi14 de setembro de 2017

Erdstalls, os túneis misteriosos da Europa

Magnus Mundi1 de setembro de 2017

Magic Bus, o farol da estupidez

Magnus Mundi24 de Fevereiro de 2017

Sewell, a cidade mineira abandonada nos Andes

Magnus Mundi8 de Fevereiro de 2017

St Kilda, o antigo lar do povo pássaro

Magnus Mundi21 de Janeiro de 2017

Jadav Payeng, o homem floresta da Índia

Magnus Mundi20 de novembro de 2016

Bourbon, os túneis esquecidos de Nápoles

Magnus Mundi22 de outubro de 2016

Isola La Gaiola, a ilha amaldiçoada

Magnus Mundi24 de setembro de 2016