Engenharia

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelos romanos

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelos romanos

Distante cerca de oito quilômetro a leste da cidade de Terni, a capital provincial da região italiana de Umbria, na Itália, há uma bela cachoeira de três níveis conhecida como “Cascata della Marmore” ou Cataratas Marmore. Sua altura total é de 165 metros, tornando-se a cachoeira mais alta feita pelo homem no mundo. Dos seus três níveis, a de cima é o mais alto, pedindo 83 metros.

Nos séculos 17 e 18, essa cachoeira fazia parte do ‘Grand Tour‘, um antigo circuito de excursões que jovens ingleses ricos, onde atravessavam a França e a Itália em busca de lugares de arte, cultura e das raízes da civilização ocidental. A característica da cachoeira não reside apenas em sua grandeza, mas também no fato que ser um produto da intervenção humana com a natureza.

Há dois mil e duzentos anos não havia cachoeiras naquela área. Sua fonte é uma parte das águas do rio Velino (o resto do rio flui em uma usina hidrelétrica), depois flui através do lago Piediluco, próximo da comunidade de Marmore. O rio Velino flui através das montanhas que cercam a cidade de Rieti. Nos tempos antigos, o rio terminava num pântano no vale de Rieti. As águas estagnadas do pântano eram consideradas insalubres e foram responsabilizadas por várias doenças, principalmente a malária que afetavam a população.

Para remover essa ameaça para a cidade de Rieti, em 271 a.C., o cônsul romano Mânio Cúrio Dentato ordenou a construção do canal conhecido como ‘Curiano Trench‘ ou Fossa de Curiano, para desviar as águas estagnadas e drenar os pântanos. Com o canal, a água foi desviada para o rio Nera. Naquela época, o trabalho foi anunciado como um grande evento e certamente contribuiu para fortalecer o prestígio de Roma entre os habitantes da Úmbria, território recentemente conquistado. No entanto, essa solução criou um problema diferente: quando o rio Velino inundava em época de chuvas, a água fluía através do Nera em direção a cidade de Terni, ameaçando sua população. O canal artificial e a enchente resultante se tornaram uma longa disputa entre os habitantes de Terni e o vale do Reiti.

A questão era tão controversa que o Senado romano foi forçado a discuti-la em 54 a.C. Porém não conseguiu chegar a um consenso e o problema permaneceu sem solução por séculos. Após a queda do Império Romano, a invasão bárbara e o desenvolvimento do sistema feudal fizeram com que os territórios conquistados e o campo fossem gradualmente abandonados. A falta de manutenção no canal (Curiano Trench) fez o mesmo acumular sedimentos, resultando em uma diminuição no fluxo, até que finalmente o pântano começou a reaparecer.

Em 1422, o Papa Gregório XII ordenou a construção de um novo canal para restaurar o fluxo original, o que viria a dar origem a Cascata della Marmore. Já em 1545, o Papa Paulo III ordenou que um novo canal fosse construído (Pauline Trench). Outras melhorias adicionais eram expandir os canais existentes e construir uma válvula de regulação para controlar o fluxo. Após a sua conclusão, cerca de 50 anos mais tarde (em 1598), o Papa Clemente VIII inaugurou o novo trabalho, nomeando com seu nome: Clementine Trench.

Nos dois séculos seguintes, a presença do canal foi problemático para a zona rural no vale abaixo, com as constantes enchentes do rio Nera. Em 1787, o Papa Pio VI ordenou que o arquiteto Andrea Vici modificasse os saltos abaixo das quedas, resultando na aparência atual das cachoeiras e, finalmente, resolvendo a maioria dos problemas. Em 1896, fundições de aço em Terni usaram o fluxo de água do Curiano Trench em seu funcionamento e nos anos seguintes, os engenheiros também começaram a usar o fluxo de água para gerar eletricidade.

Atualmente, a água nos canais acima das cachoeiras são desviadas para uma central hidroelétrica, de modo que o fluxo no cataratas é fortemente reduzida. O lago Piediluco, acima das cachoeiras, é utilizado como um reservatório para a Usina Galletto, construída em 1929. Para controlar o funcionamento da central de energia, e para satisfazer os turistas, as cachoeiras são ligadas de acordo com um calendário conjunto, conseguindo um efeito espetacular no fluxo total. Um alarme é soado primeiro, depois os portões são abertos, e em poucos minutos o pequeno riacho é transformado em um rio de bom tamanho caindo nas três quedas das cachoieras.

A água é liberada duas vezes ao dia, uma hora a cada vez – entre as 12:00 e às 13:00 e novamente entre as 16:00 e às 17:00, com um tempo a mais nas épocas de férias. Uma taxa de entrada é cobrado para visitar as cachoeiras e as áreas circundantes. Um caminho ao longo do quedas permite ao visitante caminhar até o topo das cachoeiras. Ao longo do caminho, um túnel (Túnel do Amor) leva a um observatório em frente ao primeiro salto da cachoeira chamada “Varanda dos Amantes“, porém a o risco do observador ficar totalmente encharcado.

Também tem observatório construído pelo Papa Pio VI em 1781 chamado Specola, que é uma pequena torre no final do alto Belvedere da cachoeira, a partir do qual, se pode desfrutar de um vista espetacular da primeira queda. Este também é o lugar para se observar o arco-iris de Marmore, um fenômeno visível quanto determinadas condições atmosféricas são criadas devido à presença de vapor de água.

A uma lenda mitológica para a origem das cachoeiras que diz: “A ninfa Nera havia se apaixonado por um pastor, Velino, mas Juno como castigo por aquela história de amor, transformou-a em um rio, o Nera. Velino, angustiado, atirou-se do penhasco de Marmore para se unir à sua amada: aquele salto mortal continuaria por toda a eternidade“.

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelo homem

Túnel do Amor | Crédito da foto

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelo homem

Varanda dos Amantes na Cascata delle Marmore | Crédito da foto

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelo homem

Torre chamada Specola | Crédito da foto

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelo homem

Vista aérea da Cascata delle Marmore | Crédito da foto

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelo homem

Fluxo da Cascata delle Marmore na maior parte do tempo | Crédito da foto

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelo homem

Vista noturna da Cascata delle Marmore | Crédito da foto

Cascata delle Marmore, a cascata feita pelo homem

Arco-iris que se forma na Cascata delle Marmore | Crédito da foto

Fontes: 1 2 3

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 657 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor

Faça nosso trabalho valer a pena. Deixe seu comentário!

Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Engenharia

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Veja mais em Engenharia

The Impossible Railroad, a ferrovia impossível

Magnus Mundi24 de junho de 2019

Como uma ponte de Londres foi parar na América

Magnus Mundi12 de outubro de 2018

Kola Superdeep, um dos buracos mais profundo do mundo

Magnus Mundi19 de setembro de 2018

O extraordinário Grande Canal da China

Magnus Mundi9 de setembro de 2018

Jantar Mantar, o observatório astronômico da antiga Índia

Magnus Mundi4 de setembro de 2018

Devil’s bridge, as pontes do diabo na Europa

Magnus Mundi9 de julho de 2018

Os moinhos em cascata de Folón e Picón

Magnus Mundi22 de junho de 2018

A ponte ferroviária El Infiernillo no Peru

Magnus Mundi9 de junho de 2018

Ilhas Astronautas, as ilhas camufladas da Califórnia

Magnus Mundi4 de abril de 2018

Magnus Mundi é uma revista digital que tem seu conteúdo voltado para lugares, eventos, artes e histórias inusitadas pelo mundo afora

Copyright © 2015 · OceanSite · Desenvolvimento de website e aplicativos para mobiles

Scroll Up