Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Postado por

Desde a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos realizaram mais de 1.000 testes nucleares. A grande maioria feitos na área de teste em Nevada (Nevada National Security Site) e em vários outros locais pelo território americano, bem como nas Ilhas Marshall, na Micronésia. Mais de cem testes foram feitos em ilhas no Oceano Pacífico.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

O Atol Enewetak, integrante das Ilhas Marshall é um grande atol de corais com quarenta pequenas ilhas, que somam apenas seis quilômetros quadrados de terra sobre o mar, em volta de uma lagoa com 80 quilômetros de diâmetro, no Oceano Pacífico, localizado à 305 quilômetros a oeste do Atol de Bikini. Sua população é de cerca de 820 pessoas (Censo de 1999).

Visitado por menos de uma dúzia de navios até se tornar – como parte das Ilhas Marshall – colônia da Alemanha em 1885, Enewetak (então chamada Eniwetok) foi ocupada pelos japoneses em 1914 e colocado sob seu domínio mandatário pela Liga das Nações em 1920.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Ignorado pelo governo japonês até a Segunda Guerra Mundial, o atol se transformou em local estratégico a partir de novembro de 1942, quando um aeroporto foi construído em uma de suas ilhas para servir de ponto de passagem e abastecimento para aviões das rotas das Ilhas Carolinas e entre as outras ilhas de Marshall.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

o lado da Runit Dome, se vê a cratera “Lacrosse” feita num teste nuclear no dia 05 de maio de 1956, durante a “Operação Redwing”.

Quando as Ilhas Gilbert foram tomadas pelos norte-americanos, uma brigada de infantaria japonesa foi enviada para defender o atol. Sem tempo útil para terminar as fortificações planejadas, Enewetak caiu frente a invasão dos marines em fevereiro de 1944, que o capturaram após duros combates que duraram uma semana.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Imagem do “O Túmulo” assim que ficou concluída depois de três anos de obras na construção da cúpula e limpeza da região

Após a guerra, todos os nativos residentes foram evacuados do atol, sendo forçados a se mudarem a contra gosto para o Atoll Ujelang, para que a região se transformasse num campo de testes nucleares dos Estados Unidos. Cerca de 67 testes nucleares foram efetuados no local entre 1948 e 1958, incluindo a primeira explosão de uma bomba de hidrogênio chamada “Bravo”, como parte da Operação Ivy Mike, em 1 de novembro de 1952, que vaporizou a ilha de Elugelab, deixando no lugar, uma cratera de dois quilômetros de diâmetro e 55 metros de profundidade.

A Bravo era 1.000 vezes maior do que a bomba atômica lançada em Hiroshima, no Japão, que provavelmente matou 146.000 pessoas. Vários foguetes com equipamento científico de medição radioativa foram lançados sobre a área para pesquisar as nuvens produzidas pelas explosões nucleares.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Em 1977, num esforço para descontaminar as ilhas de Enewetak, os militares misturaram mais de 110 mil metros cúbicos de solo contaminado e detritos, retirados dos atóis de Enjebi, Lujor, Runit, Aomon e ilhas Boken com cimento, e depois depositaram na cratera de nove metros de profundidade por 107 metros de largura no marco zero da explosão de uma bomba atômica de 18 quilotons, de codinome “Cactus” em 5 de maio de 1958, no norte da ilha Runit, durante uma série de explosões, conhecido como “Operação Hardtack I”.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Um sarcófago de 110 metros de diâmetro e oito metros de altura, apelidada de “Runit Dome” pelos americanos e “O Túmulo” pelos ilhéus é composta de 358 painéis de concreto, cada uma com 40 centímetros de espessura, foi construída sobre três milhões de metros cúbicos de lixo radioativo. Quatro mil militares foram envolvidos na limpeza e levou três anos para ser concluída. Desses, seis morreram durante os trabalhos e centenas mais desenvolveram doenças relacionadas à radiação, como o câncer.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

O sanduíche da estrutura

Em 1980, as autoridades anunciaram que o atol estava livre de contaminação e novamente seguro para ser habitado, e assim, muitos dos antigos moradores voltaram para a região. No entanto, o modo de vida tradicional dos povos, a convivência com a natureza e meio ambiente, nunca seria mais o mesmo. A contaminação radioativa mudou seu ambiente para sempre.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Em 1982, uma força-tarefa do governo dos EUA levantou preocupações sobre uma provável violação se um tufão atingisse a ilha. Em 2013, um relatório do Departamento de Energia dos EUA constatou que a cúpula de concreto havia resistido com pequenas rachaduras na estrutura. No entanto, o solo ao redor da cúpula foi considerado mais contaminado do que seu conteúdo, portanto, uma brecha não poderia aumentar os níveis de radiação de forma alguma.

Como a operação de limpeza da década de 1970 removeu apenas cerca de 0,8% do total de resíduos transurânicos no atol de Enewetak, o solo e a água da lagoa ao redor da estrutura agora contêm um nível mais alto de radioatividade que os detritos da própria cúpula, portanto, mesmo no caso de um colapso total, a dose de radiação fornecida à população residente local ou ao ambiente marinho não deve mudar significativamente.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

A preocupação reside principalmente na resposta rápida das mares à altura da água abaixo da pilha de detritos, com o potencial de contaminação do suprimento de água subterrânea com radionuclídeos. Uma preocupação particular é que, para economizar custos, o plano original de alinhar a cratera porosa com o fundo foi abandonado. Como o fundo da cratera consiste em solo permeável, há água do mar dentro da cúpula.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

No entanto, como afirmou o relatório do Departamento de Energia, os radionuclídeos liberados serão diluídos muito rapidamente e não devem causar nenhum risco radioativo elevado para o ambiente marinho, com comparação com o que já é experimentado. Porém, a vazamento e a ruptura da cúpula podem dispersar o plutônio, um elemento radioativo que também é um metal pesado tóxico.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Um relatório investigativo do jornal Los Angeles Times, em novembro de 2019, reacendeu o receio de a cúpula rachar com o aumento do nível da água do mar decorrendo ao aquecimento global e liberar material radioativo no solo e na água circundante. Uma equipe de pesquisa fez cinco viagens à área e descobriu que o nível do mar ao redor da cúpula está subindo a cada ano e há evidências de branqueamento de corais, morte de peixes e impactos negativos na saúde dos habitantes locais.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Segundo o relatório, o nível do mar está subindo 0,3 centímetro por ano no oceano Pacífico, mais do dobro do ritmo do aumento do nível do mar em outras partes do mundo. Os cientistas dizem que as águas ao redor da área podem subir um metro e meio nas próximas décadas, o que poderia quebrar a cúpula e criar as condições para um derramamento de lixo nuclear em larga escala com ramificações globais.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Em 2000, os habitantes nativos de Enewetak foram indenizados com 340 milhões de dólares por danos causados por perda de uso das terras, miséria, deslocamento forçado e problemas de saúde entre a população. Esta compensação financeira não inclui a verba anual de seis milhões de dólares, destinada pelo governo americano para programas de educação e saúde nas Ilhas Marshall.

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Detonação da primeira bomba de hidrogênio (Bravo) no dia 01 de novembro de 1952, no atol de Enewetak

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico

Artigo publicado originalmente em maio de 2015

Fonte: 1 2 3 4

Postagens pelo mundo:

Visualização: 2217 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo! O que achou do artigo??
  • Ótimo
  • Bom
  • Indiferente
  • Poderia ser melhor

Comments 1

  1. Pingback: Runit Dome, a grande lata de lixo nuclear do Pacífico – Digitado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll Up ©2020 OceanSite - Desenvolvimento de sites e aplicativos