Animais

A baleia azul de Gotemburgo

A baleia azul de Gotemburgo

Em 1865, uma jovem baleia azul nadou muito perto da costa na Suécia e acabou encalhando em Askim Bay, ao sul de Gotemburgo. A enorme criatura com 16,41 metros de comprimento e pesando 25 toneladas, lutou até a exaustão para se libertar, mas não conseguiu sair. Dois pescadores locais a encontraram e desejando ganhar algum dinheiro com ela, acabaram desferindo muitos golpes de facão e arpão por dois dias seguidos, até finalmente a baleia morrer.

August Wilhelm Malm, taxidermista e futuro curador do Museu de Gotemburgo, soube da baleia e comprou a carcaça dos pescadores para incorporá-la ao acervo de um futuro museu, pois taxidermizar uma baleia inteira era o sonho de muitos empalhadores, e seria um espécime única no mundo e traria muitos visitantes, que pagariam um bom dinheiro para ver o animal em toda a sua magnitude. Ele contratou cinco barcos a vapor para reboca-la até um estaleiro em Gotemburgo. Sem perder tempo, Malm começou a medir e fotografar o animal, antes que certas partes começassem a inchar, como resultado da decomposição. Uma semana depois, o taxidermista conseguiu que alguns pescadores o ajudassem a cortar a baleia em quatro partes, tirar sua pele, dar o devido tratamento e secá-la e desossar a baleia, que seria exposto em separado, em troca de bebidas grátis.

A baleia despertou a curiosidade da população e apesar da cena sangrenta e do mau cheiro, uma multidão apareceu para inspecionar os trabalhos e a polícia teve que intervir para não gerar tumulto, sem resultado. Malm cercou o local e começou a cobrar uma pequena taxa, para que as pessoas pudessem acompanhar os trabalhos e ao mesmo tempo ajudar nos custos da operação, mas elas não queriam ficar atrás da cerca, e sim se aproximar do animal, e muitas delas, curiosas sobre o tamanho da garganta do bicho, imaginando se era possível uma pessoa passar por ali, como dizia a história de Jonas, na Bíblia, que foi engolido por um peixe grande, que muitos acreditam ter sido uma baleia. Isso inspirou Malm a planejar a montagem da baleia para que as pessoas pudessem entrar dentro de seu ventre.

A cobrança da taxa não foi muito bem recebida pela população que começou a roubar pedaços de carne e ossos da baleia como lembranças, fazendo com que Malm acelerasse os trabalhos. Para preservar o coração, intestinos, olhos, pulmões e outros, foram mergulhados numa mistura de glicerina e álcool. Foi removido 3.400 quilos de pele em tiras, que foram penduradas sobre armação de madeira e escovadas para remover a gordura, até que a mesma ficasse com uma espessura de 1 centímetro. Enquanto muitas pessoas trabalhavam na pele, outros limpavam o esqueleto, fervendo os ossos e depois, cada parte era etiquetado com plaquetas de latão para posteriormente ser montado no lugar certo.

Foi construído uma grande estrutura em madeira em forma da baleia, para que a pele fosse esticada sobre ela, processo semelhante é usado para revestir sofás em couro e algumas partes do animal tiveram ser ser esculpida, como partes da mandíbulas e nadadeira caudal, partes essas perdidas ou danificadas no transporte e depredadas pela população. A cabeça da baleia foi montada de forma que se pudesse abrir a parte de cima (maxila) para acessar seu interior, que foi todo revestido em tecido e equipado com bancos confortáveis e tapetes. Após meses de trabalho, a baleia azul finalmente estava pronta em quatro seções e para pagar o empréstimo feito na compra do animal e os custos de sua reconstrução, ela viajou para muitos países da Europa, antes de ser exposta definitivamente no Museu Natural de Gotemburgo.

E nesse trajeto muito coisa aconteceu. Em Estocolmo, o ventre da baleia foi adaptado para ser um café, sendo seu interior revestido de tecido azul com estrelas douradas, e decorado com bancos e mesinhas. Após passar por Hamburgo, Berlim, Paris e Londres, problemas financeiras fizeram a baleia ser confiscada e ficou meses armazenada num galpão, até que os devidos impostos fossem pagos. Após voltar para a Suécia, ela ficou novamente guardada em caixas por uns dois anos, pois não tinha um lugar para exibi-la, até ser colocada no Museu de História Natural em Slottskogen, em 1918, e para isso, teve que ser aberto um buraco na parede do prédio, para conseguir entrar com o animal.

Pessoas vinham visitar a baleia azul de toda parte, especialmente para entrar dentro dela e a maxila da baleia era aberto frequentemente para ter acesso ao seu interior, mas em algum momento na década de 1930, um casal foi flagrado fazer sexo dentro da criatura e desde então, o museu decidiu dar acesso ao seu interior só em ocasiões especial. Em 2015, a baleia completou 150 anos, e passou por muita coisa, desde os fatídicos dias em que encalhou na costa em 1865.

Malm após estudar detalhadamente a sua baleia azul, escreveu um livro (Monographie illustrée du baleinoptère trouvé le 29 Octobre 1865 sur la côte occidentale de Suède) sobre o animal. Nele, ele descreveu o mamífero como pertencente a uma nova espécie de baleia, batizando-a Balaenoptera carolinae em homenagem a sua esposa. O que ele não sabia na época, era que não se tratava de uma espécie desconhecida de baleia, mas simplesmente de uma baleia azul jovem (Balaenoptera musculus), cujo corpo e esqueleto ainda não tinham sido submetidos as mudanças que ocorrem com a maturidade. Malm se confundiu sobre a baleia, mas ao mesmo tempo, ele se tornou o criador de um exemplar único no mundo.

A baleia azul de Gotemburgo

A baleia azul de Gotemburgo

Fontes: 1 2 3 4

“Verba volant, scripta manent” (As palavras voam, os escritos permanecem)

Postagens por esse mundo afora

Visualização: 358 vezes

Obrigado por avaliar. Divulgue nas redes sociais, o que achou! .
Ajude a melhorar nosso conteúdo, informando o que sentiu ao ler este artigo?
  • Fascinado
  • Contente
  • Entediado
  • Indiferente
  • Decepcionado
Clique para adicionar um comentário

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Animais

Me chamo Julio Cesar, e moro no litoral de Santa Catarina. Sou o idealizador do site Magnus Mundi, que tem como objetivo descrever lugares curiosos, estranhos ou inóspitos, bem como lendas, eventos inusitados pelo mundo afora.

Veja mais em Animais

Os crocodilos que habitam as cavernas do Gabão

Magnus Mundi16 de setembro de 2018

Cordyceps – O fungo que transforma insetos em zumbis!

Magnus Mundi17 de julho de 2018

O valioso sangue azul do caranguejo-ferradura

Magnus Mundi11 de junho de 2018

Anacondas e pítons, as grandes cobras do mundo

Magnus Mundi30 de maio de 2018

Tarântulas como alimento no Camboja

Magnus Mundi14 de março de 2018

Glowworms Caves, a caverna do céu estrelado

Magnus Mundi11 de março de 2018

Sweetheart, a fera das águas que acabou morrendo afogada

Magnus Mundi26 de janeiro de 2018

Queimada Grande, o ninho de cobras

Magnus Mundi25 de janeiro de 2018

Stuckie, o cão mumificado dentro de uma árvore

Magnus Mundi22 de janeiro de 2018